O senhor dos anéis e o cânone

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2019v37p104

Palavras-chave:

Cânone, Escola, Tolkien, Crítica

Resumo

Há cerca de mais de oitenta anos J. R. R. Tolkien publicou a primeira obra que viria a compor todo um universo mítico. A partir dessa primeira publicação, a literatura tolkieniana consagrou-se dentre seu público leitor e impulsionou um novo segmento mercadológico. O senhor dos anéis é obra integrante desse universo mítico e uma de suas obras mais populares, além de ser referência para a literatura de fantasia. Todavia, desde sua primeira publicação, Tolkien é desprezado dentre a comunidade acadêmica, que preconiza pelo estudo de obras canônicas. O cânone literário tem o poder de consagrar determinadas obras, porém ao mesmo tempo em que o cânone inclui e legitimiza determinadas obras, ele também acaba por excluir muitas outras, como é o caso de O senhor dos anéis. Sob essa perspectiva, o presente trabalho propõe-se a analisar a relação entre o cânone e O senhor dos anéis, tendo em vista a representatividade da obra perante o jovem leitor e sua importância dentre o gênero ao qual se inscreve.

Biografia do Autor

Desiree Bueno Tiburcio, Universidade Estadual de Londrina

Mestre em Letras pela Universidade Estadual de Londrina. Doutoranda em Letras na Universidade Estadual de Londrina.

Luiz Carlos Migliozzi Ferreira de Mello, Universidade Estadual de Londrina

Mestre e doutorado em Semiótica e Lingüística Geral pela Universidade de São Paulo. Pós-doutorado em Sociossemiótica pela PUC-SP (COS)/CNRS-Paris. Professor associado do Departamento de Letras Vernáculas e Clássicas da Universidade Estadual de Londrina.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Trad. Alfredo Bosi. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ABREU, Márcia. Cultura Letrada: Literatura e leitura. São Paulo: UNESP, 2004.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BLOOM, Harold. O cânone ocidental: Os livros e a escola do tempo. 2. ed. Trad. Marcos Santarrita. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.

BLOOM, Harold. 35 milhões de compradores de livros podem estar errados? Wall Street Journal, 2/11/2000. Trad. Danielle Crepaldi Carvalho, do artigo “Can 35 Million Book Buyers Be Wrong? Yes”. Disponível em <http://wrtbrooke.syr.edu/courses/205.03/bloom.html> Acesso em 06 mai. 2018.

BLOOM, Harold, (org.). Bloom’s modern critical interpretation: J. R. R.Tolkien’s The Lord of the Rings. New York: New Edition, 2008.

BORGES, Jorge Luis. Esse ofício do verso. Trad. José Marco Macedo. São Paulo: Companhia das letras, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Orientações para o ensino médio. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2006.

DURÃO, Fábio Akcelrud. A crítica literária como questão. O que é crítica literária? São Paulo: Nankin, 2016, pp. 10-21.

FRANCHETTI, Paulo. Crítica e saber universitário. Alcides Cardoso Santos (org.). Estados da crítica. Curitiba: Editora da UFPR, 2006, pp. 48-61

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. 3. ed. São Paulo: Loyola, 1996.

GIRON, Luís Antônio. Elas não são idiotas. Entrevista: Harold Bloom. Época (São Paulo), n. 243, 03 fev. 2003. Disponível em <http://revistaepoca.globo.com/Epoca/0,6993,EPT479197-1666-1,00.html>. Acesso em 05 mai. 2018.

MICHAELIS. Moderno dicionário. Dicionário brasileiro da língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos, 2018. Disponível em <http://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-
brasileiro/Cl%C3%A1ssico/>. Acesso em 21 mai. 2018.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas literaturas: Escolha e valor na obra crítica de escritores modernos. 2. ed. São Paulo: Companhia das letras, 2009.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. O lugar do crítico. Texto, crítica, escritura. 2. ed. São Paulo: Ática, 1993, pp. 15-34.

PEREIRA, Andréa Kluge. Biblioteca na escola. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

SANTIAGO, Silviano. Literatura e Cultura de Massa. Novos Estudos CEBRAP, vol. 38, pp. 89-98, 1994. Disponível em <http://novosestudos.uol.com.br/wp-content/uploads/2017/05/09_literatura_e_cultura.pdf.zip>. Acesso em 21 mai. 2018.

SPINELLI, Miguel. O conceito epicurista de kritêrion vinculado ao de enargéias e de kanôn. Kriterion: Revista de Filosofia, v. 53, 2012, p. 59-80, 2012. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2012000100004>. Acesso em 21 mai. 2018.

TAYLOR, L. Roger. Arte, inimiga do povo. Trad. Maria Cristina Vidal Borba. São Paulo: Conrad, 2005.

TODOROV, Tzvetan. A Literatura em Perigo. Trad. Caio Meira. Rio de Janeiro: Difel, 2009.

TOLKIEN, J. R. R. Árvore e folha. Trad. Ronald Eduard Kyrmse. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2017

VOCABULARY. Vocabulary.com Dictionary. Disponível em: <https://www.vocabulary.com/dictionary/>. Acesso em 18 jun. 2018.

WELLEK, Rene. Termo e conceito de crítica literária. Conceitos de crítica. São Paulo: Cultrix, 1963, pp. 29-41.

WHITE, Michael. J. R. R. Tolkien: O senhor da fantasia. Trad. Bruno Dorigatti. Rio de Janeiro: DarkSide, 2013.

Downloads

Publicado

16-12-2019

Como Citar

TIBURCIO, Desiree Bueno; MELLO, Luiz Carlos Migliozzi Ferreira de. O senhor dos anéis e o cânone. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 37, p. 104–116, 2019. DOI: 10.5433/1678-2054.2019v37p104. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/34052. Acesso em: 20 jun. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.