Abaixo dos pés as tempestades: o desafio interdisciplinar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2016v31p57

Palavras-chave:

Literatura, CViência, Interdisciplinaridade, Educação

Resumo

O presente artigo propõe discutir, a partir das relações entre literatura e ciências da natureza, a relevância de estudos interdisciplinares para uma educação compromissada com a condição humana, a complexidade do conhecimento e a imaginação. Tendo em vista a reflexão de Edgar Morin sobre interdisciplinaridade e pensamento complexo, considerou-se a possibilidade de renovação do ensino de literatura nas escolas a partir de uma abordagem capaz de conjugar conhecimentos que são normalmente tratados como conflitantes (áreas relacionadas às humanidades, artes e linguagem normalmente são situadas em oposição às disciplinas ligadas às chamadas ciências “duras” ou atreladas a estudos da natureza e da matemática). Com a finalidade de colocar em questão a desconstrução de hierarquias e de divisões estanques entre as disciplinas, foram considerados aspectos epistemológicos associados à produção e difusão do conhecimento segundo a reflexão de autores como Gaston Bachelard e Wolf Lepenies. Buscou-se ainda contextualizar a discussão com base nos Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio e em trabalhos sobre o ensino no Brasil como os de Lopes (1999) e Fazenda (1996). A orientação teórica assim estabelecida permitiu sustentar a defesa de metodologia caracterizada pela abordagem do texto literário como objeto complexo, ou seja, considerando-o em integração com conhecimentos representados por outras disciplinas escolares, em especial as relacionadas às ciências da natureza. A obra literária deixa de ser considerada domínio exclusivo dos estudos de Língua e Literatura, sem perder sua especificidade, para ser compreendida como articulação de múltiplos fatores e conhecimentos passíveis de serem atualizados por estratégias interdisciplinares de leitura. Apresenta-se no artigo exercício para exposição da proposta apresentada, elegeu-se para essa finalidade o poema Às artes (1788), de Manuel Inácio da Silva Alvarenga. A escolha de obra setecentista visou expor como conexões entre o conhecimento científico e a prática poética da época conferem complexidade e atualidade ao texto escolhido ainda que escrito há mais de 200 anos, relacionando-o a demandas vividas pelos estudantes no âmbito escolar.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Claudete Daflon, Universidade Federal Fluminense

Doutora em Letras Estudos de Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Professora Associada de Literatura Brasileira da Universidade Federal Fluminense.

Alexandre Antunes, Colégio Militar do Rio de Janeiro

Mestre e doutor em Química de Produtos Naturais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor titular do ensino médio federal no Colégio Militar do Rio de Janeiro (CMRJ).

Referências

ABREU-BERNARDES, S. “A poética na formação humana na perspectiva teórica de Gaston Bachelard”. In: 33ª reunião anual da anped Educação no Brasil: o balanço de uma década. Caxambu, MG: 2010. Disponível em: <http://33reuniao.anped.org.br/33encontro/app/webroot/files/file/Trabalhos%20em%20PDF/GT24-6419--Int.pdf>. Acesso em: 25 de jul. 2016.

ALVARENGA, M. I. S. Obras poéticas: poemas líricos, Glaura, O desertor. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BACHELARD, G. L’engagement rationaliste. Paris: PUF, 1972.

BACHELARD, G. Os pensadores. São Paulo: Abril cultural, 1978.

BACHELARD, G. A Chama de uma vela. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BACHELARD, G. A terra e os devaneios do repouso. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BACHELARD, G. O novo espírito científico. Lisboa: Edições 70, 2008.

BARBOSA, E., & BULCÃO, M. Bachelard: Pedagogia da razão, pedagogia da imaginação. Petrópolis: Vozes, 2004.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais – Ensino Médio. 2000. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf >. Acesso em: 25 de jul. 2016

CARVALHO, R. História dos balões. Lisboa: Relógio D’Água, 1991.

DAFLON, Claudete. “Uma proposta de reflexão: literatura e ciência entre luso-brasileiros setecentistas”. Veredas (Coimbra), v. 19, p. 25-48, 2013.

DARNTON, R. “Os filósofos podam a árvore do conhecimento: a estratégia epistemológica da Encyclopédie”. O grande massacre de gatos, e outros episódios da história cultural francesa. Tradução de Sonia Coutinho. Rio de Janeiro: Graal, 1986. p. 247-275.

FAZENDA, I. C. A. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. 4. ed. São Paulo, SP: Loyola, 1996.

FILGUEIRAS, C. A. L. A ciência e as Minas Gerais do Setecentos. In: M. E. L. Resende & L. C. Villalta, (orgs.). As Minas Setecentistas. Vol. 2. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 159-186.

FREITAS, Maria Helena. Considerações acerca dos primeiros periódicos científicos brasileiros. Ciência da Informação (Brasília), v. 35, n. 3, p. 54-66, set./dez. 2006.

KRYZHANOVSKY, L. N. “The Lightning Rod in 18th-Century St. Petersburg: A Note on the Occasion of the Bicentennial of the Death of Benjamin Franklin”. Technology and Culture (Baltimore), v. 31, n. 4, pp. 813-817, oct. 1990. DOI: 10.2307/3105908.

KUHN, T. S. Tradição matemática versus tradição experimental no desenvolvimento das ciências físicas. A tensão essencial. Tradução de Marcelo Amaral Penna-Forte. São Paulo: Unesp, 2011. p. 55-88.

LEPENIES, W. As três culturas. Trad. Maria Clara Cescato. São Paulo: EDUSP, 1996.

LOPES, A. R. C. Conhecimento Escolar: Ciência e cotidiano. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999.

LYNN, M. R. Enlightenment in the public sphere: The Musée de Monsieur and Scientific Culture in Late-Eighteenth-Century Paris. Eighteenth-Century Studies (Baltimore), v. 32, n. 4, pp. 463-476, summer 1999. DOI: 10.1353/ecs.1999.0038.

MORIN, E. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

RUEDAS DE LA SERNA, Jorge Antonio. Arcádia: tradição e mudança. São Paulo: EDUSP, 1995.

TEIXEIRA, I. Mecenato pombalino e poesia neoclássica. São Paulo: EDUSP, 1995.

TODOROV, T. A literatura em perigo. 3. ed. Trad. Caio Meira. Rio de Janeiro, RJ.

Downloads

Publicado

28-12-2016

Como Citar

DAFLON, C.; ANTUNES, A. Abaixo dos pés as tempestades: o desafio interdisciplinar. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 31, p. 57–69, 2016. DOI: 10.5433/1678-2054.2016v31p57. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/27163. Acesso em: 25 maio. 2024.