Manifestações destivas: leitura e representação

Autores

  • André Aparecido Garcia Faculdade de Educação – Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.5433/boitata.2010v5.e31154

Palavras-chave:

Festa, Literatura Brasileira, Representações Sociais

Resumo

Este artigo busca compreender, por meio das obras A Moreninha e Memórias de um Sargento de Milícias, como os autores Macedo e Manoel de Almeida representaram o comportamento social de suas personagens quando estas estão envolvidas em manifestações festivas. Os dois romancistas apresentam personagens que se relacionam de formas diferentes num espaço festivo. O primeiro descreve as relações sociais numa festa de Batizado; enquanto o segundo um Sarau. Seguindo os caminhos propostos por Chartier, busco compreender a festa não como o território do pitoresco ou do anedótico, mas como lugar revelador das clivagens, tensões e representações que atravessam uma sociedade.

Biografia do Autor

André Aparecido Garcia, Faculdade de Educação – Unicamp

Doutorando pela Faculdade de Educação – Unicamp

Referências

ALMEIDA, Antonio de Almeida. Memórias de Um Sargento de Milícias. São Paulo: Editora Núcleo, 1995.

BAKHTIN, Mikhail. A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Tradução de Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec; Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2008.

BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Editora Cultrix LTDA, 1994.

CANDIDO, Antonio. A Formação da Literatura Brasileira. 2 vol. Rio de Janeiro: Ed. Itatiaia Limitada, 1997.

CANDIDO, Antonio. Leitura e leitores na França do Antigo Regime. Tradução de Álvaro Lorencini. São Paulo: Ed. Unesp, 1996.

FEBVRE, Lucian. O Problema da Descrença no Século XVI: a religião de Rabelais. Paris/Lisboa: Éditions Albin Michel/Editorial Inicio, 1970.

ELIAS, Nobert. A Sociedade de Corte. Lisboa: Ed. Estampa, 1986.

MACEDO, Joaquim de. A Moreninha. São Paulo: Ed. Martin Claret, 2005.

Downloads

Publicado

2017-10-09

Como Citar

Garcia, A. A. (2017). Manifestações destivas: leitura e representação. Boitatá, 5(9), 65–71. https://doi.org/10.5433/boitata.2010v5.e31154

Edição

Seção

Dossiê