Categorias Empíricas e Analíticas: Mães-Solo e Monoparentalidade Feminina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/2176-6665.2022v27n3e46283

Palavras-chave:

família, gênero, mãe solo, monoparentalidade, terminologias

Resumo

Neste artigo, enfocamos os impactos analíticos das formas de se nominar a monoparentalidade feminina em trabalhos que têm aderido à terminologia mãe solo, difundida nas redes sociais desde os anos 2010. A partir de uma revisão da produção bibliográfica, compreendendo o período de 2010 a 2019, argumentamos que a introdução da terminologia nos espaços acadêmicos parte das experiências de mulheres que estão nos lugares de produção do conhecimento, especialmente em graus iniciais de formação, e que deixam de tratar a categoria monoparentalidade exclusivamente como questão relativa ao “outro”, passando a abordá-la por meio da ótica de quem a vivencia. Sugerimos, a partir desta análise, a relevância em se problematizar a relação entre as terminologias acionadas pelas próprias pessoas para descreverem suas experiências parentais, as dimensões político-identitárias das tipologias de parentesco e as categorias analíticas mobilizadas nas pesquisas.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sabrina Finamori, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (2012). Docente do Departamento de Antropologia e Arqueologia e do Programa de Pós-graduação em Antropologia da UFMG.

Maria Alice Magalhães Batista, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais (2021). Mestranda em Antropologia pelo Programa de Pós-graduação em Antropologia da UFMG.

Referências

ACCORDI, Priscila Stoeberl. Gestar o bem social: a mãe e a criança como protagonistas na arquitetura. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

ALVAREZ, Sonia E. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista. Cadernos Pagu, Campinas, n. 43, p.13-56, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-8333201400430013

ALVES, Raquel Lustosa da Costa; SAFATLE, Yazmin B. dos Reis. Mães de micro: perspectivas e desdobramentos sobre cuidado no contexto da síndrome congênita do zika vírus (SCZV) em Recife/PE. Áltera Revista de Antropologia, Recife, v. 1, n. 8, p. 115-145, 2019. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.2447-9837.2019v1n8.42464

AREND, Carline Schröder. A luta pelo reconhecimento intersubjetivo em Axel Honneth e as políticas sociais de distribuição de renda: um estudo do Programa Bolsa Família. 2018. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2018.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BILAC, Elisabete Dória. Família: algumas inquietações. In: CARVALHO, Maria do Carmo Brant de (org.). A família contemporânea em debate. São Paulo: EDUC/Cortez, 2003. p. 29-38.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, p. 329-376, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-83332006000100014

CAIM, Aline Campos. Mineração e gênero: uma avaliação das políticas de responsabilidade social corporativa do setor mineral brasileiro. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2019.

CANCIANI, Pamela. Sapatão é resistência!: (in)visibilidade lésbica, identidade e os direitos humanos?. 2017. Dissertação (Mestrado em Direitos Humanos) – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, 2017.

CARVALHO, Talita Zanetti de. A disputa por sentidos nos discursos sobre o aborto no Brasil: entre inocentes e culpadas. 2019. Dissertação (Mestrado em Linguística) -Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2019.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CAVALCANTI, Céu; SANDER, Vanessa. Contágios, fronteiras e encontros: articulando analíticas da cisgeneridade por entre tramas etnográficas em investigações sobre prisão. Cadernos Pagu, Campinas, n. 55, p. 1-32, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/18094449201900550007

CHAVES, Arlane. Mulheres menopausadas: percepções e sentimentos a respeito de não ter gerado filhos. 2019. Dissertação (Mestrado em Ensino em Ciência e Saúde) – Universidade Federal do Tocantins, Palmas, 2019.

CHODOROW, Nancy. The reproduction of mothering: psychoanalysis and the sociology of gender. Berkeley: University of California Press, 1978. DOI: https://doi.org/10.1525/9780520924086

COLLINS, Patricia Hill. As mulheres negras e a maternidade. In: COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.

CORREA, Mariza. Repensando a família patriarcal brasileira. Cadernos de pesquisa, São Paulo, n. 37, p. 5-16, 1981.

COSTA, Fernanda Alves da. O dilema de Wollstonecraft: feminismo e cidadania no projeto democrático de Chantal Mouffe. 2018. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.

COSTA, Mariana. O perfil das usuárias da Casa de Apoio Viva Maria e as estratégias de enfrentamento das assistentes sociais frente à violência doméstica na perspectiva de prevenção do feminicídio. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Serviço Social) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019.

DIAS, Nidilaine Xavier. O campo científico da saúde global na América Latina: um estudo crítico sobre um campo polissêmico (2007-2019). 2018. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

FERREIRA, Carolina de Castro. Feminismos web: linhas de ação e maneiras de atuação no debate feminista contemporâneo. Cadernos Pagu, Campinas, n. 44, p. 199-228, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-4449201500440199

FONSECA, Claudia. Família, fofoca e honra. Porto Alegre: UFRGS, 2004.

FREITAS, Regiany Silva de. História de mulheres da periferia: construindo identidades discursivas de (re)existência. 2018. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. São Paulo: Dp&a, 2006.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, n. 5, p. 7-41, 1995.

LACERDA, Luciano Pachêco de. Homoparentalidade masculina e maternidade. 2017. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

LAUXEN, Jéssica. “Não é normal eu não amar meu filho”: significados de maternidades e sujeito-mãe em duas instâncias midiáticas. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) – Universidade Federal do Rio Grande, 2018.

LAVOR, Luisa de. Discriminação entre mulheres e redes de apoio feminino no trabalho. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Administração) – Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

LEFAUCHEUR, Nadine; MARTIN, Claude. Lone parent families in france: situation and research. In: HUDSON, Joe; GALAWAY, Burt (ed.). Single parent families: perspectives on research and policy. Toronto: TEP, 1993.

LIMA, Kelly Diogo de. Vivências de mulheres negras na assistência ao parto: vulnerabilidades e cuidados. 2018. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2018.

LUZ, Vanessa de Oliveira da. O lugar da mulher pertencente à classe trabalhadora na sociedade brasileira. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Serviço Social) – Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2019.

MACHADO, Laura. Avaliação ex ante da política setorial de mobilidade urbana brasileira e de planos de mobilidade urbana. 2019. Tese (Doutorado em Planejamento Urbano e Regional) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019.

MÃES solo: o que são o que comem onde vivem | Hel Mother. [S. l.: s. n.], 2016. 1 vídeo (8 min 43 seg). Publicado pelo canal HEL. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=IeCFUYGPt8s. Acesso em: 15 dez. 2022.

MAIS de 4 anos de saudades. [S. l.]: Instituto Marielle Franco, [2022]. Disponível em: https://www.mariellefranco.com.br/. Acesso em: 14 dez. 2022.

MEDRADO, Andrea Meyer; MULLER, Ana Paula. Ativismo digital materno e feminismo interseccional: uma análise da plataforma de mídia independente cientista que virou mãe. Brazilian Journalism Research, Brasília, v. 14, n. 1, p. 174-201, 2018. DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v14n1.2018.1055

MELLO, Caroline Balduci de. Maternidade compulsória: uma revisão do que significa a maternidade sob o ponto de vista do feminismo. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Comunicação Social) – Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2017.

MELO, Flávia Valéria Cassimiro Braga. Etnografia virtual e gênero: masculinidades, cultura e poder na contemporaneidade brasileira. Emblemas, Catalão, v. 15, n. 2, p. 80-94, 2018.

O’REILLY, Andrea. Matricentric feminism: theory, activism, and practice. Ontario: Demeter Press, 2016.

OLIVEIRA, Mariana Barbosa de. “Solidão afetiva” da mulher negra: um estudo sobre família, raça e gênero. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Sociologia) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019.

PULHEZ, Mariana Marques. Mulheres mamíferas: práticas da maternidade ativa. 2015. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

RAMOS, Carlos Eduardo; PEIXOTO, Wellen Crystine Lima. O direito à creche universitária: desafios da permanência de mães no ensino superior público: desafios da permanência de mães no ensino superior público. Zona de Impacto, Maceió, v. 2, p. 57-87, 2018.

RICH, Adrienne. Of woman born: motherhood as experience and institution. New York: W. W.Norton & Company, 1976.

RUDDICK, Sarah. "Maternal thinking". In: THORNE, Barrie; YALOM, Marilyn (org.). Rethinking the family: some feminist questions. Boston: Northeastern University Press, 1992. p. 76-94.

SANTOS, Jussara Nascimento dos. Infância negra e mídias digitais: uma análise de canais do youtube realizados por meninas negras. 2018. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2018.

SANTOS, Ketlin Cristine de Mattos dos. Quando me vi só: livro-reportagem com relatos de mães solteiras. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Jornalismo) – Centro Universitário Autônomo do Brasil, Curitiba, 2017.

SANTOS, Miriam Cristina dos. Políticas da afetividade na literatura negro-brasileira. In: GOMES, Carlos Magno; RAMALHO, Christina Bielinski; CARDOSO, Ana Maria Leal (org.). Escritas de resistência: intersecções feministas da literatura. Aracajú: Criação Editora, 2019. p. 49-62.

SANTOS, Raíssa Francisco; ROSSETTO, Edna Rodrigues Araújo. Feminismo, culturas infantis, gênero e raça: uma reflexão sobre ser menina negra: uma reflexão sobre ser menina negra. Zero-a-seis, Florianópolis, v. 20, n. 37, p. 157-169, 2018. DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n37p157

SARAIVA, Vanessa Cristina dos Santos. Direito à convivência familiar crianças e adolescentes: limites e desafios enfrentados face ao racismo institucional. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM SERVIÇO SOCIAL, 16., 2018, Vitória. Anais Eletrônicos [...]. Vitória: ABEPSS, 2018. p. 1-15.

SARTI, Cynthia. A família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. Campinas: Autores Associados, 1995.

SCHNEIDER, Raquel. Hel Mother: contribuições do YouTube a novas correntes do imaginário da maternidade. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISAS EM MIDIATIZAÇÃO E PROCESSOS SOCIAIS, 2., 2018, São Leopoldo. Anais Eletrônicos [...]. São Leopoldo: PPGCC UNISINOS, 2018. p. 1-14. v. 1. Disponível em: https://midiaticom.org/anais/index.php/seminario-midiatizacao-artigos/article/view/209. Acesso em: 15 dez. 2022.

SCOTT, Joan W. A invisibilidade da experiência. Projeto História, São Paulo, v. 16, p. 297-325, 1998.

SCOTT, Parry. Famílias brasileiras: poderes, desigualdades e solidariedades. Recife: Universitária da UFPE, 2011.

SILVA NETTO, Manuel Camelo Ferreira da; DANTAS, Carlos Henrique Félix; FERRAZ, Carolina Valença. O dilema da “produção independente” de parentalidade: é legítimo escolher ter um filho sozinho?. Revista direito GV, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 1106-1138, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/2317-6172201841

SILVA, Caroline Guimarães; CASSIANO, Kátia Kelvis; CORDEIRO, Douglas Faria. Mãe solo, feminismo e Instagram: análise descritiva utilizando mineração de dados. In: CONGRESSO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NA REGIÃO CENTRO-OESTE, 21., 2019, Goiânia. Anais Eletrônicos [...]. Goiânia: UFG, 2019. p. 1-14.

SILVA, Jadiele Cristina Berto da. “Quantas anônimas guerreiras brasileiras!”: a luta das mulheres negras nas comunidades quilombolas de Ipiranga e Gurugi - Paraíba. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Geografia) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2018.

SILVA, Kelly Santos da. Moda: significados da indumentária na construção das identidades faveladas. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em História da Arte) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

SIRINO, Tallyssa Izabella Machado. Canetas roubadas de Carolinas que rexistem. 2019. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2019.

SOUZA, Ana Luiza de Figueiredo. “Maternidade real” nas mídias sociais: particularidades, tensões e novas imagens maternas. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 12., 2021, Florianópolis. Anais eletrônicos [...]. Florianópolis: UFSC, 2021. p. 1-11.

SOUZA, Herbert Geraldo de. Mães em situação de violência doméstica: fragmentos da clínica. 2016. Dissertação (Mestrado em Promoção da Saúde e Prevenção da Violência) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

VIEIRA, Alessandra Grunow; OSTETTO, Lucy Cristina. “Acabem com o tormento das festas de dia das mães na escola, aproveitem e cancelem a do dia dos pais também”: o olhar das professoras sobre as datas comemorativas no ensino fundamental. Revista Saberes Pedagógicos, Criciúma, v. 2, n. 2, 2018. DOI: https://doi.org/10.18616/rsp.v2i2.4245

VITORELLO, Márcia Aparecida. A mãe na dobradiça: a função educativa da maternidade em famílias monoparentais femininas contemporâneas. 2013. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

WOORTMANN, Klaas; WOORTMANN, Ellen. Monoparentalidade e chefia feminina: conceitos, contextos e circunstâncias. Série Antropologia, Brasília, n. 354, 2004.

Downloads

Publicado

2022-12-20

Como Citar

FINAMORI, S.; BATISTA, M. A. M. Categorias Empíricas e Analíticas: Mães-Solo e Monoparentalidade Feminina. Mediações - Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 27, n. 3, p. 1–19, 2022. DOI: 10.5433/2176-6665.2022v27n3e46283. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/46283. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)