Mulheres e crianças Kaingang da aldeia Icatu/SP: etiquetas de convivialidade

Autores

  • Thais Regina Mantovanelli da Silva Universidade Federal de São Carlos - UFSCAR

DOI:

https://doi.org/10.5433/2176-6665.2014v19n2p164

Palavras-chave:

Convivialidade, Kaingang, Mulheres, Casa

Resumo

O presente artigo propõe discutir as relações entre mulheres Kaingang da aldeia Icatu, no estado de São Paulo, suas crianças e o espaço das casas. O que a etnografia mostra é a primazia de etiquetas de convívio pautadas pela lógica da não visitação entre pessoas de casas distintas. Tal esquema de convivialidade, que também se estende para as relações entre adultos e crianças, permite a não mistificação da imagem de criança indígena como mensageira ou livre de restrições a certos convívios. Mostra ainda que índios no estado de São Paulo formulam criativamente suas ações trazendo questões importantes para o debate da etnologia indígena, muito além das teorias de aculturação e assimilação, ao qual foram associados.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Thais Regina Mantovanelli da Silva, Universidade Federal de São Carlos - UFSCAR

Doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCAR.

Referências

ALMEIDA, Ledson Kurtz de. Dinâmica religiosa entre os Kaingang do posto indígena Xapecó-SC. 1998. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis: 1998.

BORELLI, Silvia Simões. Os Kaingang no Estado de São Paulo: constantes históricas e violência deliberada. In: COMISSÃO PRÓ-INDIO. Índios no estado de São Paulo: resistência e transfiguração. São Paulo: YANKATU, 1984. p. 45-83.

CAMPOS, Keló-Maurício Pedro. Kaingang: Pyry Nhenpe’ti. Kaingang: um sonhador. Penápolis: FAPESP, 1999.

COHN, Clarice. Noções de infância e desenvolvimento infantil. Cadernos de Campo, São Paulo, v. 10, n. 9, p. 15-25, 2000a.

COHN, Clarice. A criança indígena: a concepção Xikrin de infância e aprendizado. 2000. Dissertação (Mestrado em Antropologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000b.

COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

COHN, Clarice. Relações de diferença no Brasil Central: os Mebengokre e seus outros. 2006. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Os direitos do índio: ensaios e documentos. São Paulo: Brasiliense, 1987.

D’ANGELIS, Wilmar da Rocha. A língua Kaingang, a formação de professores e o ensino escolar. In: SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA DA REGIÃO SUL, 1., 1998, Balneário Camboriú. Anais.do primeiro Seminário de Educação escolar Indígena da Região Sul. Balneário Camboriú: MEC, 1998.

D’ANGELIS, Wilmar da Rocha. Fonologia do Kaingang: dialeto do Toldo Chimbangue (SC): exercício de aplicação de um modelo não linear. 1992. Monografia (Mestrado em Línguistica) – Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Campinas, 1992.

D’ANGELIS, Wilmar da Rocha. O primeiro século de registro da língua Kaingang (1842-1950): valor e uso da documentação etnográfica, 2003.

FAUSTO, Carlos. Donos demais: maestria e domínio na Amazônia. Mana, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 329-366, 2008.

FERNANDES, Ricardo Cid. Autoridade política Kaingang: um estudo sobre a construção da legitimidade política entre os Kaingang de palmas/Paraná. 1998. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1998.

HAVERROTH, Moacir. Kaingang, um estudo etnobotânico: o uso e a classificação das plantas na Área Indígena Xapecó (oeste de SC). 1997. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1997.

LEA, Vanessa. Casas e casas Mebengokré. In: CASTRO, E. V.; CUNHA, M. C.; DREYFUS, S. (Org.). Amazônia: etnologia e história indígena. São Paulo: Ed. NHII/USP/FAPESP, 1993.

LEA, Vanessa. Gênero feminino Mebengokré (Kayapó): desvelando representações desgastadas. Cadernos Pagu, Campinas, n. 3, p. 85-116, 1994.

LEA, Vanessa. Nomes e Nekrets Kayapó: uma concepção de riqueza. 1986. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1986

LEA, Vanessa. Riquezas intangíveis de pessoas partíveis. São Paulo: EDUSP, 2012.

LÉVI-STRAUSS, Claude. La Voie des Masques, édition revue, augmentée, et rallongée dee Trois Excursions. Paris: Plon, 1979.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. Buenos Aires: Eudeba, 1970.

MANIZER, Henrich H. Os Kaingang de São Paulo. Campinas: Curt Nimuendajú, 2006.

MANTOVANELLI, Thais. Crianças invisíveis da reserva Icatu SP. 2012. Dissertação (Mestrado em Antropologia) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012.

MANTOVANELLI, Thais. De dentro dos quintais: relações de espaço e família para crianças indígenas da Reserva do Icatu SP. In: PEGGION, E.; DANAGA, A. (Org.). Povos indígenas em São Paulo: novos olhares. São Carlos: Ed. UFSCar, 2014. n. prelo.

MAYBURY-LEWIS, David. (Ed.) Dialectical Societies: the Gê and Bororo of Central Brazil. Cambridge: Harvard University Press, 1979.

MENGET, Patrick. Em nome dos outros: classificação das relações sociais entre os Txicão do Alto Xingu. Lisboa: Assírio e Alvim, 2001.

MONTEIRO, John. Vida e morte do índio: São Paulo colonial. In: COMISSÃO PRÓINDIO. Índios no estado de São Paulo: resistência e transfiguração. São Paulo: YANKATU, 1984. p. 21-45.

MOTA, Lúcio Tadeu. As Guerras dos Índios Kaingang: a história épica dos índios Kaingang no Paraná (1769-1924). EDUEM, 1998.

OVERING, Joanna. A estética da produção: o senso de comunidade entre os Cubeo e os Piaroa. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 34, p. 7-33, 1991.

OVERING, Joanna. Elogio do cotidiano: a confiança e a arte da vida social em uma comunidade amazônica. Mana, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 81-107, 1999.

RIBEIRO, Darcy; BARBOSA, L. B. H. Relatório dos trabalhos realizados pela inspetoria do SPI em São Paulo durante o ano de 1916. Revista Museu Paulista, São Paulo, v. 8, 1954.

ROSA, Rogério Reus Gonçalves. A rítmica da lua na luta pela terra dos Kaingang de Iraí. In: TOMMASINO, Kimiye; MOTA, Lúcio Tadeu; NOELLI, Francisco S. (Org.). Novas contribuições aos estudos interdisciplinares dos Kaingang. Londrina: EDUEL, 2004.

SANTOS, Silvio Coelho dos. Índios e brancos no Sul do Brasil: a dramática experiência dos Xokleng. Floranópolis: Edeme, 1973.

SCHADEN, Egon. A origem dos homens, o dilúvio e outros mitos Kaingang. Revista de Antropologia, São Paulo, p. 139-141, 1953.

SCHADEN, Egon. A representação do dualismo Kaingang no mito tribal. In: SCHADEN, Egon. A mitologia heróica de tribos indígenas do Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1959. p. 103-116.

SILVA, Aracy Lopes da. Pequenos “xãmas”: crianças indígenas, corporalidade e escolarização. In: SILVA, Aracy Lopes da; NUNES, Angela; MACEDO, Ana Vera (Org.). Crianças indígenas: ensaios antropológicos. São Paulo: Global, 2002.

TOMMASINO, Kimiye. A história dos Kaingang da bacia meridional do Tibagi, uma sociedade Jê meridional em movimento. 1995. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

URBAN, Greg. A model of Shokleng social reality. Chicago: University of Chicago, 1978.

VEIGA, Juracilda. Organização social e cosmovisão Kaingang: uma introdução ao parentesco, casamento e nominação em uma sociedade Jê Meridional. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Campinas, 1994.

VEIGA, Juracilda. Cosmologia e práticas rituais Kaingang. 2000. Tese (Doutor em Antropologia Social) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

Downloads

Publicado

2014-12-30

Como Citar

SILVA, T. R. M. da. Mulheres e crianças Kaingang da aldeia Icatu/SP: etiquetas de convivialidade. Mediações - Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 19, n. 2, p. 164–184, 2014. DOI: 10.5433/2176-6665.2014v19n2p164. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/20703. Acesso em: 25 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê