Liminal ao liminoide: em brincadeira, fluxo e ritual - um ensaio de simbologia comparativa

Autores

  • Victor Turner

DOI:

https://doi.org/10.5433/2176-6665.2012v17n2p214

Palavras-chave:

Simbologia comparativa, Ritos, Brincadeiras, Liminal e liminoide, Cultura

Resumo

A partir da discussão da simbologia comparativa, que não deve ser confundida com a antropologia simbólica, ficando dela distante, objetiva-se tomar o símbolo como evento, e não como coisa, pois ele tem mais a ver com uma dimensão semântica, que remete ao significado na linguagem e no contexto. Desse ponto de vista, o símbolo ritual torna-se um fator de ação social, com um potencial criador ou inovador da ação humana. As ações de cultura expressiva possuem caráter de sistemas semânticos dinâmicos, ganhando e perdendo significados, pois “viajam através” de um rito ou obra de arte. Entre fenômenos liminares e liminoides, ritos e brincadeiras, pensam-se os subsistemas da cultura expressiva para refletir sobre as experiências de communitas e de flow (fluxo), quando observamos o envolvimento total da pessoa naquilo que ela faz.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Victor Turner

A partir da discussão da simbologia comparativa, que não deve ser confundida com a antropologia simbólica, ficando dela distante, objetiva-se tomar o símbolo como evento, e não como coisa, pois ele tem mais a ver com uma dimensão semântica, que remete ao significado na linguagem e no contexto. Desse ponto de vista, o símbolo ritual torna-se um fator de ação social, com um potencial criador ou inovador da ação humana. As ações de cultura expressiva possuem caráter de sistemas semânticos dinâmicos, ganhando e perdendo significados, pois “viajam através” de um rito ou obra de arte. Entre fenômenos liminares e liminoides, ritos e brincadeiras, pensam-se os subsistemas da cultura expressiva para refletir sobre as experiências de communitas e de flow (fluxo), quando observamos o envolvimento total da pessoa naquilo que ela faz.

Referências

ABRAHAMS, Roger; BAUMAN, Richard.Ranges of Festival Behavior. In: SYMPOSIUM ON FORMS OF SYMBOLIC INVERSION. AMERICAN ANTHROPOLOGICAL ASSOCIATION, 6., 1972, Toronto. Anals. Toronto, dec. 1. 1972.

BARTHES, Roland. Elements of Semiology. London: Jonathan Cape, 1967.

BEAL, Samuel. Travel of Fah-Hian and Sung-Yun.London: Susil Gupta, 1964. Primeira Edição, 1869.

ALCSIKSZENTMIHYI, Mihaly. Flow:Studies of Enjoyment. University of Chicago, PHS Grant Report, 1974.

ALCSIKSZENTMIHYI, Mihaly. Play and Intrinsic Reward. Journal of Humanistic Psycology, 1975. Páginas do manuscrito não publicado, 1972.

ALCSIKSZENTMIHYI, Mihaly. Beyond Boredom and Anxiety: The experience of Play in Work and Games. San Francisco: Jossey-Bass, 1975.

DANIELOU, Alain. Hindu Polytheism. New York: Bollinger Foundation, 1964.

DUMAZEDIER, Joffre. Le Loisir et la ville. Paris: Editions du Seuil, 1962.

DUMAZEDIER, Joffre. Article on “Leisure”. In: SILLS, David (ed.), Encyclopedia of the Social Sciences. New York: Macmillan and Free Press, p. 248-253, 1968.

GENNEP, Arnold van. The Rites of Passage.London: Routledge and Kegan Paul, 1960. Primeira Edição, 1909.

GRAZIA, Sebastian de. Of Time, Work, and Leisure. New York: Twentieth Century Fund, 1962.

GURVITCH, Georges. Mass, Community, Communion. Journal of Philosophy. August, 1941.

NIKHILANANDA, Swami. The Bhagavad Gita. New York: Ramakrisna-Vivekananda Center, 1969.

NORBECK, Edward. Man at Play. Play, a Natural History Magazine Supplement, p. 48-53, dec. 1971.

PIAGET, Jean. Play, Dream, and Imitation. New York: Norton, 1962.

SINGER, Milton. When a Great Tradition Modernizes. New York: Prarger, 1972.

SUTTON-SMITH, Brian. Games of Order and Disorder. In: SYMPOSIUM ON FORMS OF SYMBOLIC INVERSION. AMERICAN ANTHROPOLOGICAL ASSOCIATION, Toronto, December 1, 1972.

TURNER, Victor. Schism and Continuity. Manchester: Manchester University Press, 1957.

TURNER, Victor. The Forest of Symbols. Ithaca: Cornell University Press, 1967.

TURNER, Victor. The Ritual Process. Chicago: Aldine, 1969.

TURNER, Victor. Drama, Fields, and Metaphors. Ithaca: Cornell University Press, 1974.

WATSON, William. Social Mobility and Social Class in Industrial Communities. In: GLUCKMAN, Max (ed.), Closed Systems and Open Minds. Edinburgh: Oliver and Boyd, 1965.

Downloads

Publicado

2012-12-31

Como Citar

TURNER, V. Liminal ao liminoide: em brincadeira, fluxo e ritual - um ensaio de simbologia comparativa. Mediações - Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 17, n. 2, p. 214–257, 2012. DOI: 10.5433/2176-6665.2012v17n2p214. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/14343. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos