Os Sentidos da Escolarização para Estudantes do Ensino Médio em Tempo Integral no Ceará: Experiência de Pesquisa do Programa PIBIC/EM

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/2176-6665.2024v29n1e48898

Palavras-chave:

Escola, Ensino Médio, Sociologia, Políticas Educacionais., Ceará

Resumo

Este artigo apresenta os sentidos da escolarização para jovens cearenses matriculados em uma escola de tempo integral no primeiro ano de implementação da Reforma do Ensino Médio. Trata-se de pesquisa realizada no âmbito do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica Ensino Médio (PIBIC/EM), do tipo estudo de caso, com abordagem qualitativa e utilização das técnicas do grupo focal e survey. Os resultados mostram que o sentido da escolarização está relacionado à expectativa do que a conclusão do ensino médio pode proporcionar, seja um emprego futuro ou o ingresso na universidade; a sociabilidade com outros jovens é um forte fator para garantir a permanência dos estudantes na escola; e a vivência nas instituições educacionais de ensino integral não está isenta de contrariedades, mesmo entre aqueles estudantes que se consideram adaptados à nova jornada escolar.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisco Willams Ribeiro Lopes, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (2019). Docente junto ao Departamento de Ciências Sociais e ao Mestrado Profissional de Sociologia em Rede Nacional da Universidade Federal do Ceará.

Referências

ALMEIDA, Ronaldo. Estudo de caso: foco temático e diversidade metodológica. In: ABDAL, Alexandre; OLIVEIRA, Maria Carolina Vasconcelos; GHEZZI, Daniela Ribas; SANTOS JÚNIOR, Jaime (org.). Métodos de pesquisa em ciências sociais: bloco qualitativo. São Paulo: CEBRAP, 2016b. p. 60-72.

ALMEIDA, Ronaldo. Roteiro para o emprego de grupos focais. In: ABDAL, Alexandre; OLIVEIRA, Maria Carolina Vasconcelos; GHEZZI, Daniela Ribas; SANTOS JÚNIOR, Jaime (org.). Métodos de pesquisa em ciências sociais: bloco qualitativo. São Paulo: CEBRAP, 2016a. p. 42-59.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm. Acesso em: 11 nov. 2023.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 11 nov. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 399, de 8 de março de 2023. Institui a consulta pública para a avaliação e reestruturação da Política Nacional de Ensino Médio. Diário Oficial da União: Seção: 1, Brasília, DF, ed. 47, p. 16, 9 mar. 2023. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-399-de-8-de-marco-de-2023-468762771. Acesso em: 11 nov. 2023.

CEARÁ. Lei n. 16.025, de 30 de maio de 2016. Dispõe sobre o Plano Estadual de Educação – PEE (2016-2024). Diário Oficial do Estado, Fortaleza, ano 8, série 3, n. 101, p. 1-114, jun. 2016. Disponível em: http://imagens.seplag.ce.gov.br/PDF/20160601/do20160601p01.pdf#page=1. Acesso em: 11 nov. 2023.

CEARÁ. Secretaria de Educação. Catálogo de unidades curriculares eletivas. Fortaleza: Secretaria de Educação, 2023. Disponível em: https://www.seduc.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/37/2023/03/catalogo_unidades_ curriculares_eletivas_2023.pdf. Acesso em: 10 ago. 2023.

CUNHA, Luiz Antônio. Ensino médio: atalho para o passado. Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 373-384, abr./jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302017176604 DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302017176604

FALCÃO, Larissa. Mais de 70% das escolas estaduais do Ceará ofertarão ensino médio em tempo integral em 2023. Fortaleza: SEDUC, 2023. Disponível em: https://www.seduc.ce.gov.br/2023/01/26/mais-de-70-das-escolas-estaduais-do-ceara-ofertarao-ensino-medio-em-tempo-integral-em-2023/. Acesso em: 11 jul. 2023.

FERRARO, Karina; PINHEIRO, Camila. Com a escola ocupada aprendi muito mais: encantamento e resistência secundarista. In: PENITENTE, Luciana; MENDONÇA, Sueli; MILLER, Stela (org.). As (contra)reformas na educação hoje. Marília: Oficina Universitária, 2018. p. 149-163. DOI: https://doi.org/10.36311/2018.978-85-7983-985-6.p149-164

FERREIRA, Eliza Bartolozzi; SILVA, Monica Ribeiro. Centralidade do ensino médio no contexto da nova “ordem e progresso”. Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 287-292, abr./jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302017179021 DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302017179021

GONÇALVES, Danyelle Nilin; LIMA FILHO, Irapuan Peixoto. Aprendendo pela pesquisa e pelo ensino: o PIBID no processo formativo das licenciaturas em ciências sociais. Revista Brasileira de Sociologia, Rio Grande do Sul, v. 2, n. 3, jan./jun. 2014. DOI: https://doi.org/10.20336/rbs.62 DOI: https://doi.org/10.20336/rbs.62

JAKIMIU, Vanessa. Retrocessos do “Novo Ensino Médio”: uma década de lutas e resistências (2013-2023). Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa, Ponta Grossa, v. 8, p. 1-23, 2023. DOI: https://doi.org/10.5212/retepe.v.8.21155.008

KRAWCZYK, Nora. Reflexão sobre alguns desafios do ensino médio no Brasil hoje. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 144, p. 752-769, dez. 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742011000300006

LIMA FILHO, Irapuan Peixoto. Culturas juvenis e agrupamentos na escola: entre adesões e conflitos. Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 45, n. 1, p. 103-118, 2014.

LIMA, Márcia. Introdução aos métodos quantitativos em Ciências Sociais. In: ABDAL, Alexandre et al. (org.). Métodos de pesquisa em ciências sociais: bloco quantitativo. São Paulo: CEBRAP, 2016. p. 10-31.

LOPES, Bárbara. BNCC e o avanço neoliberal nos discursos sobre educação. In: CÁSSIO, Fernando; CATELLI JUNIOR, Roberto (org.). Educação é a base? 23 educadores discutem a BNCC. São Paulo: Ação Educativa, 2019. p. 45-57.

LOPES, Francisco Willams R. (Des)continuidades na política de um currículo nacional: a Sociologia nos arranjos da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do Brasil. Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 52, n. 1, p. 245–282, mar./jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.36517/10.36517/rcs.52.1.a02

MAGNANI, Jose Guilherme C. De perto de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 17, n. 49, p.11-29, jun. 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092002000200002

MENDONÇA, Sueli. Os processos de institucionalização da Sociologia no ensino médio (1996-2016). In: GONÇALVES, Danyelle; SILVA, Ileizi (org.). A sociologia na educação básica. São Paulo: Annablume, 2017. p. 59-78.

MOTTA, Vânia Cardoso; FRIGOTTO, Gaudêncio. Por que a urgência da reforma do ensino médio? Medida Provisória nº 746/2016 (Lei nº 13.415/2017). Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 355-372, abr./jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302017176606

OLIVEIRA, Amurabi; BINSFELD, Willian; TRINDADE, Tayná. A reforma do ensino médio e suas consequências: o que pensam os professores de Sociologia? Revista Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 11, n. 2, p. 249-259, maio/ago. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/ufpb.1983-1579.2018v2n11.36073/33003. Acesso em: 11 nov. 2023. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2018v2n11.36073

OPAS – ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE; ONU - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Excesso de mortalidade associado à pandemia de COVID-19 foi de 14,9 milhões em 2020 e 2021. Genebra: OPAS, ONU, 5 maio 2022. Disponível em: https://www.paho.org/pt/noticias/5-5-2022-excesso-mortalidade-associado-pandemia-covid-19-foi-149-milhoes-em-2020-e-2021. Acesso em: 11 jul. 2023.

SILVA, Ileizi Fiorelli; ALVES NETO, Henrique. O processo de elaboração da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) no Brasil e a Sociologia (2014 a 2018). Revista Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 13, n. 2, p. 262-284, maio/ago. 2020. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n2.51545

SILVA, Karen C.; BOUTIN, Aldimara. Novo ensino médio e educação integral: contextos, conceitos e polêmicas sobre a reforma. Educação, Santa Maria, v. 43, n. 3, p. 521-534, jul./set. 2018. DOI: https://doi.org/10.5902/1984644430458

SILVA, Mônica Ribeiro. A BNCC da reforma do ensino médio: o resgate de um empoeirado discurso. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 34, e214130, p. 1-15, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-4698214130

SILVA, Mônica Ribeiro. Currículo, ensino médio e BNCC: um cenário de disputas. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, p. 367-379, jul./dez. 2015.

SPOSITO, Marília Pontes. Uma perspectiva não escolar no estudo sociológico da escola. Revista USP, São Paulo, n. 57, p. 210-226, mar./maio 2003. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i57p210-226

Downloads

Publicado

2024-01-01

Como Citar

LOPES, F. W. R. Os Sentidos da Escolarização para Estudantes do Ensino Médio em Tempo Integral no Ceará: Experiência de Pesquisa do Programa PIBIC/EM. Mediações - Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 29, n. 1, 2024. DOI: 10.5433/2176-6665.2024v29n1e48898. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/48898. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos