(Contra)Cânones em perspectiva: terminologia e seleção na literatura e na escola

Autores

  • Silmara Rodrigues Universidade Federal da Paraíba
  • Luciane Alves Santos Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2019v37p94

Palavras-chave:

Cânones, Contracânones, Ensino de literatura

Resumo

De meados do século XX ao contemporâneo presente, os estudos culturais emergem como campo de conhecimentos em universidades europeias e dos EUA, ressoando depois no Brasil e ampliando a transversalidade de fronteiras e as ambivalências entre áreas do saber, construções conceituais e percepções de conjunturas socioculturais. Sob tal prisma, os estudos literários retomam a composição cânone/não-cânone como um dínamo tanto para um exercício de compreensão desses conceitos quanto para uma crítica analítica e da recepção de textos em instâncias tradicionais, como a educacional. Considerando esse cenário, o escopo deste trabalho é abordar a categorização tripartida proposta por David Damrosch (2006) para o cosmos literário canônico – hypercanon, countercanon e shadow canon – e, para isso, são também apresentados o contexto histórico (pós-)moderno, a partir de Marshall Berman (1986) e Terry Eagleton (1998), e o sistema de ensino como uma das estruturas tradicionais de legitimação literária, de acordo com Márcia Abreu (2006) e Blanca-Ana Roig Rechou (2010).

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Silmara Rodrigues, Universidade Federal da Paraíba

Mestre em Letras pela Universidade Federal da Paraíba. Professora efetiva de língua portuguesa da rede municipal de ensino de João Pessoa/PB.

Luciane Alves Santos, Universidade Federal da Paraíba

Mestre em Estudos Literários pela - Unesp - FCL/Araraquara. Doutora em Letras pela Universidade de São Paulo. Professora na Universidade Federal da Paraíba.

Referências

ABREU, Márcia. Cultura letrada: literatura e leitura. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

BERMAN, Marshall. Introdução: Modernidade – ontem, hoje e amanhã. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. Trad. Carlos Felipe Moisés; Ana Maria L. Ioriatti. São Paulo: Companhia das Letras, 1986, pp. 15-36.

CALVINO, Ítalo. Por que ler os clássicos. Por que ler os clássicos. 2. ed. Trad. Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, pp. 9-16.

CUNHA, Helena Parente. Cânone: dúvidas e ambiguidades. Scripta (Belo Horizonte), v.10, n.19, pp. 241-249, 2. sem. 2006. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/13978/10980>. Acesso em: 27 jun. 2018.

DALCASTAGNÈ, Regina. Um território contestado: literatura brasileira contemporânea e as novas vozes sociais. Iberic@l: Revue d’études ibériques et ibéro-américaines,(Paris), n.2, Automne 2012. Disponível em: <http://iberical.paris-sorbonne.fr/numeros/numero-2-automne-2012/>. Acesso em: 31 jan. 2017.

DAMROSCH, David. World Literature in a Postcanonical, Hypercanonical Age. Haun Saussy. Comparative Literature in an Age of Globalization. Baltimore: Johns Hopkins U.P., 2006, pp. 43-53.

EAGLETON, Terry. Prefácio. As ilusões do pós-modernismo. Trad. Elisabeth Barbosa. Rio de Janeiro: Zahar, 1998, pp. 5-7.

KLEIN, Kelvin Falcão. Cânone e exclusão. Em Tese (Belo Horizonte), v. 19, n. 2, pp. 111-121, ago.-out. 2013. Disponível em: <http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/emtese/article/view/4999/4699>. Acesso em: 27 jun. 2018

MUZART, Zahidé Lupinacci. A questão do cânone. Anuário de Literatura (Florianópolis), n. 3, pp. 85-94, 1995. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/5277/4657>. Acesso em: 26 jun. 2018.

ORTIZ, Renato. Estudos culturais. Tempo social (São Paulo), v. 16, n. 1: 119-127, jun. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702004000100007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 25 jun. 2018.

RECHOU, Blanca-Ana Roig. Educação literária e cânone literário escolar. Trad. João Luís Ceccantini. Letras de Hoje (Porto Alegre), v. 45, n. 3, pp. 75-79, jul./set. 2010. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/8124/5814>. Acesso em: 27 jun. 2018.

RUFFATO, Luiz. Literatura e cultura na América Latina. Revista Línguas e Letras (Cascavel), Número Especial, XIX CELLIP, 1º semestre 2011. Disponível em: <http://e-revista.unioeste.br/index.php/linguaseletras/article/view/5525/4197>. Acesso em: 25 jun. 2018.

SANTOS, Eloína Prati. A autoinclusão da literatura indígena contemporânea no cânone brasileiro: uma herança cultural a ser reconhecida. Revista Literatura em Debate, v. 12, n. 22, pp. 107-121, jan.-jul. 2018. Disponível em: <http://revistas.fw.uri.br/index.php/literaturaemdebate/article/view/2922/2531>. Acesso em: 27 jun. 2018.

ZILBERMAN, Regina. Leitura na escola: entre a democratização e o cânone. Revista Literatura em Debate (Frederico Westphalen), v. 11, n. 21, pp. 20-39, jul./dez. 2017. Disponível em: <http://revistas.fw.uri.br/index.php/literaturaemdebate/article/view/2704>. Acesso em: 24 jun. 2018.

ZOLIN, Lúcia Osana. A literatura de autoria feminina brasileira no contexto da pós-modernidade. Ipotesi (Juiz de Fora), v.13, n.2, pp. 105-116, jul./dez. 2009. Disponível em: <http://www.ufjf.br/revistaipotesi/edicoes-anteriores/v13n2/> Acesso em: 27 jun. 2018.

Downloads

Publicado

16-12-2019

Como Citar

RODRIGUES, S.; SANTOS, L. A. (Contra)Cânones em perspectiva: terminologia e seleção na literatura e na escola. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 37, p. 94–103, 2019. DOI: 10.5433/1678-2054.2019v37p94. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/33821. Acesso em: 28 maio. 2024.