Teste de deterioração controlada para avaliação do potencial fisiológico de sementes de milho doce

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0359.2021v42n3p949

Palavras-chave:

Envelhecimento artificial, Germinação, Vigor, Zea mays convar, Saccharata, Milhos especiais.

Resumo

A avaliação do potencial fisiológico de sementes de milho doce é essencial em um programa de controle de qualidade e, a escolha de testes de vigor com uma metodologia de análise adequada é fundamental para a obtenção de resultados confiáveis. Neste sentido, objetivou-se padronizar a metodologia do teste de deterioração controlada, por meio de combinações de tempo e temperatura, para avaliação do vigor de sementes de milho doce. Foram utilizados seis lotes de sementes de milho doce, caracterizados quanto o grau de umidade e o potencial fisiológico inicial por meio dos seguintes testes: germinação, primeira contagem da germinação, teste de frio, condutividade elétrica, envelhecimento acelerado, comprimento e massa seca de plântulas normais, emergência de plântulas em areia e índice de velocidade de emergência. Posteriormente, esses lotes tiveram o teor de água inicial ajustado para 20%, pelo método do substrato úmido. Em seguida, sementes dos seis lotes foram submetidas ao teste de deterioração controlada sob duas temperaturas, por quatro períodos, obtendo-se um delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 8 × 6, sendo 8 combinações de tempo/temperatura e 6 lotes. Após o teste de deterioração, foram avaliadas a germinação e a primeira contagem da germinação. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância com comparação de médias pelo teste de Tukey a 5% de significância e, por fim, os resultados dos testes de primeira contagem e germinação após a deterioração, foram submetidos a estudo de correlação linear simples, juntamente com os dados da caracterização inicial. As combinações 8h – 40°C e 8h – 45°C, no teste de deterioração controlada, foram eficientes na distinção do vigor dos lotes de sementes. O menor período de exposição e a primeira contagem da germinação, após a deterioração, são mais indicados para a avaliação do vigor de sementes de milho doce.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jéssica de Lucena Marinho, Universidade Estadual de Londrina

Discente do Curso de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Ciências Agrárias, Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina, PR, Brasil.

José Henrique Bizzarri Bazzo, Universidade Estadual de Londrina

Prof. Dr., Departamento de Agronomia, Centro de Ciências Agrárias, UEL, Londrina, PR, Brasil.

Claudemir Zucareli, Universidade Estadual de Londrina

Prof. Dr., Departamento de Agronomia, Centro de Ciências Agrárias, UEL, Londrina, PR, Brasil.

Inês Cristina de Batista Fonseca, Universidade Estadual de Londrina

Profa Dra, Departamento de Agronomia, Centro de Ciências Agrárias, UEL, Londrina, PR, Brasil.

Referências

Alves, C. Z., Godoy, A. R., Candido, A. C. S., & Sá, M. E. (2011). Qualidade fisiológica de sementes de Eruca sativa L. pelo teste de deterioração controlada. Ciência Rural, 41(12), 2090-2095. doi: 10.1590/S0103-84782011001200009

Association of Official Seed Analysts (2009). Seed vigor testing handbook. Lincoln: AOSA.

Barbieri, A. P. P., Menezes, N. L., Conceição, G. M., & Tunes, L. M. (2012). Teste de lixiviação de potássio para a avaliação do vigor de sementes de arroz. Revista Brasileira de Sementes, 34(1), 117-124. doi: 10. 1590/S0101-31222012000100015

Bento, S. R. S. O., Santos, A. E. O., Melo, D. R. M., & Torres, S. B. (2010). Eficiência dos testes de vigor na avaliação da qualidade fisiológica de sementes de mulungu (Erythrina velutina WILLD). Revista Brasileira de Sementes, 32(4), 111-117. doi: 10.1590/S0101-31222010000400012

Bernardes, P. M., Lopes, J. C., Zanotti, R. F., Motta, L. B., Mengarda, L. H. G., & Spadeto, C. (2015). Testes de deterioração controlada e de envelhecimento acelerado na avaliação da qualidade fisiológica de sementes de repolho. Nucleus, 12(1), 51-58. doi: 10.3738/1982.2278.1225

Bittencourt, S. R. M., & Vieira, R. D. (2006). Temperatura e período de exposição de sementes de milho no teste de envelhecimento acelerado. Revista Brasileira de Sementes, 28(3), 161-168. doi: 10.1590/S0101-31222006000300023

Camara, C. A., Araújo, J. C., Neto, Ferreira, V. M., Alves, E. U., & Moura, F. B. P. (2008). Caracterização morfométrica de frutos e sementes e efeito da temperatura na germinação de Parkia pendula (Willd.) Benth. Ex Walp. Ciência Florestal, 18(3), 281-290. doi: 10.5902/19805098439

Cícero, S. M., & Vieira, R. D. (1994). Teste de frio. In R. D. Vieira ,& N. M. Carvalho (Eds.), Testes de vigor em sementes (p. 151-164). Jaboticabal: FUNEP/UNESP.

Duarte, R. R., Borges, R. S., Costa, G. G. S., Silva, E. M., & Santos, J. M. (2017). Envelhecimento acelerado tradicional e alternativo em sementes de melancia. Revista de Agricultura Neotropical, 4(1), 119-123. doi: 10.32404/rean.v4i5.2207

Dutra, A. S., & Medeiros, S, Fº. (2008). Teste de deterioração controlada na determinação do vigor em sementes de algodão. Revista Brasileira de Sementes, 30(1), 19-23. doi: 10.1590/S0101-3122200800010 0003

Hampton, J. G., & Tekrony, D. M. (1995). Controlled deterioration test. In J. G. Hampton, & D. M. Tekrony, Handbook of vigour test methods (pp. 70-78). Zurich: International Seed Testing Association.

Kwiatkowski, A., & Clemente, E. (2007). Características do milho doce (Zea mays) para industrialização. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, 1(2), 93-103. doi: 10.3895/S1981-36862007000200010

Maguire, J. D. (1962). Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, 2(2), 176-177. doi: 10.2135/cropsci1962.0011183X000200020033x

Marcos, J., Fº. (1999). Teste de envelhecimento acelerado. In F. C. Krzyzanowski, R. D. Vieira, & J. B. França Neto (Eds.), Vigor de sementes: conceitos e testes (cap. 3, p. 1-24). Londrina: ABRATES.

Marcos, J., Fº. (2015). Fisiologia de sementes de plantas cultivadas (2a ed.). Londrina: ABRATES.

Marcos, J., Fº, Pescarin, H. M. C., Komatsu, Y. H., Demétrio, C. G. B., & Fancelli, A. L. (1984). Testes para avaliação do vigor de sementes de soja e suas relações com emergência de plântulas no campo. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 19(5), 605-613. Recuperado de http://seer.sct.embrapa.br/index.php/pab/ article/view/15720

Marinho, J. L., Fonseca, I. C. B., & Zucareli, C. (2020). Hydration methods and physiological potential of sweet corn seeds. Bioscience Journal, 36(4), 1283-1291. doi: 10.14393/BJ-v36n4a2020-47813

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (2009). Regras para análise de sementes. Brasília: MAPA/ACS. Recuperado de http://www.agricultura.gov.br/assuntos/laboratorios/arquivos-publicacoes laboratorio/regras-para-analise-de-sementes. pdf/view

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (2013). Instrução Normativa n° 45 de 2013. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/DAS/CSM. Recuperado de http://www. abrasem. com. br/wp-content/uploads/2012/10/Instru%C3%A7%C3%A3o-Normativa-n%C2%BA-45-de-17-de-Setembro-de-2013-Padr%C3%B5es-de-Identidade-e-Qualiidade-Prod-e-Comerc-de-Sementes-Grandes-Culturas-Republica%C3%A7%C3%A3o-DOU-20. 09. 13. pdf

Morais, C. S. B., & Rossetto, C. A. V. (2013). Testes de deterioração controlada e envelhecimento acelerado para avaliação do vigor em nabo forrageiro. Revista Ciência Agronômica, 44(4), 703-713. doi: 10.1590/ S1806-66902013000400006

Nakagawa, J. (1999). Testes de vigor baseados no desempenho de plântulas. In F. C. Krzyzanowski, R. D. Vieira, & J. B. França Neto (Eds.), Vigor de sementes: conceitos e testes (cap. 2, p. 1-24). Londrina: ABRATES.

Padilha, L., Vieira, M. G. G. C., Von Pinho, E. V. R., & Carvalho, M. L. M. (2001). Relação entre o teste de deterioração controlada e o desempenho de sementes de milho em diferentes condições de estresse. Revista Brasileira de Sementes, 23(1), 198-204. doi: 10.17801/0101-3122/rbs.v23n1p198-204

Parera, C. A., Cantlife, D. J., Stofella, P. J., & Scully, B. T. (1995). Field emergence of shrunken-2 corn predicted by single-and multiple-vigor laboratory tests. Journal of the American Society of Horticultural Science, 120(1), 128-132. doi: 10.21273/JASHS.120.1.128

Rossetto, C. A. V., Lima, T. M., & Guimarães, E. C. (2004). Envelhecimento acelerado e deterioração controlada em sementes de amendoim. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 39(8), 795-801. doi: 10.1590/ S0100-204X2004000800010

Santos, F., Trani, P. E., Medina, P. F., & Parisi, J. J. D. (2011). Teste de envelhecimento acelerado para avaliação da qualidade de sementes de alface e almeirão. Revista Brasileira de Sementes, 33(2), 322-330. doi: 10.1590/S0101-31222011000200015

Silva, J. B., & Vieira, R. D. (2010). Deterioração controlada em sementes de beterraba. Revista Brasileira de Sementes, 32(1), 69-76. doi: 10.1590/S0101-31222010000100008

Torres, S. B., Dantas, A. H., Pereira, M. F. S., Benedito, C. P., & Silva, F. H. A. (2012). Deterioração controlada em sementes de coentro. Revista Brasileira de Sementes, 34(2), 319-326. doi: 10.1590/S0101-31222012000200018

Torres, S. B., Gomes, M. D. A., Silva, F. G., Benedito, C. P., & Pereira, F. E. C. B. (2013). Controlled deterioration to evaluate okra seed vigor. Horticultura Brasileira, 31(2), 317-321. doi: 10.1590/S0102-05362013000200023

Zucareli, C., Brzezinski, C. R., Guiscem, J. M., Henning, F. A., & Nakagawa, J. (2014). Qualidade fisiológica de sementes de milho doce classificadas pela espessura e largura. Pesquisa Agropecuária Tropical, 44(1), 71-78. doi: 10.1590/S1983-40632014000100009

Zucareli, C., Cavariani, C., Sbrussi, C. A. G., & Nakagawa, J. (2011). Teste de deterioração controlada na avaliação do vigor de sementes de milho. Revista Brasileira de Sementes, 33(4), 732-742. doi: 10.1590/ S0101-31222011000400015

Downloads

Publicado

2021-03-19

Como Citar

Marinho, J. de L., Bazzo, J. H. B., Zucareli, C., & Fonseca, I. C. de B. (2021). Teste de deterioração controlada para avaliação do potencial fisiológico de sementes de milho doce. Semina: Ciências Agrárias, 42(3), 949–962. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2021v42n3p949

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 > >>