"Eles estão por todos os lugares”: Reflexões e Apontamentos a partir da circulação de pessoas em situação de rua

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/2176-6665.2022v27n3e44708

Palavras-chave:

Situação de Rua, Circulação, Volta Redonda, Redes de acolhimento

Resumo

Viver em situação de rua é viver em circulação, “habitando todos os espaços” sem, contudo, permanecer em algum deles. Os sujeitos que vivenciam o espaço das ruas reconfiguram as noções de casa e evidenciam o descompasso e a fragilidade das instituições. O presente artigo tem como objetivo fazer apontamentos sobre a centralidade da circulação na vida de pessoas em situação de rua, destacando principalmente as formas de se ganhar e reproduzir a vida. Temos como chave analítica breves notas etnográficas de trabalhos de campo ainda em desenvolvimento em Volta Redonda, município localizado no sul do Estado do Rio de Janeiro, trazendo as primeiras impressões sobre o circular e permanecer a partir de uma média cidade. Entendemos, por fim, que as formas de assistência, acesso a equipamentos de saúde e de tratamentos possibilitam condições mínimas de um cotidiano fragmentado, mas que também apontam para uma forma indireta de abandono desta minoria indesejada, evidenciando também que estes sujeitos “estão por todos os lugares” – o paradoxo do visível e invisível tratado pelos estudos da situação de rua.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Nildamara Theodoro Torres, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2019). Doutoranda junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Ananda da Silveira Viana, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Mestrado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2020). Doutoranda em Sociologia junto ao Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

BRONZO, Carla; OLIVEIRA, Breynner R.; CIRENO, Flávio; ARAÚJO, Edgilson Tavares de; JANNUZZI, Paulo. Auxílio Brasil não é o Bolsa Família melhorado: um salto no abismo e o desmonte da proteção social no Brasil. Estadão, São Paulo, 3 nov. 2021. Disponível em: https://politica.estadao.com.br/blogs/gestao-politica-e-sociedade/auxilio-brasil-nao-e-o-bolsa-familia-melhorado-um-salto-no-abismo-e-o-desmonte-da-protecao-social-no-brasil/. Acesso em: 22 nov. 2022.

CARRICONDE, Raquel Martini. “Cair na rede”: circulações desde os abrigos da cidade. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

CASTEL, Robert. As armadilhas da exclusão. In: BÓGUS, Lucia; YAZBEK, Maria Carmelita; BELFIORE-WANDERLEY, Mariangela (org.). Desigualdade e a questão social. São Paulo: EDUC, 2000. p. 235-264.

CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes, 1998.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 2002. v. 2.

DAS, Veena; POOLE, Deborah. El estado y sus margenes. etnografias comparadas. Cadernos de Antropologia Social, Buenos Aires, n. 27, p. 19-52, 2008.

ESCOREL, Sarah. Vidas ao léu. trajetórias de exclusão social. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1999. DOI: https://doi.org/10.7476/9788575416051

FERNANDES, Adriana. Quando os vulneráveis entram em cena: estados, vínculos e precariedades em abrigos. In: BARROS, Joana; COSTA, André; RIZEK, Cibele (org.). Os limites da acumulação, movimentos e resistência nos territórios. São Carlos: USP, 2018.

FONTES, Ângela Maria Mesquita; LAMARÃO, Sérgio Tadeu de Niemeyer. Volta Redonda: história de uma cidade ou de uma usina?. Revista Rio de Janeiro, Niterói, v. 1, n. 4, p. 15-23, 1986.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 27 ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

FRANGELLA, Simone. Corpos urbanos errantes: uma etnografia da corporalidade de moradores de rua em São Paulo. São Paulo: Fapesp, 2010.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva. 1974.

GREGORI, Maria Filomena. Viração: experiências de meninos nas ruas. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

LIMA, Raphael Jonathas da Costa. A “reinvenção” de uma cidade industrial: Volta Redonda e o pós- privatização da companhia siderúrgica nacional. 249f. 2010. Tese (Doutorado em Sociologia e Antropologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

MACHADO, Carly. Presos do lado de fora: comunidades terapêuticas como zona de exílio urbano. In: FIORE, Mauricio; RUI, Taniele (org.). Comunidades terapêuticas no Brasil. Brooklyn: Social Science Research Council, jun. 2021.

MALLART, Fábio; RUI, Taniele. Cadeia ping-pong: entre o dentro e o fora das muralhas. Pontourbe, São Paulo, n. 21, 2017. DOI: https://doi.org/10.4000/pontourbe.3620

MARTINEZ, Mariana Medina. A gestão da saúde nos registros: empreendimentos para construir redes. AVA, Tucumán, v. 26, 2015.

MARTINEZ, Mariana. O consultório na rua e as novas formas de intervenção em cenários de uso de crack: o caso de São Bernardo do Campo. In: RUI, Taniele; MARTINEZ, Mariana; FELTRAN, Gabriel (org.). Novas faces da vida nas ruas. São Carlos: EdUFSCar, 2016. p. 281-301.

META INSTITUTO DE PESQUISA DE OPINIÃO. Pesquisa nacional sobre a população em situação de rua. [S. l.]: WWP, 2008.

MOTTA, Eugênia. Houses and economy in the favela. Vibrant, Brasília, DF, v. 11 n. 1. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S1809-43412014000100005

NEVES, Delma. Habitantes de rua e vicissitudes do trabalho livre. Antropolítica (UFF), v. 2, p. 100-130, 2011.

OLIVEIRA, Luciano Freitas de. A construção das “populações-alvo” nas políticas públicas o caso dos moradores de rua em São Carlos/SP. In: RUI, Taniele; MARTINEZ, Mariana; FELTRAN, Gabriel (org.). Novas faces da vida nas ruas. São Carlos, EdUFSCar, 2016. p. 67-88.

RIO DE JANEIRO (Estado). Ministério Público. A tutela da população em situação de rua: cartilha de orientação. Rio de Janeiro: Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania, [2022]. Cartilha de Apoio. Disponível em: https://www.mprj.mp.br/documents/20184/25421/cartilha_tutela_populacao_situacao_rua_para_grafica_2.pdf. Acesso em: 22 nov. 2022.

RUI, Taniele. Nas tramas do crack: etnografia da abjeção. São Paulo: Terceiro Nome, 2014.

SILVA, Carlos. Viração: o comercio informal dos vendedores ambulantes. In: CABANES, Robert; GEORGES, Isabel; RIZEK, Cibele; TELLES, Vera (org.). Saídas de emergência: ganhar/perder a vida na periferia de São Paulo. São Paulo: Boitempo Editorial, 2011.

SILVA, Thiago Lemões da. Família, rua e afeto: etnografia dos vínculos familiares, sociais e afetivos de homens e mulheres em situação de rua. 2012. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2012.

SIMÕES JUNIOR, José Geraldo. Moradores de rua. São Paulo: PÓLIS, 1992.

TEIXEIRA, Mirna Barros; BELMONTE, Pilar; ENGSTROM, Elyne Montenegro; LACERDA, Alda. Os invisibilizados da cidade: o estigma da população em situação de rua no Rio de Janeiro. SAÚDE DEBATE, Rio de Janeiro, v. 43, n. 7, p. 92-101, 2019. DOI 10.1590/0103-11042019S707. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042019s707

VEIGA, Sandra Mayrink; FONSECA, Isaque. Volta Redonda, entre o aço e as armas. Petrópolis: Vozes, 1990.

Downloads

Publicado

2022-12-12

Como Citar

TORRES, N. T.; VIANA, A. da S. "Eles estão por todos os lugares”: Reflexões e Apontamentos a partir da circulação de pessoas em situação de rua. Mediações - Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 27, n. 3, p. 1–18, 2022. DOI: 10.5433/2176-6665.2022v27n3e44708. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/44708. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento