O ensino por investigação e a integração dos componentes curriculares de ciências e língua portuguesa nas oficinas pedagógicas dos anos iniciais do ensino fundamental: um estudo de caso de uma escola de educação integral de Londrina

Autores

  • Maria Regina da Costa Sperandio Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)
  • Marta Regina Nazário Secretaria Municipal de Educação - Londrina
  • Givan José Ferreira dos Santos Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) https://orcid.org/0000-0003-4104-9313
  • Zenaide de Fátima Dante Correia Rocha Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) https://orcid.org/0000-0002-1489-6245

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-7939.2017v2n2p189

Palavras-chave:

Educação Integral, Ensino de Ciências, Ensino de Língua Portuguesa, Aprendizagem Baseada em Problemas, Formação Continuada

Resumo

Este estudo objetiva investigar em que momento o ensino por investigação possibilita a integração dos componentes curriculares de Ciências e Língua Portuguesa nas oficinas pedagógicas em uma escola de Educação Integral. Para isso, realizou-se uma pesquisa de abordagem qualitativa do tipo estudo de caso. A partir de um curso de formação continuada investigou-se a ação pedagógica de uma professora e verificaram-se os momentos que demarcam o processo investigativo e a integração dos componentes curriculares de Ciências e Língua Portuguesa, envolvendo as diferentes linguagens. Por meio de estudos fundamentados em publicações do National Research Council - NRC (1996; 2000); Carvalho (2013); Campos e Nigro (1999); Azevedo (2004); e Delizoicov, Angotti e Pernambuco (2002), delineia-se o ensino de Ciências por investigação com os momentos pedagógicos, organizados em: estudo da realidade, proposição do problema, levantamento de hipóteses, atividades interativas, sistematização do conhecimento, aplicação do conhecimento e apresentação da ação investigativa. Os estudos demonstraram que durante a ação da educadora com seus alunos das oficinas pedagógicas, nos momentos do ensino de Ciências por investigação, essa integração foi se consolidando desde o estudo da realidade, sendo mais evidente na sistematização do conhecimento, até chegar à apresentação da ação investigativa. Dessa forma, identificam-se os momentos de estudo da realidade e sistematização do conhecimento como aqueles em que pode ocorrer a integração dos componentes curriculares no ensino por investigação, evidenciando-se assim uma ação investigativa que pode contribuir para introduzir o discente nos diferentes modos de comunicação e consolidação das aprendizagens nas diferentes linguagens.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Regina da Costa Sperandio, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Mestre em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza pela UTFPR – Campus Londrina. Apoio Pedagógico de Educação Integral/Ciências da Rede Municipal de Ensino de Londrina – Paraná.

Marta Regina Nazário, Secretaria Municipal de Educação - Londrina

Graduada em Pedagogia pela UEL. Docente da Rede Municipal de Ensino de Londrina – Paraná.

Givan José Ferreira dos Santos, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Doutor em Estudos da Linguagem pela UEL. Docente do Programa de Pós-Graduação em Ensino Ciências Humanas, Sociais e da Natureza da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Londrina. 

Zenaide de Fátima Dante Correia Rocha, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Doutora em Educação pela UNICAMP. Docente do Programa de Pós-Graduação em Ensino Ciências Humanas, Sociais e da Natureza e em Educação Matemática da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Londrina.

Referências

AZEVEDO, M. C. P. S. Ensino por investigação: problematizando as atividades em sala de aula. In: CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004. p. 19-33.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BYBEE, R. W. Teaching science as inquiry. In: MINSTRELL, J.; VAN ZEE, E. H. Inquiring into inquiry learning and teaching in science. Washington: American Association for the Advancement of Science, 2000. p. 20-46.

CAMPOS, M. C. C.; NIGRO, R. G. Didática de ciências: o ensino-aprendizagem como investigação. São Paulo: FTD, 1999.

CAPPECHI, M. C. V. M. Problematização no ensino de ciências. In: CARVALHO, A. M. P. de. (Org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013. p. 21-39.

CARVALHO, A. M. P. Introduzindo os alunos no universo das ciências. In: WERTHEIN, J.; CUNHA, C. da. (Org.). Ensino de ciências e desenvolvimento: o que pensam os cientistas. 2. ed. Brasília: UNESCO, Instituto Sangari, 2009. p. 71-78. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001859/185928por.pdf. Acesso em: 10 set. 2016.

CARVALHO, A. M. P. O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In: CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013. p. 1-20.

CAVALIERE, A. M. V. Educação integral: uma nova identidade para a escola brasileira? Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, p. 247-270, dez. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v23n81/13940.pdf. Acesso em: 10 set. 2016.

COELHO, L. M. C. C. Brasil e escola pública de tempo integral: Por que não? Revista Proposta, Rio de Janeiro, n. 83, p. 50-55, 1999/2000.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. P. Metodologia do ensino de ciências. São Paulo: Cortez, 1990.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. P.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

DUSCHL, R. A.; BYBEE, R. W. Planning and carrying out investigations: an entry to learning and to teacher professional development around NGSS science and engineering practices. International Journal of STEM Education, United Kingdom, v. 1, n. 12, 2014. Disponível em: https://stemeducationjournal.springeropen.com/articles/10.1186/ s40594-014- 0012-6. Acesso em: 20 maio 2017.

IMBERNÓN, F. Formação docente profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

LONDRINA. Prefeitura Municipal. Diretrizes pedagógicas: ampliação de jornada escolar. Londrina: Secretaria Municipal de Educação, 2015. Disponível em: http://www.londrina.pr.gov.br/dados/images/stories/Storage/sec_educacao/amplia cao_jor/dir_ampliacao_15.pdf. Acesso em: 20 jan. 2016.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: BEZERRA, M. A.; DIONISIO, Â. P.; MACHADO, A. R. Gêneros textuais e ensino. 2. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002. p. 19-36.

MELLO, S. A. O processo de aquisição da escrita na educação infantil: contribuições de Vygotsky. In: FARIA, A. L. G. de; MELLO, S. A. (Org.). Linguagens infantis: outras formas de leitura. Campinas: Autores associados, 2005. p. 23-40.

NATIONAL RESEARCH COUNCIL. Inquiry and the national science education standards: a guide for teaching and learning. Washington DC: National Academy Press, 2000.

NATIONAL RESEARCH COUNCIL. National science education standards. Washington DC: National Academy Press, 1996.

PADILHA, P. R. Educação integral e currículo intertranscultural. In: MOLL, J. et al. Caminhos da educação integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012. p. 189-206.

PAVIANI, N. M. S.; FONTANA, N. M. Oficinas pedagógicas: relato de uma experiência. Conjectura, v. 14, n. 2, p. 77-88, maio/ago. 2009. Disponível em: http://abenfisio.com.br/wp-content/uploads/2016/05/Oficinas-Pedag% C3%B3gicas.pdf. Acesso em: 18 maio 2016.

RODRIGUES, B. A.; BORGES, A. T. O ensino de ciências por investigação: reconstrução histórica. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, 11., 2008, Curitiba. Anais... Curitiba, 2008. p. 1-12. Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2016.

SANTOS, G. J. F. dos. Produção escolar de textos: parâmetros para um trabalho significativo. 2001. 145 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2001.

SASSERON, L. H. Interações discursivas e investigação em sala de aula: o papel do professor. In: CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013. p. 41-61.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Os gêneros escolares: das práticas de linguagem aos objetos de ensino. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado das Letras, 2004. p. 61-78.

ZOMPERO, A. F.; LABURÚ, C. E. Atividades investigativas para as aulas de ciências: um diálogo com a teoria da aprendizagem significativa. Curitiba: Appris, 2016.

Downloads

Publicado

14-09-2018

Como Citar

SPERANDIO, M. R. da C.; NAZÁRIO, M. R.; SANTOS, G. J. F. dos; ROCHA, Z. de F. D. C. O ensino por investigação e a integração dos componentes curriculares de ciências e língua portuguesa nas oficinas pedagógicas dos anos iniciais do ensino fundamental: um estudo de caso de uma escola de educação integral de Londrina. Educação em Análise, Londrina, v. 2, n. 2, p. 189–206, 2018. DOI: 10.5433/1984-7939.2017v2n2p189. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/educanalise/article/view/32123. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos