Políticas Públicas sobre a Saúde Menstrual no Brasil: Olhares pelas Lentes dos Movimentos Sociais da Menstruação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/2176-6665.2024v29n1e49150

Palavras-chave:

menstruação, Feminismo, saúde da mulher, política pública, ativismo

Resumo

O objetivo deste artigo é demonstrar como a pauta da menstruação esteve, por décadas, fora da agenda pública. Mesmo tendo sido criado recentemente o Programa de Proteção e Promoção da Saúde e Dignidade Menstrual, as pautas ampliadas em torno da menstruação, propostas por ativistas menstruais e militantes pela dignidade menstrual, permanecem fora do debate e das políticas públicas, que centralizam suas ações na distribuição de absorventes higiênicos. Por meio de metodologias de revisão narrativa e análise documental, realizou-se um levantamento das políticas públicas para a saúde das mulheres, dos projetos de lei sobre a dignidade menstrual e da atuação de movimentos sociais da menstruação no Brasil. Como resultado, observa-se que as políticas públicas sobre menstruação podem ser beneficiadas ao se incorporarem às reivindicações dos movimentos sociais analisados, com vistas à equidade de gênero, à emancipação de meninas, mulheres e demais pessoas que menstruam e, ainda, para a superação do tabu menstrual.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Isabel Cristina de Almeida Prado, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)

Mestra em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (2017). Doutoranda em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente pelo Instituto Fernandes Figueira (FIOCRUZ/RJ).

Referências

BAHIA, Letícia. Livre para menstruar: pobreza menstrual e a educação de meninas. São Paulo: Girls Up, 2021.

BIROLI, Flávia. Gênero e desigualdades: limites da democracia no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

BOBEL, Chris. New blood: third-wave feminism and the politics of menstruation. London: Rutgers University Press, 2010.

BOLSONARO veta distribuição de absorventes a estudantes e pessoas pobres. Senado Notícias, Brasília, 7 out. 2021. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2021/10/07/bolsonaro-veta-distribuicao-de-absorventes-a-estudantes-e-mulheres-pobres#:~:text=O%20chefe%20do%20Executivo%2C%20no,do%20Di%C3%A1rio%20Oficial%20da%20Uni%C3%A3o. Acesso em: 25 dez. 2023.

BRASIL. Decreto n. 11.432, de 8 de março de 2023. Regulamenta a lei n. 14.214, de 6 de outubro de 2021, que institui o programa de proteção e promoção da saúde menstrual. Brasília, DF: Presidência da República, 2023a. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2023-2026/2023/decreto/D11432.htm#:~:text=Art.%201%C2%BA%20Este%20Decreto%20regulamenta,%C3%A0%20promo%C3%A7%C3%A3o%20da%20dignidade%20menstrual. Acesso em: 24 dez. 2023.

BRASIL. Lei n. 14.214, de 06 de outubro de 2021. Institui o programa de proteção e promoção da saúde menstrual [...]. Brasília, DF: Presidência da República, 2021. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2021/Lei/L14214.htm. Acesso em: 3 fev. 2024.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Interministerial MS/MM/MJSP/MDS/MEC/MDHC n. 729, de 13 de junho de 2023b. Dispõe sobre a implementação do Programa de Proteção e Promoção da Saúde e Dignidade Menstrual. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ed. 114, p. 109, 19 jun. 2023b. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-interministerial-ms/mm/mjsp/mds/mec/mdhc-n-729-de-13-de-junho-de-2023-490443201. Acesso em: 25 ago. 2023.

BRASIL. Projeto de lei 4.968/2019. Institui o programa de fornecimento de absorventes higiênicos nas escolas públicas que ofertam anos finais de ensino fundamental e ensino médio. nova ementa institui o programa de proteção e promoção da saúde menstrual; e altera a lei n. 11.346, de 15 de setembro de 2006. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 2019. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2219676. Acesso em: 24 dez. 2023.

BRASIL. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Direitos das mulheres e legado de trabalhadores do SUS na pandemia foram temas prioritários da SAPS nos últimos dias. Brasília, DF: Secretaria de Atenção Primária à Saúde, 2023c. Disponível em: https://aps.saude.gov.br/noticia/20816. Acesso em 03 mar. 2024.

BRASIL. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Monitoramento e acompanhamento da política nacional de atenção integral à saúde da mulher - PNAISM e do plano nacional de políticas para as mulheres 2013-2015 - PNPM. Brasília, DF: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2015.

CÂNDIDO, Ana Carolina Davanso de Oliveira; SALIBA, Maurício Gonçalves. Interseccionalidade e a dignidade menstrual: um diálogo fundamental no combate às desigualdades. Direitos Sociais e Políticas Públicas, Bebedouro, v. 10, n. 3, p. 1-26, set./dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.25245/rdspp.v10i3.1288. DOI: https://doi.org/10.25245/rdspp.v10i3.1288

COLETIVO FEMINISTA SEXUALIDADE E SAÚDE. Home. São Paulo, [2023]. Disponível em: https://www.mulheres.org.br/. Acesso em: 15 out. 2023.

COSTA, Ana Maria; BAHIA, Ligia; CONTE, Danielle. A saúde da mulher e o SUS: laços e diversidades no processo de formulação, implementação e avaliação das políticas de saúde para mulheres no Brasil. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 31, n. 75/77, p. 13-24, jan./dez. 2007. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4063/406345310003.pdf. Acesso em: 15 out. 2023.

ESCUELA DE EDUCACIÓN MENSTRUAL. [Publicações]. [S. l., 2023]. Instagram: @emancipadas.educacionmenstrual. Disponível em: https://www.instagram.com/emancipadas.educacionmenstrual?igsh=c29mZXZwZHZ3OGVs. Acesso em: 24 dez. 2023.

GIRL UP BRASIL. O problema. In: Livre para menstruar, [s. l., 2023]. Disponível em: https://livreparamenstruar.org/#meninasnofront. Acesso em: 26 ago. 2023.

GRONDIN, Marcelo; VIEZZER, Moema. Abya Yala! Genocídio, resistência e sobrevivência dos povos originários das américas. Rio de Janeiro: Bambual Editora, 2021.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, [s. l.], n. 80, p. 115-147, 2008. DOI: https://doi.org/10.4000/rccs.697. DOI: https://doi.org/10.4000/rccs.697

GUILLO ARAKISTAIN, Miren. La in-corporación de la investigación: políticas de la menstruación y cuerpos (re)productivos. Nuevos Nómadas, Bogotá, n. 39, p. 233-245, out. 2013. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=470218. Acesso em: 2 jan. 2024.

LUGONES, María. Colonialidade e gênero. In: HOLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. p. 52-83.

MANICA, Daniela Tonelli. A desnaturalização da menstruação: hormônios contraceptivos e tecnociência. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 17, n. 35, p. 197-226, jan./jun. 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-71832011000100007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-71832011000100007

MANICA, Daniela Tonelli. Supressão da menstruação: ginecologistas e laboratórios farmacêuticos re-apresentando natureza e cultura. 2003. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003. DOI: https://doi.org/10.47749/T/UNICAMP.2003.279076. DOI: https://doi.org/10.47749/T/UNICAMP.2003.279076

MEDEIROS, Monique Ximenes Lopes de. Conflitos de estado nas comissões parlamentares de inquérito sobre planejamento familiar: esterilização, soberania nacional, nordeste e corpos femininos. Antropolítica, Niterói, v. 55, n. 2, p. 1-26, maio/ago. 2023. DOI: https://doi.org/10.22409/antropolitica.i.a56440. DOI: https://doi.org/10.22409/antropolitica.i.a56440

MENSTRUAL Hygiene Day: making menstruation a normal fact of life by 2030. Menstrualhygieneday, Berlin, 2023. Disponível em: https://menstrualhygieneday.org/. acesso em: 24 dez. 2023.

MENSTRUA. Conheça o menstRUA. [S. l., 2024]. Disponível em: https://menstrua.netlify.app. Acesso em: 11 jan. 2024.

NICOLAU, Emma Gómez; AROCAS, Elisabet Marco. Desafiando las reglas: articulaciones políticas del activismo menstrual. Revista Española de Sociología, Madrid, n. 29, n. 3, p. 155-170, nov. 2020. DOI: https://doi.org/10.22325/fes/res.2020.62. DOI: https://doi.org/10.22325/fes/res.2020.62

OASISBR – PORTAL BRASILEIRO DE PUBLICAÇÕES E DADOS CIENTÍFICOS EM ACESSO ABERTO. [Resultados da busca dignidade menstrual]. Brasília: IBICT, [2023]. Disponível em: https://oasisbr.ibict.br/vufind/Search/Results?lookfor=dignidade+menstrual&type=AllFields. Acesso em: 25 dez. 2023.

PATTA, Laura. Lista: conheça 10 ONGs que combatem a pobreza menstrual. Observatório do Terceiro Setor, São Paulo, 28 mar. 2022. Disponível em: https://observatorio3setor.org.br/noticias/lista-conheca-10-ongs-que-combatem-a-pobreza-menstrual/. Acesso em: 11 jan. 2024.

PIOVESAN, Eduardo. Congresso derruba veto à distribuição gratuita de absorventes. Câmara dos Deputados Comunicação, Brasília, 10 mar. 2022. Disponível em: https://www.camara.leg.br/noticias/857388-congresso-derruba-veto-a-distribuicao-gratuita-de-absorventes/. Acesso em: 26 ago. 2023.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e a América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 107-129.

RED DE EDUCACIÓN MENSTRUAL. [Publicações]. [S. l., 2023]. Facebook: RedMenstrual. Disponível em: https://www.facebook.com/RedMenstrual?mibextid=hIlR13. Acesso em: 24 dez. 2023.

REDE FEMINISTA DE SAÚDE. [Home]. [S. l., 2023]. Disponível em: https://www.redesaude.org.br/home-2/. Acesso em: 24 dez. 2023.

ROTHER, Edna Terezinha. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 1-2, jun. 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001

SALA, Núria Calafell. La ginecología natural en América Latina: un movimiento sociocultural del presente. Sexualidad, Salud y Sociedad, Rio de Janeiro, n. 33, p. 59-78, set./dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1984-6487.sess.2019.33.04.a. DOI: https://doi.org/10.1590/1984-6487.sess.2019.33.04.a

TARZIBACHI, Eugenia. Cosa de mujeres: menstruación, género y poder. Buenos Aires: Sudamericana, 2017.

UNFPA – FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Estado da arte para promoção da dignidade menstrual: avanços, desafios e potencialidades. Brasília, DF: UNFPA, 2022.

UNICEF – FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA. Pobreza menstrual no Brasil: desigualdades e violações de direitos. Brasília, DF: UNICEF, 2021. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/relatorios/pobreza-menstrual-no-brasil-desigualdade-e-violacoes-de-direitos. Acesso em: 15 out. 2023.

VÁSQUEZ, Carolina Ramírez. Educación menstrual emancipadora: una vía para interpelar la misoginia expresada en el tabú menstrual. Medellín: Ensayo, 2022.

VENCATO, Anna Paula; PELÚCIO, Larissa (coord.). GT 08: antropologia da menstruação: feminismos, corporalidades e tecnologias. In: REUNIÃO DE ANTROPOLOGIA DO MERCOSUL, 14., 2023, Niterói. Anais [...]. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2023. Disponível em: https://www.ram2023.sinteseeventos.com.br/atividade/view?q=YToyOntzOjY6InBhcmFtcyI7czozNjoiYToxOntzOjEyOiJJRF9BVElWSURBREUiO3M6MzoiMTM3Ijt9IjtzOjE6ImgiO3M6MzI6ImRkZjE2NTFkOWNkNWU5OWUzZjQ1YzE1MTBiM2E4ZDE4Ijt9&ID_ATIVIDADE=137. Acesso em: 11 jan. 2024.

WORLD BANK. Menstrual hygiene management enables women and girls to reach their full potential. Washington: World Bank, 25 May 2018. Disponível em: https://www.worldbank.org/en/news/feature/2018/05/25/menstrual-hygiene-management. Acesso em: 24 dez. 2023.

Downloads

Publicado

2024-03-22

Como Citar

PRADO, I. C. de A. Políticas Públicas sobre a Saúde Menstrual no Brasil: Olhares pelas Lentes dos Movimentos Sociais da Menstruação. Mediações - Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 29, n. 1, p. 1–17, 2024. DOI: 10.5433/2176-6665.2024v29n1e49150. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/49150. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê