Radicais e Radicalismos: A Linhagem Radical de Classe Média no Pensamento Brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/2176-6665.2023v28n1e45947

Palavras-chave:

teoria política, pensamento político e social brasileiro, sociologia política, radicalismo de classe média.

Resumo

O ensaio que aqui temos em tela pretende fazer uma análise exploratória de elementos que julgamos decisivos da chamada linhagem do pensamento radical no Brasil. Nesse sentido, nas seções que seguem, procuraremos oferecer um recorte e uma exposição que enfrente algumas críticas feitas à existência do radicalismo de classe média ou à possível limitação desta forma de compreensão de um conjunto específico de ideias e projetos políticos no Brasil. À vista disto, concluímos que o radicalismo de classe média é uma linhagem de pensamento com envergadura nacional e que possui características especificas que lhe dão sustentação.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rafael Marino, Universidade de São Paulo (USP/FFLCH)

Mestre em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (2019). Doutorando em Ciência Política junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade de São Paulo vinculado ao Centro de Estudos dos Direitos da Cidadania (CENEDIC - USP).

Referências

AGUIAR, Flávio. Antonio Candido: pensamento e militância. São Paulo: Fundação Perseu Abramo/Humanitas, 1999.

ALCIDES, Sérgio. O momentâneo da “Formação”. O Eixo e a Roda, v.20, n.1, p.141-154, 2011. DOI: https://doi.org/10.17851/2358-9787.20.1.141-154

AMBROSINI, Diego Rafael. Contextos de Nestor Duarte: política, sociologia e direito. 2011. Tese (Doutorado em Ciência Política) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

ANTUNES, Camila Almeida Vaz. Os anos de aprendizagem de Antonio Candido (1930-1940). 2017. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de Campinas, Campinas, 2017.

ARANTES, Paulo Eduardo; ARANTES, Otília. Sentido da formação: três estudos sobre Antonio Candido, Gilda de Mello e Souza e Lúcio Costa. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1997.

ARRUDA, Maria Arminda do Nascimento. A Sociologia da cultura: interpretações e reconstruções. In: ALVES, Paulo César. (org.). Cultura - múltiplas leituras. Bauru; São Paulo: EDUSC, 2010, p. 93-114.

ARRUDA, Maria Arminda do Nascimento. Metrópole e cultura: São Paulo no meio século XX. São Paulo: EDUSP, 2015.

ARRUDA, Maria Arminda do Nascimento. Pensamento brasileiro e sociologia da cultura: Questões de interpretação. Tempo Social, v. 16, n.1, p. 107-118, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-20702004000100006

BASTOS, Elide Rugai. Atualidade do pensamento social brasileiro. Sociedade e Estado, v.26, n.2, p.51-70, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69922011000200004

BASTOS, Élide Rugai. Pensamento social da escola sociológica paulista. In: MICELI, S. (org.). O que ler na ciência social brasileira: 1970-2002. São Paulo: Sumaré; Brasília: ANPOCS, 2002. p. 183-230.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2004.

BOTELHO, André. O retorno da sociedade: política e interpretações do Brasil. Petrópolis: Vozes, 2019.

BOTELHO, André. Sequências de uma sociologia política brasileira. Dados, Rio de Janeiro, v. 50, n. 1, p. 49-82, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0011-52582007000100003

BOTELHO, André; BASTOS, Elide Rugai. Por uma sociologia política dos intelectuais, In: BOTELHO, André. O retorno da sociedade: política e interpretações do Brasil. Petrópolis, Vozes, 2019, p. 220-249.

BRANDÃO, Gildo Marçal. Ideias e argumentos para o estudo da história das ideias políticas no Brasil. In: MARTINS, Carlos Benedito; LESSA, Renato (org.). Horizonte das Ciências Sociais no Brasil. São Paulo, Editoras Discurso Editorial e Barcarolla, 2010. p. 367-376.

BRANDÃO, Gildo Marçal. Influência sem poder. In: BRANDÃO, G. M. A esquerda positiva: as duas almas do Partido Comunista – 1920/1964. São Paulo: Editora Hucitec, 1997. p. 159-231.

BRANDÃO, Gildo Marçal. Linhagens do pensamento político brasileiro. Dados, Rio de Janeiro, v. 48, n. 2, p. 231-269, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0011-52582005000200001

BRANDÃO, Gildo Marçal. Linhagens do pensamento político brasileiro. São Paulo: Editora HUCITEC, 2007.

BRASIL, Antonio. As ideias como forças sociais: sobre uma agenda de pesquisa. Sociologia e Antropologia, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 553-574, ago. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/2238-38752015v5210

CALIL, Carlos Augusto; MACHADO, Maria Teresa. Paulo Emílio: um intelectual na linha de frente. São Paulo: Brasiliense; Rio de Janeiro: EMBRAFILME, 1986.

CANDIDO, Antonio. A educação pela noite. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2011a.

CANDIDO, Antonio. Antonio Candido: marxismo e militância. [Entrevista concedida a] José Pedro Renzi. Praga: revista de estudos marxistas, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 5-21, set./dez. 1996.

CANDIDO, Antonio. Entrevista concedida a Ulisses Guariba. Trans/form/ação, Marília, v. 34, n. 1, p. 9-23, 1974. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-31731974000100001

CANDIDO, Antonio. Informe político. In: CALIL, Carlos Augusto; MACHADO, Maria Teresa. Paulo Emilio: um intelectual na linha de frente. São Paulo: Embrafilme: Brasiliense, 1986.

CANDIDO, Antonio. O discurso e a cidade. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2010a

CANDIDO, Antonio. O significado de 'Raízes do Brasil'. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p. 9-23.

CANDIDO, Antonio. Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2010b.

CANDIDO, Antonio. Textos de intervenção. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2002.

CANDIDO, Antonio. Vários escritos. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2011b.

CARDOSO, Adalberto. Classes médias e política no Brasil: 1922-2016. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2020.

CEPÊDA, Vera Alves. O pensamento político de Celso Furtado: desenvolvimento e democracia. In: BRESSER-PEREIRA, Luiz; REGO, José (org.). A grande esperança em Celso Furtado. São Paulo: Editora 34, 2001. p. 167-184.

COTGROVE, Stephen; DUFF, Andrew. Environmentalism, Middle-Class Radicalism and Politics. The Sociological Review, Lancaster, v. 28, n. 2, 1980. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-954X.1980.tb00368.x

DUARTE, Nestor. A ordem privada e a organização política nacional: contribuição à sociologia política brasileira. Brasília: Ministério da Justiça, 1997.

EDER, Klaus. A classe social tem importância no estudo dos movimentos sociais? Uma teoria do radicalismo da classe média. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 16, n. 46, p. 5-27, 2001. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092001000200001

FELDMAN, Luiz. Um clássico por amadurecimento: estudos sobre Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: Topbooks, 2015.

FELDMAN, Luiz. Um clássico por amadurecimento: raízes do Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 28, n. 82, p. 119-140, jun. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092013000200008

FEMIA, Joseph V. A historicist of ‘revisionist’ methods for studying the history of ideas. In: TULLY, J. (org.). Meaning and context. Quentin Skinner and his critics. Princeton: Princeton University Press, 1988. p. 156-176.

FERREIRA, Siddharta Legale; FERNANDES, Eric Baracho Dore. O STF nas "Cortes" Victor Nunes Leal, Moreira Alves e Gilmar Mendes. Revista Direito GV, v. 9, n.1, p. 23-45, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S1808-24322013000100002

FURTADO, Celso. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, 2009.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1995.

GIMENES, Max Luiz. O "Rosa Burguês da Revolução”: Antonio Candido e a missão do intelectual no Brasil Moderno. 2018. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

GUSTIN, Miracy Barbosa de Sousa; VIEIRA, Margarida Luiza de Matos. Semeando a democracia: a trajetória do socialismo democrático no Brasil. Contagem: Palesa, 1995.

HECKER, Alexandre. O socialismo sociável: história da esquerda democrática em São Paulo (1947-1965). São Paulo: Unesp, 1998.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LAMOUNIER, Bolivar. A ciência política no Brasil: roteiro para um balanço crítico. In: LAMOUNIER, Bolivar. A ciência política nos anos 80. Brasília: Editora da UnB, 1982. p. 407-433.

LAVALLE, Adrián Gurza. Vida pública e identidade nacional: leituras brasileiras. São Paulo: Editora Globo, 2004.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

LIMONGI, Fernando. Eleições e democracia no Brasil: Victor Nunes Leal e a transição de 1945. Dados, Rio de Janeiro, v. 55, n.1, p. 37-69, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0011-52582012000100002

LYNCH, Christian Edward Cyril. Cartografia do pensamento político brasileiro: conceito, abordagem, história. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, v. 1, n.19, p. 75-119, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-335220161904

LYNCH, Christian Edward Cyril; CHALOUB, Jorge. Um projeto de pesquisa “à esquerda”: Gildo Marçal Brandão e a interpretação marxista do pensamento político brasileiro. Lua Nova, São Paulo, v. 2, n. 113, p. 281-324, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-281324/113

MARINO, Rafael; COSTANZO, Daniela. Victor Nunes Leal, a ciência política e as linhagens do pensamento político brasileiro. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, v. 31, n. 1, p. 161-200, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-335220203105

MICELI, Sérgio. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

MONTEIRO, Pedro Meira. Signo e desterro: Sérgio Buarque de Holanda e a imaginação do Brasil. São Paulo: Hucitec, 2009.

MORAES, Monica Isabel de. Duas raízes: o ensaismo de Sérgio Buarque de Holanda. 2017. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

MORSE, Richard. O espelho de próspero: cultura e ideias nas Américas. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

MOTA, Carlos Guilherme. Ideologia da cultura brasileira (1933-1974). São Paulo: Editora 34, 2008.

NEME, Mário. Plataforma da nova geração. Porto Alegre: Globo, 1945.

NOBRE, Marcos. Da 'formação' às 'redes': filosofia e cultura depois da modernização. Cadernos de Filosofia Alemã: Crítica e Modernidade, São Paulo, v. 1, n. 19, p. 13-36, jan. 2012. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i19p13-36

OLIVEIRA, Francisco de. A navegação venturosa: ensaios sobre Celso Furtado. São Paulo: Boitempo, 2003.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista; O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2008.

PARKING, Frank. Middle class radicalism. Manchester: Manchester University Press, 1968.

PAULANI, Leda Maria. A utopia da nação: esperança e desalento. In: BRESSER-PEREIRA, Luiz; REGO, José (org.). A grande esperança em Celso Furtado. São Paulo: Editora 34, 2001. p. 139-156.

PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

RAMASSOTE, Rodrigo Martins. Inquietudes da crítica literária militante de Antonio Candido. Tempo Social, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 41-70, nov. 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-20702011000200003

RICUPERO, Bernardo. Caio Prado Jr. e a nacionalização do marxismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 2000.

SALLUM JUNIOR, Brasílio. Sobre a noção de democracia em Raízes do Brasil. In: MARRAS, Stélio. Atualidade de Sérgio Buarque de Holanda. São Paulo: EDUSP; IEB, 2012. p. 51-60.

SANTIAGO, Silviano. Anatomia da formação: a literatura brasileira à luz do póscolonialismo. Folha de São Paulo, São Paulo, 7 set. 2014. p. 4-5.

SCHWARZ, Roberto. Martinha versus Lucrécia. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

SCHWARZ, Roberto. Sequências brasileiras. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

SECCO, Lincoln. História do PT. Cotia: Atêlie Editorial, 2011.

SINGER, André. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

SKINNER, Quentin. Meaning and Understanding in the History of Ideas. In: TULLY, J (org.). Quentin Skinner and his critics. Princeton: Princeton University Press, 1988. p. 29-68.

SOUZA, Jessé de. A elite do atraso: da escravidão à lava-jato. São Paulo: LeYa, 2017.

SOUZA, Jessé de. A tolice da inteligência brasileira: ou como o país se deixa manipular pela elite. São Paulo: LeYa, 2015.

STARLING, Heloisa M. Ser republicano no Brasil colônia: a história de uma tradição esquecida. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

WAIZBORT, Leopoldo. O mal-entendido da democracia: Sérgio Buarque de Hollanda, Raízes do Brasil, 1936. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São paulo, v. 26, n. 76, p. 39-62, jun. 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092011000200003

WEFFORT, Francisco. O populismo na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

WEGNER, Robert. Caminhos de Sérgio Buarque de Holanda. In: BOTELHO, André; SCHWARCZ, Lilia Moritz. Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 221-226.

Downloads

Publicado

2023-02-24

Como Citar

MARINO, R. Radicais e Radicalismos: A Linhagem Radical de Classe Média no Pensamento Brasileiro. Mediações - Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 28, n. 1, p. 1–19, 2023. DOI: 10.5433/2176-6665.2023v28n1e45947. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/45947. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos