Navegar, explorar, cartografar: é possível que os perfis de leitura do Instagram afectem os leitores?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1519-5392.2023v23n2p189-206

Palavras-chave:

afecto, cartografia, instagram

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa que surge a partir do desejo de investigar se e como os perfis de leitura do Instagram podem afectar seus leitores e produzir brechas em suas subjetividades. Na sociedade atual, imersa em tecnologia e urdida na lógica da produtividade e da cultura de massa, observamos o bombardeamento de informações e a aceleração de práticas cotidianas, como a massificação de notícias, que contribuem para a fragmentação das narrativas e a predominância de apenas um sentido: o hegemônico. Logo, o objetivo do artigo consiste em apresentar os resultados dessa pesquisa que utilizou a cartografia (1996), como metodologia investigativa, para cartografar 75 páginas de leitura. O referencial teórico adotado apoia-se na Filosofia da Diferença de Gilles Deleuze e Félix Guattari (1996, 1992, 1997).

Biografia do Autor

Thayra Fernandes Pereira, Faculdade Formação de Professores da Baixada Fluminense - FEBF-UERJ

Thayra Fernandes Pereira é uma egressa do curso de Pedagogia da UERJ-FEBF (Faculdade de Educação da Baixada Fluminense). Durante sua formação acadêmica, desenvolveu interesse no campo da Filosofia da Diferença, de Deleuze e Guattari. Aprofundou seus estudos na arte literária, principalmente, na leitura que devir-outro. Movida por sentidos, buscou desatar os nós das subjetividades capitalísticas e, a partir disso, procurou práticas micropolíticas de libertação. Em sua trajetória acadêmica, trilhou o caminho dos afectos: da potência de agir ou de paralisar. Seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), orientado pela Doutora Leila Mendes, consistiu em uma pesquisa que investigou o impacto dos perfis leitores no Instagram sobre os usuários dessa plataforma, analisando se os perfis de leitura no Instagram poderiam influenciar os hábitos de leitura e o comportamento dos leitores. Os resultados de sua pesquisa foram compilados em um artigo intitulado "Navegar, explorar, cartografar: é possível que os perfis de leitura do Instagram afetem os leitores?".

Leila de Carvalho Mendes, UERJ

Professora de Língua Portuguesa, Psicopedagoga, Mestre em Educação, Doutora em língua portuguesa ( ensino e leitura), professora do departamento de formaçao de professores da UERJ-FEBF

Referências

COSSON, R. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2007.

CUNHA, E. Etiquetagem de micromensagens no Twitter: uma abordagem linguística. Dissertação (mestrado em ??). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

DELEUZE, G. Bergsonismo. Tradução de Luiz B. L. Orlandi. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2012.

DELEUZE, G. Crítica e Clínica. São Paulo: Editora 34, 1997.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. Kafka: Por uma Literatura Menor. Rio de Janeiro: Imago, 1977.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: do capitalismo à esquizofrenia. v. 1. Rio de Janeiro: Editora 34, , 1996.

DELEUZE. G; GUATTARI, F. O que é a filosofia? Trad. Bento Prado Jr e Alberto Alonso Muñoz. São Paulo: Editora 34, 1992.

ECO, H. Les limites de l’interprétation. Paris: Le livre de poche “Biblioessais”, 1992.

GUATTARI, F. Revolução Molecular: pulsações políticas do desejo. Trad. Suely Rolnik. São Paulo: Brasiliense, 1981.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: Cartografias do Desejo. Petrópolis: Vozes, 1986.

HAN, B.-C. A sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes. 2015.

HAN, B-C. Favor fechar os olhos: em busca de outro tempo. Petrópolis-RJ: Vozes, 2021.

KASTRUP, V.; BARROS, L. P. da. Movimentos-funções do dispositivo na prática da cartografia. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2012.

LISPECTOR, C. Água viva: ficção. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

LORDE, A. Irmã outsider: ensaios e conferências. Belo Horizonte: Autêntica, 2020.

NUNES, B. Filosofia e Literatura: Crivo de Papel. São Paulo:Abdr, 1998.

PARISER, E. O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. Tradução Diego Alfaro. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

ROMAGNOLI, R. C. A cartografia e a relação pesquisa e vida. Psicol. Soc. Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 166-173, 2009.

SECCO, C. Afeto e Poesia. Ensaios e entrevistas: Angola e Moçambique. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2014.

SENGHOR, L. Ce que l'homme noir apporte. In: L'homme de couleur, Librairie Plon, 1939.

SPINOZA. Ética. 2. ed. BH: Autêntica, 2020.

STATISTA. Most popular social networks worldwide as of January 2023, ranked by number of monthly active users. 2023. Disponível em: https://www.statista.com/statistics/272014/elobal-social-networks-ranked-by-number-of-users/. Acesso em: 05 jul. 2019.

Downloads

Publicado

25-07-2023

Como Citar

PEREIRA, Thayra Fernandes; MENDES, Leila de Carvalho. Navegar, explorar, cartografar: é possível que os perfis de leitura do Instagram afectem os leitores?. Entretextos, Londrina, v. 23, n. 2, p. 189–206, 2023. DOI: 10.5433/1519-5392.2023v23n2p189-206. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/entretextos/article/view/48240. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos