Bebês plurais: Um relato de uma experiência francesa do trabalho com bebês

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-7939.2023v8n2p262

Palavras-chave:

Palavras-chave: Bebês; cuidadores; serviços; experiência francesa

Resumo

O presente artigo tem por objetivo relatar o trabalho clínico, educacional e hospitalar com bebês: uma experiência francesa. Na última década, passamos a ter acesso a uma literatura acerca das chamadas "competências" dos bebês, que indagam as concepções mais clássicas de um bebê passivo e “nada” provocador. Essas descobertas apresentam um bebê que nos faz interrogar os diferentes olhares em torno deste sujeito. Quem é o bebê falado pelos estudiosos? Como é pensado e falado este bebê por aqueles que se ocupam dele nos ambientes: clínico, hospitalar e educacional? Quem é este bebê que nos fala? Frente a essas indagações, elencamos a questão-problema: O que o bebê tem a nos ensinar? Como metodologia, utilizamos a pesquisa bibliográfica e o relato de uma experiência francesa do trabalho com bebês. Participaram desta experiência doze profissionais e suas equipes, cada qual expondo e tecendo considerações acerca do trabalho desenvolvido com os bebês e seus cuidadores e, ainda, cinco instituições de atendimento e acompanhamento e seus cuidadores. No primeiro momento, abordamos os saberes acerca do bebê do século XXI. A seguir, trazemos alguns recortes elaborados a partir dos diálogos realizados com os profissionais e os pesquisadores que se debruçam em torno das questões clínicas, educacionais e hospitalares sobre o bebê. Então, descrevemos o trabalho realizado por estes profissionais que atuam com bebês.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Cleide Vitor Mussini Batista, Universidade Estadual de Londrina

Pós-Doutora em Psicologia pela USP e em Psicanálise pela UFPB. Docente do Departamento de Educação da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Erika Parlato-Oliveira, Universidade de Paris

Professora da Pós-graduação na Université Paris Cité, Membro do   Conselho Administrativo da WAIMH, do ICE e da La Cause des bébés; diretora científica do stiInstituto Langage.

Referências

BOUKOBZA, C. A relação de uma mãe psicótica com seu filho: acompanhamento de um caso mãe-bebê em um Hospital Dia. In: LAZNIK, M.C.; COHEN, D. (Orgs.). O bebê e seus intérpretes: clínica e pesquisa. São Paulo: Instituto Langage, 2011, p. 15-22.

BUSNEL, M. C. O desenvolvimento da sensorialidade fetal. In: LAZNIK, M.C.; COHEN, D. (Orgs.). O bebê e seus intérpretes: clínica e pesquisa. São Paulo: Instituto Langage, 2011, p. 23-34.

BUSNEL, M. C.; MELGAÇO, R. G. (Orgs.). O bebê e as palavras: uma visão transdisciplinar sobre o bebê. São Paulo: Instituto Langage, 2013.

BUSNEL, M.C. Marie Claire Busnel, uma vida dedicada aos bebês. In: PARLATO-OLIVEIRA, E.; SZEJER, M. (Orgs.). O bebê e os desafios da cultura. São Paulo: Instituto Langage, 2019, p. 13-28.

DOLTO, F. Psicanálise e pediatria. 4. ed. Trad. A. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 1988.

DUPOUX, E. Percepção da fala nos bebês. In: LAZNIK, M.C.; COHEN, D. (Org.). O bebê e seus intérpretes: clínica e pesquisa. São Paulo: Instituto Langage, 2011. p. 71-78.

GOLSE, B; AMY, G. Bebês, maestros, uma dança das mãos. São Paulo: Instituto Langage, 2020.

GUELLAI, B. et al. Premises of social cognition: Newborns are sensitive to a direct versus a faraway gaze. Science Reports, v. 10, n. 1, p. 9796, jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.1038/s41598-020-66576-8

GRATIER, M. As formas da voz: o estudo da prosódia na comunicação vocal mãe-bebê. In: LAZNIK, M.C.; COHEN, D. (Orgs.). O bebê e seus intérpretes: clínica e pesquisa. São Paulo: Instituto Langage, 2011, p.79-84.

GRATIER, M. Do sentimento de filiação à aprendizagem cultural: intersubjetividade, assinatura e estilos. In: TREVARTHEN, C.; PARLATO-OLIVEIRA, E. (Orgs.). Bebê, corpo e ação. São Paulo: Instituto Langage, 2021, p. 261-272.

HAAG, G. L´expérience sensorielle fondement de l’affect et de la pensée. L’expérience sensoriell de l’enfance. Cahiers du C.O R., n. 1, p. 71-112, 1992.

HAAG, G. Como o espírito vem ao corpo: ensinamentos da observação referentes aos primeiros desenvolvimentos e suas implicações na prevenção. In. HAAG, G. Observação de bebês: os laços de encantamento. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

LAZNIK, M. C. Linguagem e comunicação do bebê até três meses. In: LAZNIK, M.C.; COHEN, D. (Orgs.). O bebê e seus intérpretes: clínica e pesquisa. São Paulo: Instituto Langage, 2011, p. 79-84.

LAZNIK, M. C. Clínica de Bebês: Litoral entre psicanálise e neurociências. São Paulo: Instituto Langage, 2021.

NAGY, E.; MOLNARB, P. Homo imitations ou homo provocans? Modelo de imprinting a partir de imitação neonatal. In: BUSNEL, M. C.; MELGAÇO, R. G. (Orgs.). O bebê e as palavras: uma visão transdisciplinar sobre o bebê. São Paulo: Instituto Langage, 2013, p. 53-74.

PARLATO-OLIVEIRA, E. Como falam os bebês? Explorações sobre a fala e o campo da linguagem na clínica com bebês. In: BARBOSA, D. C.; PARLATO-OLIVEIRA, E. (Orgs.). Psicanálise e Clínica com Bebês: Sintoma, Tratamento, Interdisciplina na Primeira Infância. São Paulo: Instituto Langage, 2010. p. 125-138.

PARLATO-OLIVEIRA, E. Saberes do bebê. São Paulo: Instituto Langage, 2019.

PARLATO-OLIVEIRA, E. O bebê e as tramas da linguagem. São Paulo: Instituto Langage, 2020.

PARLATO-OLIVEIRA, E. Psicanálise e Autismo: o que nos fala este sujeito? In: OLIVEIRA, G. C. et al. (Orgs.). Música e Autismo: ideias em contraponto. Minas Gerais: Editora UFMG, 2022, p. 57-78. DOI: https://doi.org/10.7476/9786558581116.0004

PARLATO-OLIVEIRA, E.; SZEJER, M. (Orgs.). O bebê e os desafios da cultura. São Paulo: Instituto Langage, 2019.

SZEJER, M. O bebê excluído da fala. In: BUSNEL, M. C.; MELGAÇO, R. G. (Orgs.). O bebê e as palavras: uma visão transdisciplinar sobre o bebê. São Paulo: Instituto Langage, 2013. p. 108-134.

TREVARTHEN, C. Desenvolvimento da intersubjetividade no primeiro ano de vida. In: LAZNIK, M.C.; COHEN, D. (Orgs.). O bebê e seus intérpretes: clínica e pesquisa. São Paulo: Instituto Langage, 2011. p. 117-126.

TREVARTHEN, C.; AITKEN, K. J.; GRATIER, M. O bebê nosso professor. São Paulo: Instituto Langage, 2019.

TREVARTHEN, C.; PARLATO-OLIVEIRA, E. (Orgs.). Bebê, corpo e ação. São Paulo: Instituto Langage, 2021.

VANIER, C. Os mecanismos operantes no desenvolvimento psíquico do bebê prematuro e os riscos eventuais de patologia. In: BUSNEL, M. C.; MELGAÇO, R. G. (Orgs.). O bebê e as palavras: uma visão transdisciplinar sobre o bebê. São Paulo: Instituto Langage, 2013. p. 59-74.

Downloads

Publicado

01-12-2023

Como Citar

BATISTA, C. V. M.; PARLATO-OLIVEIRA, E. Bebês plurais: Um relato de uma experiência francesa do trabalho com bebês . Educação em Análise, Londrina, v. 8, n. 2, p. 262–280, 2023. DOI: 10.5433/1984-7939.2023v8n2p262. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/educanalise/article/view/48765. Acesso em: 15 abr. 2024.