Letramento acadêmico crítico por meio de fichamentos: uma sequência didática à luz do interacionismo sociodiscursivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1519-5392.2023v23n1Espp234-253

Palavras-chave:

Letramento Acadêmico Crítico, Sequência Didática, Fichamento

Resumo

Considerando que os manuais de metodologia científica ofertam uma abordagem mecanicista para o trabalho com o gênero fichamento na sala de aula do Ensino Superior (ES), o objetivo deste artigo é apresentar uma sequência didática para a elaboração de fichamentos a partir do interacionismo sociodiscursivo (ISD), voltada a professores e estudantes do ES. Para tanto, apoiamo-nos em Bakhtin (2003) e entendemos o texto como um enunciado composto simultaneamente por discursos “já ditos” e por enunciados prefigurados pelo sujeito em contato com o “já dito”, numa relação dialógica. Quanto à metodologia, seguimos a estruturação da sequência didática atrelada à teoria dos gêneros textuais para ensino de língua materna, conforme os pressupostos de Dolz, Noverraz e Schneuwly (2004). A partir dos nossos resultados, argumentamos que a sequência didática ora apresentada contribui para a ressignificação do gênero fichamento por parte de estudantes e professores, os quais deixam de vê-lo como um fim em si mesmo, algo que precisa ser entregue ou preenchido, e passam a encará-lo como um aparato de acesso para transpor o nível meramente textual do “dito escrito” para adentrar o nível crítico da leitura acadêmica com aproveitamento científico, a qual envolve uma aproximação reflexiva com o “não dito/não escrito”.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Victoria Barboza de Castro Cunha, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Mestranda em Administração e Licencianda em Letras Inglês pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR - Câmpus Centro). Bacharela em Administração e Especialista em Tradução de Inglês pelo Centro Universitário Estácio de Ribeirão Preto (UNESA). Integrante dos Grupos de Pesquisa em Empreendedorismo Imigrante (UFF/UNIGRANRIO); Inovação, Tecnologia e Sustentabilidade (ITS/UTFPR); Estudos de Tradução: Multifaces e Multisemioses (Et-Multi/UFPA); e do Grupo de Trabalho GTA-PB (IFSP-São Carlos), que coordena ações de iniciação científica e extensão voltadas para letramento tecnológico, ensino computacional e robótica educacional.

Ana Paula Kuczmynda da Silveira, Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC)

É professora efetiva de língua portuguesa e língua inglesa no IFSC (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina), lotada no câmpus Gaspar. Possui mestrado e doutorado em Linguística obtido junto ao Programa de Pós-graduação em Linguística (2009 e 2013) da Universidade Federal de Santa Catarina, e graduação em Letras Inglês/Português realizada na Fundação Universidade Regional de Blumenau. É diretora-geral do IFSC - Câmpus Gaspar e líder do Grupo de Pesquisa em Multiculturalidade, Interseccionalidades e Formação de Professores. Desenvolve pesquisas na área de letramentos/multiletramentos em língua materna, ensino e aprendizagem de língua portuguesa como primeira língua e língua de acolhimento, educação bilíngue e formação de professores. 

Referências

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 11. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 262-306.

BAKHTIN, M. Toward a philosophy of the act. Austin: University of Texas Press, 1993. DOI: https://doi.org/10.7560/765344

BRITTO, L. P. L. A sombra do caos: ensino de língua x tradição gramatical. São Paulo: Mercado de Letras, 2002.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, texto e discurso: por um interacionismo sociodiscursivo. São Paulo: EDUC, 2001.

CAMPOS, M. Gêneros acadêmicos: resenha, fichamento, memorial e projeto de pesquisa. Mariana: Fundação Presidente Antônio Carlos, 2010.

CHEVALLARD, Y. La transposición didáctica. 3. ed. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, 2005.

DAUNAY, B. Metáfrase e paráfrase: modalidades da apropriação do discurso de outrem na escrita acadêmica. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 20, n. 2, p. 363-380, 2020. DOI: 10.1590/1982-4017-200208-8019. Disponível em: https://portaldeperiodicos.animaeducacao.com.br/index.php/Linguagem_Discurso/article/view/7997 DOI: https://doi.org/10.1590/1982-4017-200208-8019

DIAS, R. Writing abstracts in the university context: combining genre-based and process-oriented approaches. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 59, n. 1, p. 240–263, 2020. DOI: 10.1590/010318136577815912020 DOI: https://doi.org/10.1590/010318136577815912020

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B; DOLZ, J. (org.) . Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 95-128.

FONSECA, J. Z. B. Universidade e produção de conhecimento na formação inicial: uma estratégia didática para o ensino da escrita acadêmica. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 58, n. 3, p. 1264–1281, 2019. DOI: 10.1590/010318135475015832019 DOI: https://doi.org/10.1590/010318135475015832019

FRANCHI, C. Criatividade e gramática. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 9, n. 1, p. 5-45, 2012. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8639037. Acesso em: 4 dez. 2022.

GERALDI, J. W. O texto na sala de aula – leitura & produção. 3. ed. Cascavel: ASSOESTE, 1984. DOI: https://doi.org/10.17851/2447-0554.3.3.57-59

HALTÉ, J. F. O espaço didático e a transposição. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 2, n. 5, p. 117-139, 2008. DOI: 10.5007/1984-8412.2008v5n2p117. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/forum/article/view/1984-8412.2008v5n2p117

INEP - INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Brasil no pisa 2018. Brasília: INEP, 2020. Disponível em: https://download.inep.gov.br/publicacoes/institucionais/avaliacoes_e_exames_da_educacao_basica/relatorio_brasil_no_pisa_2018.pdf. Acesso em: 21 out. 2022.

INEP - INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Relatório microdados enem 2021. Brasília: INEP, 2022. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/acesso-a-informacao/dados-abertos/microdados/enem. Acesso em: 21 out. 2022.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Metodologia científica: ciência e conhecimento científico, métodos científicos, teoria, hipóteses e variáveis e metodologia jurídica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

MEDEIROS, J. B. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. São Paulo: Atlas, 1991.

MOTTA-ROTH, D. Escritura, Gêneros Acadêmicos e Construção do Conhecimento. Letras, Santa Maria, n. 17, p. 93–110, 1998. DOI: 10.5902/2176148511501

MOTTA-ROTH, D.; HENDGES, G. R. Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

OS HÁBITOS de leitura do brasileiro: afinal, o que e por que estamos – ou não – lendo?. Rio de Janeiro: Globo, 2021. Disponível em: https://gente.globo.com/texto-os-habitos-de-leitura-do-brasileiro/#:~:text=No%20Brasil%2C%20apenas%20pouco%20mais,puxada%20especialmente%20pelos%20mais%20ricos. Acesso em: 21 out. 2022.

PETITJEAN, A. La transposition didactique en français. Pratiques: Théorie, Pratique, Pédagogie, [s. l.], n. 97-98, p. 7–34, 1998. DOI: 10.3406/prati.1998.2479. Disponível em: https://www.persee.fr/doc/prati_0338-2389_1998_num_97_1_2479 DOI: https://doi.org/10.3406/prati.1998.2479

PONTES, L. M. da S. Ansiedade em estudantes do ensino superior: uma revisão bibliográfica. 2021. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Educação Física) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2021.

RIOLFI, C. R.; IGREJA, S. G. Ensinar a escrever no ensino médio: cadê a dissertação?. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 1, p. 311-324, jan./abr. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022010000100008

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. 3. ed. Campinas, Mercado de Letras, 2013. p. 35-60.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2013.

SILVA, M. C.; BOTELHO, L. S.; OLIVEIRA, M. C. C. A produção de resumos acadêmicos na universidade: percepções de modelos de ensino-aprendizagem na perspectiva dos letramentos. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 60, n. 2, p. 580-594, 2021. DOI: 10.1590/0103181310246411820210612 DOI: https://doi.org/10.1590/0103181310246411820210612

SILVA, P. N. da; ROSA, R. O plano de texto do artigo científico: caracterização e perspectivas didáticas. DELTA: Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, São Paulo, v. 35, n. 4, p. 1-38, 2019. DOI: 10.1590/1678-460X2019350409 DOI: https://doi.org/10.1590/1678-460x2019350409

Downloads

Publicado

14-04-2023

Como Citar

CUNHA, V. B. de C.; SILVEIRA, A. P. K. da. Letramento acadêmico crítico por meio de fichamentos: uma sequência didática à luz do interacionismo sociodiscursivo. Entretextos, Londrina, v. 23, n. 1Esp, p. 234–253, 2023. DOI: 10.5433/1519-5392.2023v23n1Espp234-253. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/entretextos/article/view/47130. Acesso em: 27 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Dossiê: Sequências Didáticas de Gêneros: uma homenagem do grupo de pesquisa Linguagem e Educação (LED) ao Professor Joaquim Dolz