A entrevista semiestruturada na pesquisa qualitativa-interpretativa: um guia de análise processual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1519-5392.2022v22n3p25-45

Palavras-chave:

Linguística Aplicada, Pesquisa Qualitativa, Entrevista semiestruturada.

Resumo

O presente estudo tem como objetivo caracterizar e explorar as possibilidades da entrevista semiestruturada como instrumento de coleta de dados na pesquisa qualitativa-interpretativa em Linguística Aplicada. Para tanto, são retomados os paradigmas e as técnicas de pesquisa mais associados às Ciências da Linguagem, sendo analisadas: (a) as etapas de execução da entrevista semiestruturada; e (b) o papel do investigador no que se refere à postura e ao conhecimento teórico-metodológico e dos objetivos da pesquisa. A base teórica adotada considera a revisão de literatura dos paradigmas de pesquisa quantitativa e qualitativa, destacando a análise qualitativa-interpretativa e a entrevista semiestruturada como ferramenta de coleta de dados. Por este viés, são discutidas as vantagens e desvantagens da entrevista semiestruturada, bem como a influência de fatores internos e externos em seu processo. Os resultados evidenciam a efetividade da entrevista semiestruturada pelo realce da relação pesquisador-pesquisado, a qual permite maior flexibilidade na geração de dados por parte do entrevistado e na atuação do pesquisador de modo consciente ao longo do processo de pesquisa. 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Elaine de Castro, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduada em Letras Estrangeiras Modernas com habilitação em Língua Inglesa pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Especializada em Formação de Professores de Língua Materna e Língua Estrangeira: Práticas reflexivas, metodológicas e tradutórias pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e em Tradução de Inglês pela Universidade Estácio de Sá (UNESA). É mestre em Estudos Linguísticos: Ensino-aprendizagem de Línguas pela UEM e atua como professora colaboradora na Unespar - Campus de Apucarana, lecionando as disciplinas de Língua Inglesa I, II, III e IV no curso de Secretariado Executivo Trilíngue e de Inglês Instrumental no curso de Turismo, além de lecionar autonomamente Língua Inglesa e Alemã. É doutoranda em Letras na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) no Campus de Três Lagoas, na área de Estudos Linguísticos e inserida na linha de pesquisa em discurso, subjetividade e ensino de línguas.

Ulisses Tadeu Vaz de Oliveira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Ulisses Oliveira possui pós-doutorado pelo Instituto de Estudos Medievais (IEM) da Universidade Nova de Lisboa (Portugal). É Doutor em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-Sao Paulo) e Mestre na mesma área pela mesma universidade. Atua como professor na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), onde leciona disciplinas correlatas às áreas de Língua Inglesa e Linguística na Graduação. Além disso, atua no Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGLetras), na linha de pesquisa ?Discurso, subjetividade e ensino de línguas?, e no Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS). No contexto da Pós-Graduação, orienta alunos e ministra disciplinas variadas ligadas ao projeto de pesquisa que coordena ("Novos discursos e linguagens: perspectivas sistêmico-funcionais na análise de multimodalidade, cultura e ideologia na mídia"). Foi professor na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Coordenador do LEP (Laureate English Program) da Laureate International Universities e professor de Inglês na Escola de Negócios na Universidade Anhembi Morumbi, onde ajudou na implementação e, mais tarde, esteve a cargo de coordenar a disciplina de Inglês na modalidade híbrida blended learning na Escola de Negócios e Hospitalidade. Durante esse período, Ulisses também lecionou Inglês para Marketing, Administração, Comércio Internacional, Hospitalidade, Turismo e Relações Internacionais. Como pesquisador, realiza estudos e tem publicações nas seguintes áreas: (a) ICT, com enfoque em blended e tandem learning para disciplinas curriculares de ensino integrado de língua estrangeira e conteúdos diversos para alunos de graduação; (b) Linguística Sistêmico-Funcional, com enfoque na em persuasão e ideologia, em pesquisas de interface entre literatura e linguística; e (c) Filologia Portuguesa e literatura comparada, com estudos envolvendo cantigas medievais Galego-Portuguesas, literatura barroca e modernismo.

Referências

ANDRÉ, Marli. Etnografia da prática escolar. Campinas. Papirus editora, 2013.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. Estética da Criação Verbal. São Paulo, Martins Fontes, 1992 [1977], p.261-305.

CLARK, Vicki L. Plano; CRESWELL, John W. The mixed methods reader. Thousand Oaks. Sage, 2008.

COHEN, Louis; MANION, Lawrence; MORRISON, Keith. Research Methods in Education. 5th ed. London: Routledge, 2000.

CRESWELL, John W. et al. Qualitative research designs: Selection and implementation. The counseling psychologist, v. 35, n. 2, p. 236-264, 2007. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0011000006287390. Acesso em: 28 mar. 2023. DOI: https://doi.org/10.1177/0011000006287390

CRESWELL, John W. Mapping the developing landscape of mixed methods research. SAGE handbook of mixed methods in social & behavioral research, Thousand Oaks, Second Edition, p. 45-68, 2010. DOI: https://doi.org/10.4135/9781506335193.n2

DUARTE, Rosália. Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 115, v.1, p. 139-154, mar., 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/PmPzwqMxQsvQwH5bkrhrDKm/?lang=pt. Acesso em: 28 mar. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742002000100005

LACERDA, Patrícia Fabiane do Amaral Cunha. O papel do método misto na análise de processos de mudança em uma abordagem construcional: reflexões e propostas. Revista Linguística, Rio de Janeiro, v. sp., p. 83-101, 2016. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rl/article/view/5440/4032Acesso em: 28 mar. 2023.

MANZINI, Eduardo José. Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. Seminário internacional sobre pesquisa e estudos qualitativos, Bauru, v. 2, p. 10, 2004. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Instituicao/Docentes/EduardoManzini/Manzini_2004_entrevista_semi-estruturada.pdf. Acesso em: 07 nov. 2020.

REIS, Simone. Reflexões sobre uma jornada com destino à pesquisa. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 6, n.1, p.101-118, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbla/a/gQTZNTb7XbSN9P7VXNkpSTG/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 28 mar. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S1984-63982006000100007

ROCHA, Décio; DAHER, Maria Del C.; SANT’ANNA, Vera Lúcia de A. A Entrevista em situação de pesquisa acadêmica: reflexões numa perspectiva discursiva. Polifonia, [S.l.] Cuiabá: UFMT. v. 8 n.8, 2004. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/1132. Acesso em: 10 out. 2020.

SCHWANDT, Thomas A. Três posturas epistemológicas para investigação qualitativa: interpretativismo, hermenêutica e construcionismo social. In: DENZIN, N. K; LINCOLN, Y. S. (org.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Tradução: Sandra Regina Netz. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 193-217.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 24.ed. São Paulo: Cortez, 2016.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: A Pesquisa Qualitativa em Educação. O Positivismo. A Fenomenologia. O Marxismo. São Paulo: Ed. Atlas, 1987.

Downloads

Publicado

29-12-2022

Como Citar

CASTRO, E. de; OLIVEIRA, U. T. V. de. A entrevista semiestruturada na pesquisa qualitativa-interpretativa: um guia de análise processual. Entretextos, Londrina, v. 22, n. 3, p. 25–45, 2022. DOI: 10.5433/1519-5392.2022v22n3p25-45. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/entretextos/article/view/46089. Acesso em: 12 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigo para volume atemático