Alçar os santos dos calabouços: um museu para a liberdade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/2176-6665.2020v25n3p583

Palavras-chave:

Coleções afro-brasileiras, Repressão policial, Museu, Reparação, Patrimônio

Resumo

Duas coleções de objetos religiosos afro-brasileiros que foram confiscados pela polícia entre 1891 e as primeiras décadas do século XX são objeto de reflexão neste artigo. Ao estudar os percursos dessas coleções foram mapeados os diversos valores de sentido atribuídas a elas, os quais longe de serem permanentes, também não são excludentes entre si. Proponho discutir os processos simbólicos e arranjos institucionais que foram acionados ao longo das suas trajetórias. Nessa empreitada, essas coleções são passíveis de serem analisadas em duas dimensões: por um lado, enquanto realidade subjetiva, afetiva e cosmológica; e por outra parte como objetos de luta política na esfera pública de um coletivo socialmente organizado. Ambas as coleções possuem origens similares e têm como denominador comum a exigência das pessoas envolvidas de que seja o museu a instituição encarregada de as abrigar. O museu é indicado como o lugar para a reparação da dor e do sofrimento causados pela violência e intolerância religiosa, o racismo e o preconceito. Em ambos os casos é abordado o poder de agência desses conjuntos de objetos que tem materializado ações e provocado mobilizações em torno de si.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luz Stella Rodríguez Cáceres, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Doutora em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ. Professora de Antropologia do Espaço pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.


 

Referências

APPADURAI, Arjun. Mercadorias e a política de valor. In: APPADURAI, Arjun. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Editora da UFF, 2010. p. 15-89.

ARANTES, Antônio. Patrimônio imaterial e referências culturais. Tempo Brasileiro, Patrimônio Imaterial, Rio de Janeiro, n. 147, p. 129-140, out./dez. 2001.

BIRMAN, Patrícia. O que é umbanda. São Paulo: Brasiliense, 1983.

BRASIL. Decreto nº 847, de 11 de Outubro de 1890. Promulga o Codigo Penal. Rio de Janeiro: Governo Provisório, 1890. (Coleção das leis do Brasil). Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1851-1899/d847.htm. Acesso em: 23 nov. 2018.

CIPÓ, Roger. Campanha reivindica patrimônio sagrado aprisionado no Museu da Polícia Civil. Olhar de um Cipó, Diadema, 1 ago. 2017. Disponível em: http://olhardeumcipo.blogspot.com/2017/08/campanha-reivindica-patrimonio-sagrado.html.Acesso em: 23 nov. 2018.

CONDURU, Roberto. A coleção de cultos afro-brasileiros do Museu da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Centro Cultural Municipal José Bonifácio: Museu da Polícia Civil do Rio de Janeiro: Instituto de Artes da UERJ, 2008. Relicário Multicolor.

CORRÊA, Alexandre Fernandes. A coleção Museu de Magia Negra do Rio de Janeiro: o primeiro patrimônio etnográfico do Brasil. MNEME, Penedo, v. 7, n. 18, out./nov. 2005.

CORRÊA, Alexandre Fernandes. O museu mefistofélico e a distabuzação da magia: análise do tombamento do primeiro patrimônio etnográfico do Brasil. São Luís: EDUFMA, 2009.

GAMA, Elizabeth Castelano. Lugares de memória do povo de santo: patrimônio cultural entre museus e terreiros. 2018. Tese (Doutorado História Social) - UFF, Niterói, 2018.

GELL, Alfred. Art and agency: an anthropological theory. Oxford: Oxford University Press, 1998.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Patrimônio, espaço público e cultura subjetiva. In: TAMASO, Izabela et al. (org.). A antropologia na esfera pública: patrimônios culturais e museus. Goiânia: Editora Imprensa Universitária, 2019. p. 29 -47.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Ressonância, materialidade e subjetividade: as culturas como patrimônio. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 23, p. 15-36, jan./jun. 2005.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Teorias antropológicas e objetos materiais. In: GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônio. Rio de Janeiro: Departamento de Museus e Centro Culturais, 2007. p. 13-42. (Coleção Museu, Memória e Cidadania).

KOPITOFF, Igor. A biografia cultural das coisas: a mercantilização como processo. In: APPADURAI, Arjun. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Editora UFF, 2010. p. 89 -123.

LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: Edufba; Bauru: Edusc, 2012.

LUCENA, Felipe. Polícia Civil do Rio é a primeira do Brasil a devolver acervo de religiões de matriz africana. Diario do Rio.com, Rio de Janeiro, 8 ago. 2020. Disponível em: https://diariodorio.com/policia-civil-do-rio-e-a-primeira-do-brasil-a-devolver-acervo-de-religioes-de-matriz-africana/. Acesso em: 8 ago. 2020.

MAGGIE, Yvonne. Objetos da feitiçaria. G1, Rio de Janeiro, 12 ago. 2011. Disponível em: http://g1.globo.com/platb/yvonnemaggie/2011/08/12/objetos-da-feiticaria/.Acesso em: 1 dez. 2018.

MAGGIE, Yvonne; RAFAEL, Ulisses. Sorcery objects under institutional tutelage: magic and power in ethnographic collections. Vibrant, Brasília, v. 10, n. 1, p. 305-306, 2003.

MAGNANI, José Guilherme C. Umbanda. 2. ed. São Paulo: Ática, 1991.
MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

OLIVEIRA, Nathália Fernandes. A repressão policial às religiões de matriz afro-brasileira no período do Estado Novo (1937-1945). 2015. Dissertação (Mestrado em História Social) - UFF, Niterói, 2015.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixas. São Paulo: Cia. das Letras, 2001.

RIO DE JANEIRO (Município). Secretaria Municipal de Cultura. [Ofício]. Rio de Janeiro: Prefeitura Municipal, 25 mar. 2010. [Exposição permanente das peças resgatadas de afro-brasilidade].

SANSI, Roger. A vida oculta das pedras: historicidade e materialidade dos objetos no candomblé. In: GONÇALVES, José Reginaldo S.; SAMPAIO, Roberta; BITAR, Nina Pinheiro (ed.). A alma das coisas: patrimônios, materialidades e ressonância. Rio de Janeiro: Mauad, FAPERJ, 2013. p. 105.

VELASCO, Valquíria Cristina Rodrigues. Geografias da repressão: experiências, processos e religiosidades no Rio de Janeiro (1890-1929). 2019. Dissertação (Mestrado em História Comparada) - UFRJ, Rio de Janeiro, 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

RODRÍGUEZ CÁCERES, L. S. Alçar os santos dos calabouços: um museu para a liberdade. Mediações - Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 25, n. 3, p. 583–601, 2020. DOI: 10.5433/2176-6665.2020v25n3p583. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/41286. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê

Dados de financiamento