A lei do espanhol e a evasão do curso de letras português/espanhol da Unioeste/Cascavel: fenômenos que se cruzam

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-7939.2023v8n2p431

Palavras-chave:

Espanhol. Lei do Espanhol. Mercado de trabalho. Evasão.

Resumo

Este trabalho investigou a relação entre a revogação da Lei nº 11.161/2005 e a evasão no curso de licenciatura em Letras Português/Espanhol da Unioeste/Cascavel. Com a implantação da Lei do Espanhol, foram abertos cursos de ensino da língua em escolas públicas, a disciplina entrou na grade curricular de muitas instituições, assim como houve a abertura de cursos de graduação para formar profissionais da área e suprir as demandas do mercado de trabalho. Contudo, mesmo antes de todas as instituições conseguirem atender plenamente às normas da referida lei, ocorreu sua revogação em 2017, o que impactou novamente no mercado de trabalho. Nesse sentido, esta pesquisa tem como objetivo compreender em que proporção a revogação da lei influenciou nas motivações para evasão do curso de Letras Português/Espanhol da Unioeste/Cascavel. O estudo partiu de leituras acerca de políticas linguísticas, sob os pressupostos teóricos de Lagares (2018), Calvet (2007) e Martins (2016). A partir da análise das respostas obtidas na aplicação de questionário aos alunos matriculados no curso, constatamos que a revogação da Lei do Espanhol acarreta desânimo nos sujeitos da pesquisa, que tendem a abandonar o curso devido à falta de valorização profissional.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jéssica Tavares, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE

Licenciada em Letras (Português/Espanhol) pela UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2021).

Maricélia Nunes dos Santos, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE

Doutora em Letras pelo Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras da UNIOESTE (2016). Docente de Língua Espanhola, Cultura e Literatura de Língua Espanhola na Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Referências

BRASIL. Lei n. 11.161, de 5 de agosto de 2005. Dispõe sobre o ensino da língua espanhola. Brasília, DF: Presidência da República, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11161.htm. Acesso em: 3 jun. 2021.

BRASIL. Lei n. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as leis n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o fundo de manutenção e desenvolvimento da educação básica e de valorização dos profissionais da educação, a consolidação das leis do trabalho - CLT, aprovada pelo decreto-lei n. 5.452, de 1 de maio de 1943, e o decreto-lei n. 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a lei n. 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a política de fomento à implementação de escolas de ensino médio em tempo integral. Brasília, DF: Presidência da República, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm. Acesso em: 10 nov. 2021.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 10 nov. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 10 nov. 2021.

CALVET, Louis-Jean. As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola, 2007.

CARVALHO, Julyana Peres. O ensino de espanhol na escola pública: comparando realidades. In: INTERNATIONAL CONGRESS OF CRITICAL APPLIED LINGUISTICS, 2015, Brasília. Anais [...]. Brasília: Universidade de Brasília; Universidade Estadual de Londrina, 2015. p. 849. Disponível em: https://bit.ly/2ReJ5v5. Acesso em: 20 mar. 2020.

GONZÁLEZ, Neide Maia. A lei 11.161, as orientações curriculares e as políticas públicas de formação de professores: a história de um descompasso entre o dizer e o fazer. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISPANISTAS, 5., 2008, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2008. p. 3183. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/espanhol/Anais/anais_paginas_%2030793467/A%20lei%2011.161.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

LAGARES, Xoán Carlos. Qual política linguística?: desafios glotopolíticos contemporâneos. São Paulo: Parábola, 2018.

MARTINS, Viviane Ferreira. Las políticas lingüísticas de enseñanza y difusión de español / lengua extranjera (ELE) en el mercosur. Madri: Onomázein, 2016.

TORRENTES, Greice Castela; VERGNANO-JUNGER, Cristina de Souza. Tecnologia combina com sala de aula: aplicativos para professores experimentarem nas aulas de línguas. Minas Gerais: Navegando, 2021. DOI: https://doi.org/10.29388/978-65-86678-83-3

Downloads

Publicado

01-12-2023

Como Citar

TAVARES, J.; SANTOS, M. N. dos. A lei do espanhol e a evasão do curso de letras português/espanhol da Unioeste/Cascavel: fenômenos que se cruzam. Educação em Análise, Londrina, v. 8, n. 2, p. 431–445, 2023. DOI: 10.5433/1984-7939.2023v8n2p431. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/educanalise/article/view/44987. Acesso em: 15 abr. 2024.