Prevalência e fatores de risco da tuberculose bovina no Estado do Paraná, Brasil

Autores

  • Maria do Carmo Pessôa Silva Agência de Defesa Agropecuária do Paraná
  • Vítor Salvador Picão Gonçalves Universidade de Brasília
  • Ana Lourdes Arrais de Alencar Mota Universidade de Brasília
  • Mariza Koloda Agência de Defesa Agropecuária do Paraná
  • José Soares Ferreira Neto Universidade de São Paulo
  • José Henrique Hildebrand Grisi-Filho Universidade de São Paulo
  • Ricardo Augusto Dias Universidade de São Paulo
  • Marcos Amaku Universidade de São Paulo
  • Evelise Oliveira Telles Universidade de São Paulo
  • Fernando Ferreira Universidade de São Paulo
  • Marcos Bryan Heinemann Universidade de São Paulo
  • Amauri Alcindo Alfieri Universidade Estadual de Londrina
  • Ernst Eckehardt Muller Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0359.2016v37n5Supl2p3611

Palavras-chave:

Mycobacterium bovis, Paraná, Prevalência, Fatores de Risco.

Resumo

A tuberculose bovina é uma zoonose de ampla distribuição geográfica no mundo e seu controle tem impacto direto na saúde pública e na produção pecuária. Neste trabalho, estimou-se a prevalência aparente de rebanhos e de bovinos adultos infectados, assim como os fatores de risco associados à presença da tuberculose nos rebanhos do estado do Paraná. O estado foi dividido em sete regiões pecuárias para amostragem independente. No total foram amostradas 1.419 propriedades e testados 16.045 animais. A prova diagnóstica utilizada foi a tuberculinização intradérmica cervical comparada. A prevalência aparente em propriedades e em bovinos adultos no estado do Paraná foi estimada em 2,15% [IC 95%: 1,31–3,00] e 0,42% [IC 95%: 0,04–0,81], respectivamente. Em relação às prevalências estimadas por região do estado, foram observadas heterogeneidades, não foi possível afirmar com 95% de confiança que alguma região se destacou das demais em relação à presença da tuberculose bovina. A região Oeste não apresentou animais positivos na amostra e nas demais regiões as prevalências de rebanho e animais variaram entre 1,03% - 3,89% e 0,17% - 1,08%, respectivamente. O modelo de regressão logística múltipla identificou como fatores de risco associados à presença de tuberculose bovina, o aumento do tamanho de rebanho (OR = 2.4) e a existência de ordenha mecanizada na propriedade (OR = 5.18). Assim, os resultados demonstraram que a tuberculose bovina tem prevalência baixa na maioria das regiões do Estado do Paraná e sugerem que o risco da presença da infecção aumenta em rebanhos maiores e nas propriedades leiteiras com maior grau de tecnificação. Estes resultados permitem sugerir que o Paraná está em boas condições para introduzir sistemas de vigilância baseados em risco e para implementar programas de certificação de rebanhos livres, associados às indústrias de laticínios.

Biografia do Autor

Maria do Carmo Pessôa Silva, Agência de Defesa Agropecuária do Paraná

Médica Veterinária, Agência de Defesa Agropecuária do Paraná, ADAPAR. Divisão de Defesa Agropecuária, Gerência de Saúde Animal, Curitiba, Paraná, Brasil.

Vítor Salvador Picão Gonçalves, Universidade de Brasília

Prof., Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, UnB, Brasília, Brasil.

Ana Lourdes Arrais de Alencar Mota, Universidade de Brasília

Médica Veterinária, Doutora em Saúde Animal, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, UnB, Brasília, DF, Brasil.

Mariza Koloda, Agência de Defesa Agropecuária do Paraná

Médica Veterinária, Agência de Defesa Agropecuária do Paraná, ADAPAR. Divisão de Defesa Agropecuária, Gerência de Saúde Animal, Curitiba, Paraná, Brasil.

José Soares Ferreira Neto, Universidade de São Paulo

Prof., Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, SP, Brasil.

José Henrique Hildebrand Grisi-Filho, Universidade de São Paulo

Prof., Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, SP, Brasil.

Ricardo Augusto Dias, Universidade de São Paulo

Prof., Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, SP, Brasil.

Marcos Amaku, Universidade de São Paulo

Prof., Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, SP, Brasil.

Evelise Oliveira Telles, Universidade de São Paulo

Prof., Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, SP, Brasil.

Fernando Ferreira, Universidade de São Paulo

Prof., Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, SP, Brasil.

Marcos Bryan Heinemann, Universidade de São Paulo

Prof., Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, SP, Brasil.

Amauri Alcindo Alfieri, Universidade Estadual de Londrina

Prof., Departamento de Medicina Veterinária Preventiva, Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina, PR, Brasil.

Ernst Eckehardt Muller, Universidade Estadual de Londrina

Prof., Departamento de Medicina Veterinária Preventiva, Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina, PR, Brasil.

Downloads

Publicado

2016-11-09

Como Citar

Silva, M. do C. P., Gonçalves, V. S. P., Mota, A. L. A. de A., Koloda, M., Ferreira Neto, J. S., Grisi-Filho, J. H. H., … Muller, E. E. (2016). Prevalência e fatores de risco da tuberculose bovina no Estado do Paraná, Brasil. Semina: Ciências Agrárias, 37(5Supl2), 3611–3624. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2016v37n5Supl2p3611

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 > >>