Ensino de leitura e apropriação dos saberes pela didática da leitura subjetiva em “Nenhum peixe aonde ir” (2006), de Marie-Francine Hébert

Autores

  • Izabel Cristina Marson Universidade Estadual do Norte do Paraná
  • Luciana Brito Universidade Estadual do Norte do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2016v31p44

Palavras-chave:

Didática da leitura subjetiva, Ensino de leitura, Literatura infantil, Diário de leitura

Resumo

Este artigo apresenta a didática da leitura subjetiva a partir de trabalho docente sobre o livro infantil Nenhum peixe aonde ir, de Marie-Francine Hébert, 2006, que integra o acervo do Programa Nacional Biblioteca na Escola (PNBE). O trabalho aqui apresentado versa sobre a didática da leitura subjetiva, implementada na França no início do século XXI; e proposta de plano de trabalho com Nenhum peixe aonde ir, de Marie-Francine Hébert, 2006, enfatizando a depreensão dos saberes literários pela escrita de diários de leitura em sala de aula. Partimos da temática dos “conflitos sociais”, com o intuito de trilhar possibilidades de ensinar a ler literatura em sala de aula, para turmas do Ensino Fundamental II, 6º ano, por meio de elementos que revelam a subjetividade do leitor, bem como sua competência estética (Rouxel 2014: 28). O trabalho justifica-se pela subjetividade da leitura estar inserida de forma constitutiva no ato de ler, como questão contextual, sociocultural e identitária do leitor em formação (Jouve 2013; Petit 2008).

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Izabel Cristina Marson, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Mestra em Letras pela Universidade Estadual do Norte do Paraná.Professora no Colégio Estadual Cristo Rei Ensino Normal de Cornélio Procópio.

Luciana Brito, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Mestre em Letras e Doutora pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Docente do Centro de Letras, Comunicação e Artes da Universidade Estadual do Norte do Paraná.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, 1998.

ECO, Umberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. Companhia das Letras, 1994.

GIDE, André. Diário dos moedeiros falsos. Trad. Mario Laranjeira. São Paulo: Estação Liberdade, 2009.

HÉBERT, Marie-Francine. Nenhum peixe aonde ir. Ilustrações de Janice Nadeau. Trad. Maria Luiza X. da A. Borges. São Paulo: SM, 2006.

JAUSS, Hans Robert. História da literatura como provocação à ciência literária. São Paulo: Ática, 1994.

JOUVE, Vincent. A leitura. Trad. Brigitte Hervor. São Paulo: Editora da UNESP, 2002.

JOUVE, Vincent. “A leitura como retorno a si: sobre o interesse pedagógico das leituras subjetivas”. Trad. Neide Luzia de Rezende. Annie Rouxel, Gérard Langlade e Neide Luiza de Resende, (orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo: Alameda, 2013. p. 53-65.

LANGLANDE, Gérard. “O sujeito leitor, autor da singularidade da obra”. Annie Rouxel, Gérard Langlade e Neide Luiza de Resende, (orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo: Alameda, 2013. p. 25-38.

PARANÁ. Secretaria de Educação do Estado do Paraná. Diretrizes Curriculares para Língua Portuguesa e Literatura. Curitiba, 2008.

PETIT, Michèle. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. Trad. Celina Olga de Souza. São Paulo: 34, 2008.

RAMOS, Ana Margarida. “Paz e guerra - os conflitos bélicos na literatura portuguesa para a infância”. Livros de palmo e meio: reflexões sobre literatura e infância. Lisboa: Caminho, 2007. p. 98-131.

REZENDE, Neide Luzia de. “A formação do leitor na escola pública brasileira: um jargão ou um ideal?”. José Helder Pinheiro Alves, (org). Memórias da Borborema 4. Campina Grande: Abralic, 2014. p. 37-54.

ROUXEL, Annie. “Autobiografia de leitor e identidade literária”. Annie Rouxel, Gérard Langlade e Neide Luiza de Resende, (orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo: Alameda, 2013. p. 67-87.

ROUXEL, Annie. “Ensino da Literatura: experiência estética e formação do leitor”. José Helder Pinheiro Alves, (org). Memórias da Borborema 4. Campina Grande: Abralic, 2014. p. 19-35.

ROUXEL, Annie. “Mutações epistemiológicas e o ensino da literatura: o advento do sujeito leitor”. Trad. Samira Murad. Revista Criação e Crítica (São Paulo), v. 9, p. 13-24, 2012. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/criacaoecritica/article/view/46858/50609/. Acesso em: 01 de ago de 2015.

TODOROV, Tzevetan. A literatura em perigo. Trad. Caio Meira. Rio de Janeiro: DIFEL, 2009.

Downloads

Publicado

28-12-2016

Como Citar

MARSON, I. C.; BRITO, L. Ensino de leitura e apropriação dos saberes pela didática da leitura subjetiva em “Nenhum peixe aonde ir” (2006), de Marie-Francine Hébert. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 31, p. 44–56, 2016. DOI: 10.5433/1678-2054.2016v31p44. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/27165. Acesso em: 25 maio. 2024.