Atividade sérica de Paraoxanase durante o periparto de vacas leiteiras com diferentes concentrações de Lactogênio Placentário

Autores

  • Marina Menoncin Weschenfelder Rohenkohl Universidade Federal de Pelotas
  • Matheus Gomes Lopes Universidade Federal de Pelotas
  • Antônio Amaral Barbosa Universidade Federal de Pelotas
  • Ana Rita Tavares Krause Universidade de Saskatchewan, Saskatoon, Canadá
  • Paula Montagner Universidade Federal de Pelotas
  • Elizabeth Schwegler Instituto Federal Catarinense
  • Cássio Cassal Brauner Universidade Federal de Pelotas
  • Augusto Schneider Universidade Federal de Pelotas
  • Eduardo Schmitt Universidade Federal de Pelotas
  • Francisco Augusto Burkert Del Pino Universidade Federal de Pelotas
  • Márcio Nunes Corrêa Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0359.2017v38n5p3371

Palavras-chave:

Hormônios, Inflamação, Período de transição, Proteínas.

Resumo

A ação do hormônio Lactogênio Placentário Bovino (bLP) no metabolismo materno ainda é pouco conhecida. Alguns marcadores, como a proteína de fase aguda Paraoxanase (PON1), são utilizados como indicadores da função hepática auxiliando na determinação da condição metabólica no período de transição em vacas leiteiras. O objetivo deste trabalho foi avaliar a atividade sérica de PON1 durante o periparto em vacas leiteiras com diferentes níveis de bLP. As vacas foram divididas em três grupos de acordo com as concentrações plasmáticas de bLP, em que BAIXO < 2,68 ng mL-1 (n=6), MÉDIO > 2,68 ng mL-1 e < 2,80 ng mL-1 (n=6) e ALTO > 2,80 ng mL-1 (n=6). O período experimental ocorreu entre os 21 dias pré-parto e 28 dias pós-parto. Amostras de soro foram coletadas para a determinação das concentrações de bLP e atividade sérica de PON1. Houve diferença entre os três grupos (P ? 0,0001) de acordo com as concentrações de bLP, assim como entre os dias coletados (P ? 0,0001). No pré-parto, os níveis de PON1 apresentaram diferença entre grupos (P ? 0,05) e coletas (P ? 0,05). Vacas com alta concentração de bLP apresentaram menor atividade sérica de PON1 (P ? 0,05), enquanto vacas com baixos níveis do hormônio obtiveram maior atividade da enzima (P ? 0,05). No pós-parto não houve diferença entre grupos (P ? 0,10), houve diferença entre os dias coletados (P ? 0,0001) e interação entre grupos e coletas (P ? 0,01). O grupo com altas concentrações de bLP apresentou menores níveis de PON1 (P ? 0,01), enquanto vacas do grupo com baixo bLP mantiveram maiores concentrações de PON1 (P ? 0,01). Conclui-se que, vacas com maiores concentrações de bLP no período pré-parto apresentam redução na atividade sérica da enzima PON1 durante o período periparto.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marina Menoncin Weschenfelder Rohenkohl, Universidade Federal de Pelotas

Discente de Mestrado, Universidade Federal de Pelotas, UFPEL, Pelotas, RS, Brasil.

Matheus Gomes Lopes, Universidade Federal de Pelotas

Discente de Mestrado, Universidade Federal de Pelotas, UFPEL, Pelotas, RS, Brasil.

Antônio Amaral Barbosa, Universidade Federal de Pelotas

Discente de Doutorado, UFPEL, Pelotas, RS, Brasil.

Ana Rita Tavares Krause, Universidade de Saskatchewan, Saskatoon, Canadá

Discente de Doutorado, University of Saskatchewan, USASK, Saskatoon, SK, Canadá.

Paula Montagner, Universidade Federal de Pelotas

Discente de Doutorado, UFPEL, Pelotas, RS, Brasil.

Elizabeth Schwegler, Instituto Federal Catarinense

Profª Adjunto, Instituto Federal Catarinense, IFC, Araquari, SC, Brasil.

Cássio Cassal Brauner, Universidade Federal de Pelotas

Prof. Adjunto, UFPEL, Pelotas, RS, Brasil.

Augusto Schneider, Universidade Federal de Pelotas

Prof. Adjunto, UFPEL, Pelotas, RS, Brasil.

Eduardo Schmitt, Universidade Federal de Pelotas

Prof. Adjunto, UFPEL, Pelotas, RS, Brasil.

Francisco Augusto Burkert Del Pino, Universidade Federal de Pelotas

Prof. Titular, UFPEL, Pelotas, RS, Brasil.

Márcio Nunes Corrêa, Universidade Federal de Pelotas

Prof. Associado, UFPEL, Pelotas, RS, Brasil.

Downloads

Publicado

2017-10-03

Como Citar

Rohenkohl, M. M. W., Lopes, M. G., Barbosa, A. A., Krause, A. R. T., Montagner, P., Schwegler, E., Brauner, C. C., Schneider, A., Schmitt, E., Del Pino, F. A. B., & Corrêa, M. N. (2017). Atividade sérica de Paraoxanase durante o periparto de vacas leiteiras com diferentes concentrações de Lactogênio Placentário. Semina: Ciências Agrárias, 38(5), 3371–3376. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2017v38n5p3371

Edição

Seção

Comunicações

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2