Variação Linguística no Livro Didático do 1º ano do Novo Ensino Médio: na perspectiva da BNCC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1519-5392.2023v23n2p125-147

Palavras-chave:

Variações Linguísticas, Livro didático, Novo Ensino Médio

Resumo

Apresentamos neste estudo um olhar acerca do ensino de Língua Portuguesa (LP) sob a luz dos pressupostos da Sociolinguística. Para tanto, a nossa pesquisa envolve uma análise sobre os conteúdos propostos no livro didático do 1º ano do Novo Ensino Médio, de modo a suscitar reflexões em torno da consonância destes com as orientações enfatizadas em documentos de regulação curricular, a exemplo da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A escolha pelo material do primeiro ciclo dessa etapa da educação básica tem como justificativa o início da vigência do Novo Ensino Médio no corrente ano (2022), com a intenção de analisar se houve uma ampliação da abordagem sobre os tópicos de variação linguística apresentados nas duas coleções selecionadas. Desse modo, o aporte teórico desse conta com vozes de estudiosos como: Labov (2008), Mollica (2004), Bagno (2013), entre outros. Em termos metodológicos, o trabalho compreende uma abordagem qualitativa do tipo documental. Os resultados apontam seções do livro didático com conteúdos teóricos, ainda, limitados, assim como o escasso desenvolvimento das questões postas enquanto atividades.

Biografia do Autor

Catarina de Sena Sirqueira Mendes da Costa , UFPI

Possui mestrado em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina (1979), doutorado em Linguística peIa Universidade Estadual de Campinas (1989) e Pós-doutorado na UnB (2012). Atualmente, é professora Classe Associado, Nível IV, da Universidade Federal do Piauí, lotada no Departamento de Letras; e professora do quadro permanente do Mestrado Acadêmico em Letras. Foi presidente do GELNE ( Grupo de Estudos Linguísticos do Nordeste), no periodo de 1990 a 92. É sócio efetivo da ABRALIN (Associação Brasileira de Linguística), desde 1980 e do GELNE desde 1977. Coordena o Grupo de Pesquisa LES ( Linguagem, Escola e Sociedade) no CNPq. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Sociolinguística e com atuação em: variação linguística, alfabetização, oralidade, letramentos, pesquisa colaborativa, etnografia da comunicação e sociolinguística interacional

Jacqueline Wanderley Marques Dantas, Universidade Federal do Piauí

Doutoranda em Letras, área de Concentração : Estudos de Linguagem, pela Universidade Federal do Piauí . Possui Mestrado em Letras pela Universidade Federal do Piauí (2015); Especialização em Linguística pela Universidade Federal do Piauí (2006); Bacharelado em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual do Piauí (2000); Graduação em Letras Português pela Universidade Federal do Piauí (2004); Graduação em Letras Espanhol pela Universidade Estadual do Piauí (2013) e Licenciatura em Educação Especial pela UNINTER (2021). Atualmente é professora de Língua Portuguesa da Rede Estadual e Municipal de Ensino na cidade de Picos-PI. Tem experiência na área de Língua Portuguesa e Linguística com ênfase em Linguística Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: Concepções e Ensino de Leitura, Morfologia e Sintaxe da Língua Portuguesa e Ensino de Língua Espanhola.

Margareth Valdivino da Luz Carvalho, UFPI

É Mestra em Letras - Língua e Linguagem pela Universidade Federal do Piauí; Graduada em Letras - Português pela Universidade Estadual do Piauí; Possuo Bacharelado em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual do Piauí; Especialista em Docência do Ensino Superior pela Universidade Federal do Piauí; Especialista em Literatura Brasileira pela Universidade Regional do Cariri (URCA); Professora Efetiva de Português do Ensino Básico da Secretaria Estadual de Educação do Piauí; Tutora Presencial do Curso de Letras - Português da Universidade Aberta do Brasil - Pólo de Picos

Roberta Shirleyjany de Araújo, IFPI

Possui graduação em Letras - Português pela Universidade Estadual do Piauí (2008) e Mestrado em Letras - Estudos de Linguagem, pela Universidade Federal do Piauí (2011). Integra o grupo de pesquisa PROLETRAS, na UFPI, grupo de pesquisa em Língua e Linguagem, práticas multiletradas, delimitando os estudos sobre produção textual, leitura, teoria e prática. Possui experiência em Educação à distância, tendo atuado na EAD - UFPI, NEAD - UESPI e E-TEC - IFPI. Trabalhou como professora do quadro provisório da Universidade Federal do Piauí. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa, atuando principalmente nos seguintes temas: Leitura de textos multissemióticos; MEMES da Internet; Polissemia na rede social Twitter; Linguagem virtual.

Referências

APPOLINÁRIO, F. Dicionário de metodologia científica: um guia para a produção do

conhecimento científico. São Paulo, Atlas, 2009. In: Almeida, C. D. de; Guindani, J. F; Sá-Silva, J. R. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, São Leopoldo, jul. 2009. Disponível em: http://www.rbhcs.com/rbhcs/article/view/6. Acesso em: 10 jan. 2023.

ALKMIM, T. M. Sociolínguística. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (org.).Introdução à Linguística: domínios e fronteiras.- São Paulo: Cortez, 2001.

BAGNO, M. Sete erros aos quatro ventos: a variação linguística no ensino de português. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

BAGNO, M. Objeto língua. São Paulo: Parábola Editorial; 2019.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Portugal: Edições 70, 1977.

BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo, Perspetivas, 1974.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/portugues.pdf. Acesso em: Julho/2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 20 jul. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 20 jul. 2021.

CALVET, L. Sociolinguística: uma introdução crítica. Trad. de Marcos Marcionílio. São Paulo: Parábola, 2002

CARDOSO, S. H. B. Discurso e ensino. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

FARACO, C. A. Norma Culta Brasileira: desatando alguns nós. São Paulo, Parábola Editorial, 2008.

FILHO, C.M. et al. Práticas de linguagens: múltiplas vozes. 1 ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2020.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. Trad. de M. Bagno; M. M. P. Scherre; C. R. Cardoso. São Paulo: Parábola, 2008 [1972].

MOLLICA, M. C. Introdução à Sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2004.

MONTEAGUDO, H. Variação e norma linguística: subsídios para uma (re)visão. In BAGNO, Marcos; LAGARES, Xoán (org.). Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo: Parábola, 2011.

PAIVA, A. M. (org). Ser protagonista: a voz das juventudes – língua portuguesa – ensino médio. 1 ed. São Paulo: Edições SM, 2020.

SOARES, M. Linguagem e escola: uma perspectiva social. Serie Fundamentos. 7. ed. São Paulo: Ática, 1989.

TERRA, E. Linguagem, Língua e Fala. 3. ed. Edição Kindle. Paulo: Saraiva, 2018.

Downloads

Publicado

25-07-2023

Como Citar

COSTA , Catarina de Sena Sirqueira Mendes da; DANTAS, Jacqueline Wanderley Marques; CARVALHO, Margareth Valdivino da Luz; ARAÚJO, Roberta Shirleyjany de. Variação Linguística no Livro Didático do 1º ano do Novo Ensino Médio: na perspectiva da BNCC. Entretextos, Londrina, v. 23, n. 2, p. 125–147, 2023. DOI: 10.5433/1519-5392.2023v23n2p125-147. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/entretextos/article/view/47783. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos