O Processo de Individuação Psicanalítico como Modo de Subjetivação em Contextos Neoliberais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/2176-6665.2020v25n3p695

Palavras-chave:

Psicanálise Lacaniana, Subjetivação, Individualismo, Neoliberalismo

Resumo

Este artigo busca entender o processo de construção de um modo subjetivação implícito na concepção de sujeito desejante produzida pela teoria psicanalítica lacaniana e operacionalizada pelos psicanalistas no processo terapêutico. Por meio da análise dos dados recolhidos em etnografia realizada em instituições lacanianas de formação de psicanalistas, o objetivo aqui é apreender como estes psicanalistas concebem a articulação entre teoria e clínica psicanalítica, como tal articulação resulta em uma concepção específica de pessoa que orienta a produção de realidades psicológicas. A terapêutica direciona o gerenciamento da vida/saúde a partir de conceitos como falta estrutural, singularidade e responsabilização, que são mobilizados pelos psicanalistas e incorporados pelos analisantes no modo de compreensão de si. Argumenta-se a relação da psicanálise com o sistema de pensamento neoliberal, uma vez que mobiliza certa noção de pessoa presente nas sociedades ocidentais, a saber, o indivíduo autônomo, livre, porém em incessante busca por satisfação. A psicanálise se mostra não só como reflexo do contexto social no qual se insere, como espaço de elaboração de seus mecanismos de agenciamentos. Com isso, se evidencia, através da etnografia, os processos de individuação presentes no modo de subjetivação inerente aos contextos neoliberais.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Carolina Araujo Antonio, Universidade Estadual de Londrina (DCS-UEL) - Londrina - PR

Doutorado  em Antropologia Social pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCAR. Professora  da Universidade Estadual de Londrina - UEL.

Referências

ANTONIO, Maria Carolina de Araujo. A ética do desejo: estudo etnográfico da formação de psicanalistas em escolas lacanianas de psicanálise. 297f. 2015. Tese de Doutorado. Tese (Doutorado em Antropologia Social), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

BRIJNATH, Bianca; ANTONIADES, Josefine. I'm running my depression: self-management of depression in neoliberal Australia. Social Science & Medicine, Oxford, v. 152, p. 1-8, 2016.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

CARVALHO, Sérgio Resende. Governamentalidade, ‘sociedade liberal avançada’ e saúde: Diálogos com Nikolas Rose (Parte 1). Interface, Botucatu, v. 19, p. 647-658, 2015.

CASTEL, Robert. A gestão dos riscos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1987.

CASTEL, Robert. O psicanalismo. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

CLARKE, John. New Labour’s citizens: activated, empowered, responsibilized, abandoned? Critical Social Policy, London, v. 25, n. 4, p. 447-463, 2005.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Deleuze e Guattari explicam-se. In: DELEUZE, Gilles. A ilha deserta e outros textos. São Paulo: Iluminuras, 2006. p. 277-292.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 2. Rio de Janeiro: Ed, v. 34, 1996.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O anti-édipo. São Paulo: Ed.34, 2010.
DUMONT, Louis. Homo Aequalis: gênese e plenitude da ideologia econômica. São Paulo: Edusc, 2000.

DUMONT, Louis. Homo hierarchicus: o sistema de castas e suas implicações. São Paulo: Edusp, 1992.

DUMONT, Louis. O individualismo: uma perspectiva antropológica da ideologia moderna. Rio de Janeiro: Rocco, 1985.

FINK, Bruce. O sujeito lacaniano: entre a linguagem e o gozo. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

FORBES, Jorge. Inconsciente e responsabilidade. 158f. Tese (Doutorado em Psicologia). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

FORTES, Meyer. Religion, morality and the person: essays on tallensi religion. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

FOUCAULT, Michel. Entrevista com Michel Foucault. O Globo, Seção Prosa. Enviado em 11.01.2014. (Entrevista concedida a Claudio Bojunga e Reinaldo Lobo em outubro de 1975), 1975. https://blogs.oglobo.globo.com/prosa/post/uma-entrevista-com-michel-foucault-520469.html#:~:text=asilo%2C%20a%20tortura.-,No%20ano%20em%20que%20se%20completam%20tr%C3%AAs%20d%C3%A9cadas%20da%20morte,explicar%20o%20presente%20pelo%20passado. Acesso em 03.fev.2014.

FOUCAULT, Michel. Lacan, o “liberatore” da psicanálise. Ditos e escritos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p. 329-330, 2002.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. 9. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010a.

FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos V: ética, sexualidade e política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

FOUCAULT, Michel. Do governo dos vivos: curso no Collège de France, 1979-1980: excertos. Tradução e transcrição de Nildo Avelino. 2. ed. São Paulo: Centro de Cultural Social: Rio de Janeiro: Achiamé, 2011.

FOUCAULT, Michel. História da loucura. São Paulo: Perspectiva. 2004.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de Saber. Rio de Janeiro: Graal. 1993.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, Michel. O governo de si e dos outros. São Paulo: Martins Fontes, 2010b.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert; RABINOW, Paul. (org.). Michel Foucault: uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2010c. p. 273-295.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FREUD, Sigmund. Uma dificuldade da psicanálise. In: FREUD, Sigmund. História de uma neurose infantil: (“O homem dos lobos”), além do princípio do prazer e outros textos (91917-1920). São Paulo: Cia das Letras, 2010.

GOLDMAN, Marcio. Uma categoria do pensamento antropológico: a noção de pessoa. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 83-109, 1999.

GUATTARI, Félix. Micorpolítica: cartografias do desejo.10. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

GUATTARI, Félix. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo: Brasiliense, 1985.

LACAN, Jacques. A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. In: LACAN, Jacques. Escritos. Rio de Janeiro: Zahar, 1998. p. 496-535.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 7: a ética na psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

LANNA, Marcos. Mauss e Marx. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 31., 2007, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: ANPOCS, 2007. mimeo.

LANNA, Marcos. Observações sobre a categoria “indivíduo” na obra de Malinowski. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, ano 9, n. 24, p. 122-132, 1994.

LAURENT, Eric. Congressos e livros discutem como lidar com a loucura na sociedade atual. O Globo, São Paulo, 1 maio 2011. Entrevista concedida a Viviane Nogueira. Disponível em: http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/congressos-livros-discutem-como-lidar-com-loucura-na-sociedade-atual-2776228. Acesso em: 3 jun. 2011.

LEENHARDT, Maurice. Do Kamo: person and myth in the Melanesian world. Chicago: Univ. Chicago Press, 1979.

LEMKE, Thomas. 'The birth of bio-politics': Michel Foucault's lecture at the Collège de France on neo-liberal governmentality. Economy and Society, London, v. 30, n. 2, p. 190-207, 2001.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Introdução à obra de Marcel Mauss. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. p.11-46.

LÉVY-BRUHL, Lucien. A mentalidade primitiva. São Paulo: Editora Paulus, 2008.

MASOTTA, Oscar. Introdução à leitura de Lacan. Campinas: Papirus, 1988.

MAUSS, Marcel. Uma categoria do espírito humano: a noção de pessoa, a noção do ‘eu’. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. p. 367-398.

MILLER, Jacques-Alain. Conferência de Jacques-Alain Miller em Comandatuba. 2004. Disponível em: http://2012.congresoamp.com/pt/template.php?file=Textos/Conferencia-de-Jacques-Alain-Miller-en-Comandatuba.html. Acesso em: 5 maio 2019.

RADCLIFFE-BROWN, Alfred Reginald. Estrutura e função na sociedade primitiva. Petrópolis: Vozes, 1973.

ROSE, Nicolas; MILLER, Peter. Governando o presente: gerenciando a vida econômica, social e pessoal. São Paulo: Paulus, 2012.

ROSE, Nikolas. A política da própria vida: Biomedicina, poder e subjetividade no século XXI. São Paulo: Paulus, 2013.

ROSE, Nikolas. Inventando nossos selfs: psicologia, poder e subjetividade. Petrópolis: Vozes, 2011.

RUSSO, Jane. O corpo contra a palavra: as terapias corporais no campo psicológico dos anos 80. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1993.

RUSSO, Jane. Os três sujeitos da psiquiatria. Cadernos do IPUB, Rio de Janeiro, n. 8, p.11-21, 1997.

SAFATLE, Vladimir. A paixão do negativo: Lacan e a dialética. São Paulo: Ed. Unesp, 2007.

SAHLINS, Marshall. Cosmologias do capitalismo: o setor transpacífico do “sistema mundial”. In: SAHLINS, Marshall. Cultura na prática. Rio de Janeiro, 2004b. p. 445-502.

SAHLINS, Marshall. The western illusion of human nature. Chicago: Prickly Paradigm Press, 2008.

SAHLINS, Marshall. Tristeza da doçura, ou a antropologia nativa da cosmologia ocidental. In: SAHLINS, Marshall. Cultura na prática. Rio de Janeiro, 2004a. p. 563-620.

SALEM, Tania. A despossessão subjetiva: dos paradoxos do individualismo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 7, n. 18, p. 62-77, 1992.

SAWYER, Anne-Maree. Risk and new exclusions in community mental health practice. Australian Social Work, Melbourne, v. 61, n. 4, p. 327-341, 2008.

SIMONDON, Gilbert. The genesis of the individual. In: CRARY, J.; KWINTER, S. (ed.). Incorporations: Zone 6. New York: Zone Books, 1992. p. 297-319.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

ANTONIO, M. C. A. O Processo de Individuação Psicanalítico como Modo de Subjetivação em Contextos Neoliberais. Mediações - Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 25, n. 3, p. 695–711, 2020. DOI: 10.5433/2176-6665.2020v25n3p695. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/39692. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos