Infância, cinema e adoção: uma análise do filme Matilda

Autores

  • Cleide Vitor Mussini Batista Universidade Estadual de Londrina https://orcid.org/0000-0002-2213-1496
  • Gilmara Lupion Moreno Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-7939.2023v8n2p298

Palavras-chave:

Crianças; Filmes Infantis; Adoção; Psicanálise; Psicologia

Resumo

Este artigo versa sobre a parentalidade adotiva apresentada nos filmes infantis, bem como o que podemos considerar sobre adoção a partir dessas obras fílmicas. Tem por objetivo refletir acerca da transição da criança da família biológica à família por adoção no filme Matilda. Além disso, busca apresentar a relação entre as crianças, os filmes infantis e a parentalidade adotiva, bem como analisar e discutir um caso de adoção por mãe solo no filme Matilda e se as experiências traumáticas vividas anteriormente, na família biológica, influenciam no padrão de comportamento da criança. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, com base nos estudos realizados no Projeto de ensino “Crianças conectadas: um estudo sobre as tecnologias na infância”, e nas teorias da Psicologia, da Psicanálise e da Adoção. Os resultados mostram a importância do conhecimento sobre adoção, para que os adultos possam fazer as mediações necessárias durante e após a exibição dos filmes, a fim de auxiliar as crianças a compreenderem o real significado da adoção. Destacamos também a contribuição da Psicologia e da Psicanálise na melhor transição da criança, da família biológica à família por adoção

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Cleide Vitor Mussini Batista, Universidade Estadual de Londrina

Pós-Doutora em Psicologia pela USP e em Psicanálise pela UFPB. Docente do Departamento de Educação da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Gilmara Lupion Moreno , Universidade Estadual de Londrina

Doutora em Educação pela USP. Docente do Departamento de Educação da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Referências

A FAMÍLIA do futuro. Direção: Stephen J. Anderson. Califórnia: Walt Disney Studios, 2007.

A EXTRAORDINÁRIA vida de Timothy Green. Direção: Peter Hedges. Califórnia: Walt Disney Studios, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC, SEB, 2010.

BRAZ, L. T. A.; SARAT, M.; MONTIEL, L. W. T. O que vamos assistir hoje: cinema e animação na pré-escola. Horizontes – Revista de Educação, v. 6, n. 11, p. 107–125, 2018. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/horizontes/article/view/8116. Acesso em: 19 maio 2023. DOI: https://doi.org/10.30612/hre.v6i11.8116

CINEMATERNA. Disponível em: https://www.cinematerna.org.br/ Acesso em: 17 maio 2023.

DAHL, R. Matilda. Trad. Cecília Camargo Bartalotti. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FERENCZI, S. (1931). Análise de crianças com adultos. In: Psicanálise, 2. Ed. v. 4. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011, p. 79-95.

FERENCZI, S. (1933). Confusão de língua entre os adultos e a criança. In: Psicanálise, 2. ed., v. 4. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011, p. 113-121.

LILO e Stitch. Direção: Chris Sanders e Dean DeBlois. Califórnia: Walt Disney Studios, 2002.

LOUREIRO, R. Educação, Cinema e Estética: elementos para uma reeducação do olhar. Educação e Realidade, p. 135-154, jan./jun. 2008.

MATILDA. Direção: Danny DeVito. New Jersey: Jersey Films, 1996.

MEU MALVADO favorito. Direção: Pierre Coffin e Chris Renaud. Califórnia: Universal Studios, 2010.

MINHA VIDA de abobrinha. Direção: Claude Barras. Paris: Rita Productions, 2016.

MORAES, E. G.; MACEDO, M. M. K. Vivência de indiferença: Do trauma ao ato-dor. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.

MORENO, G. L. Infâncias, memórias e culturas: as crianças no cinema, na literatura e nas artes plásticas. In: PASCHOAL, J. D; BATISTA, C. V. M; MORENO, G. L. (Orgs.). As crianças e suas infâncias o brincar em diferentes contextos. Londrina: Humanidades, 2008, p. 23-40.

MOURA, G. L. Programa Transversais – Guilherme Lima. Entrevistadora: Dilma Tavares Luciano. Vídeo. Recife: UFPE, 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=2aP5Don6Nt4. Acesso em: 18 maio 2023.

PAPALIA, D. E.; OLDS, S. W.; FELDMAN, R. D. Desenvolvimento humano. 8. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

SCHIAVINATO, T. Afinal o que é parentalidade? Adoção em pauta [s.d.]. Disponível em: https://www.adocaoempauta.com.br/afinal-o-que-e-parentalidade/. Acesso em: 19 maio 2023.

O PEQUENO Stuart Little 2. Direção: Rob Minkoff. Califórnia: Sony Pictures Entertainment, 2002.

PAPALIA, D. E., OLDS, S. W., & FELDMAN, R. D. Desenvolvimento Humano. 8. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

WINNICOTT, D. W. (1945). Desenvolvimento emocional primitivo. In: WINNICOTT, D. W. Da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 2000, p. 218-232.

WINNICOTT, D. W. (1960). Teoria do relacionamento paterno-infantil. In: WINNICOTT, D. W. O ambiente e os processos de maturação: Estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional. Porto Alegre: Artmed, 1983, p. 38-54.

Downloads

Publicado

01-12-2023

Como Citar

BATISTA, C. V. M.; MORENO , G. L. Infância, cinema e adoção: uma análise do filme Matilda . Educação em Análise, Londrina, v. 8, n. 2, p. 298–315, 2023. DOI: 10.5433/1984-7939.2023v8n2p298. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/educanalise/article/view/48772. Acesso em: 15 abr. 2024.