Educação digital na infância: reflexões sobre os direitos das crianças na era das conexões

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-7939.2023v8n2p206

Palavras-chave:

Infância; Educação; Tecnologias; Escola; Família.

Resumo

O convívio com computadores, tablets, smartphones e outros dispositivos eletrônicos é tão natural entre as crianças, de modo que tais recursos acabaram por se tornar uma extensão do próprio corpo. Por meio dessas ferramentas, elas se comunicam, brincam e trocam mensagens, muitas vezes sem a supervisão de um adulto que não se dá conta das armadilhas do universo digital. Em vista disso, este estudo tem como objetivo discutir os riscos e os benefícios das tecnologias da informação e comunicação-TICs, na infância, e demonstrar a importância da parceria entre escola e família na construção de uma relação segura e dialógica das crianças com a cultura digital e seus diferentes artefatos tecnológicos. De caráter bibliográfico, o estudo pretende contribuir para a ampliação do debate acerca da utilização consciente das TICs e de seus benefícios na educação das crianças. Concluiu-se que, embora as prescrições legais criminalizem qualquer tipo de circulação de imagens ou transmissão de conteúdos que ofereçam riscos para a integridade física e moral das crianças, cabe à família e à escola a vigilância virtual e o monitoramento no uso da Internet. Para tanto, é necessário que pais e professores compreendam e se apropriem da linguagem digital, de modo a contribuírem para uma educação digital mais acolhedora na infância.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jaqueline Delgado Paschoal, UEL - Universidade Estadual de Londrina - Pr

Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Londrina. Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Maringá Docente do Curso de Pedagogia do departamento de Educação da Universidade Estadual de Londrina. Coordenadora do Curso de Especialização intitulado: Trabalho Pedagógico na Educação Infantil - UEL. Experiência na área da Educação com ênfase na Didática para formação de professores na Educação Infantil.

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988, 292 p.

BRASIL. Lei Federal nº 12.965 de 23 de abril de 2014. Dispõe sobre os princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 2014. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm. Acesso em: 12 de abril de 2023.

BRASIL. Lei Federal nº 13.709, de 14 de agosto de 2018. Lei de Proteção de Dados Pessoais. Presidência da República. Secretaria-Geral- Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/l13709.htm. Acesso em: 03 de maio de 2023.

BRASIL. Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, Brasília, D.F, 13 jul. 1990.

BRASIL. Saúde de Crianças e Adolescentes na era digital. Manual de Orientação- Departamento de Adolescência. Sociedade Brasileira de Pediatria, 2016. nº 1, p. 1-13.

BRASIL. Uso saudável de telas, tecnologias e mídias nas creches, berçários e escolas. Manual de Orientação- Departamento Científico de Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento e de Saúde escolar. Sociedade Brasileira de Pediatria, 2019. nº 6, p.1-5.

BUCKINGHAM. David. Cultura Digital, Educação Midiática e o Lugar da Escolarização. Educação e Realidade. Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 37-58, set./dez., 2010. Disponível em: http://www.ufrgs.br/edu_realidade. Acesso: 10 de maio, 2023.

COUTO. Edvaldo Souza. A infância e o brincar na cultura digital. PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 31, n. 3, 897-916, set./dez. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2013v31n3p897. Acesso: 06 de abril de 2023. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2013v31n3p897

FREITAS, Maria Teresa. Letramento Digital e Formação de Professores. Educação em Revista. Belo Horizonte, v. 26, n. 03, dez. 2010. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-46982010000300017

http://www.scielo.br/pdf/edur/v26n3/v26n3a17.pdf. Acesso: 05 de fevereiro, 2023.

INÁCIO, Cláudia de Oliveira et al. Criança, infância e tecnologias: desafios e relações aprendentes. Revista Texturas. v. 21. n.46, p.37-58. Abr/jun. 2019. Disponível em:http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/txra. Acesso em: 05/02/23. DOI: https://doi.org/10.17648/textura-2358-0801-21-46-4542

LÉVY. Pierre.Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed. 34, 1999. (Coleção TRANS).

MULLER, Juliana Costa. FANTIN, Monica. Mediações familiares e escolares entre crianças e tecnologias digitais. Pro-Posições, Campinas, SP. v. 33. dez. 2022. Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/a-fe/publicacoes/periodicos/pro-posicoes. Acesso: 12 de maio, 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-6248-2020-0085

OTHON. Renata Alves de Albuquerque. COELHO. Maria das Graças Pinto. Retratos da Geração Digital: um estudo exploratório sobre o consumo midiático e a sociabilidade em Rede na Infância. C&S – São Bernardo do Campo, v. 42, n. 3, p. 139-166, set.-dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v42n3p139-166

TAPSCOTT, Dan. A hora da geração digital: como os jovens que cresceram usando a internet estão mudando tudo, das empresas aos governos. Rio de Janeiro: Agir Negócios, 2010.

Downloads

Publicado

01-12-2023

Como Citar

PASCHOAL, J. D. Educação digital na infância: reflexões sobre os direitos das crianças na era das conexões. Educação em Análise, Londrina, v. 8, n. 2, p. 206–223, 2023. DOI: 10.5433/1984-7939.2023v8n2p206. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/educanalise/article/view/48747. Acesso em: 15 abr. 2024.