Esmeralda Ribeiro e Lima Barreto: um diálogo sem segredos

Autores

  • José Eugênio das Neves Faculdade de Jandaia do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2009v17p49

Palavras-chave:

Reescrita, Literatura, Mulheres, Negros

Resumo

A reescrita é um dos instrumentos empregados pela literatura pós-colonial, que trabalha com a escrita dos excluídos (colonizados, negros, mulheres, minorias étnicas e sexuais). Através dela, o(a) autor(a) pode questionar os valores contidos em um texto anterior. É o que faz Esmeralda de Barros em seu texto “Guarde Segredo”, uma reescrita de Clara dos Anjos, de Lima Barreto. Esse trabalho pretende demonstrar os questionamentos que a autora levanta em relação ao texto original.

Biografia do Autor

José Eugênio das Neves, Faculdade de Jandaia do Sul

Doutorando em Letras pela Universidade Estadual de Londrina. Professor na Faculdade de Jandaia do Sul.

Referências

BARRETO, Lima. 1988. Clara dos Anjos. São Paulo: Ática.

BARTHES, Rolland. 1992. S/Z: uma análise da novela Sarrasine de Honoré de Balzac. Trad. Léa Novaes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

BONNICI, Thomas. 2000. O pós-colonialismo e a literatura: estratégias de leitura. Maringá: EDUEM.

BONNICI, Thomas. 2003. “Teoria e crítica pós-colonialistas”. Teoria literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. Thomas Bonnici e Lúcia Osana Zolin, orgs. Maringá: EDUEM. 257-285.

BOSI, Alfredo. 1999. História concisa da Literatura Brasileira. 36. ed. São Paulo: Cultrix, 1999.

FRANCO JÚNIOR, Arnaldo. 2003. “Operadores de leitura da narrativa”. Thomas Bonnici e Lúcia Osana Zolin, orgs. Teoria literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. Maringá: EDUEM. 33-58.

HOLANDA, Heloísa Buarque de. 1994. “Feminismo em tempos pós-modernos”. Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco. 8-19.

MARTINS, Leda. 1996. “O feminino corpo da negrura”. Revista de Estudos de Literatura (Belo Horizonte) 4 (out): 111-121.

MARTINS, Leda. 2002. “Arabescos do corpo feminino”. Gênero e representação na Literatura Brasileira. Org. de Constância Lima Duarte. Belo Horizonte: UFMG. 219-227.

MICHELETTI, Guaraciaba. 1988. “Obsessão pela denúncia do racismo”. Lima Barreto. Clara dos Anjos. São Paulo: Ática. 5-9.

MIGUEL-PEREIRA, Lúcia. 1973. Prosa de ficção: de 1870 a 1920. 3. ed. Rio de Janeiro: José Olímpio; Brasília: INL.

RESENDE, Beatriz. 1983. “A opção pela marginália”. Os pobres na literatura brasileira. Org. Roberto Schwarz. São Paulo: Brasiliense. 73-78.

RIBEIRO, Esmeralda. “Guarde Segredo”. Disponível em: <http://bayo.sites.uol.com.br/contos_esmeralda_ribeiro.htm>. Acesso em: 1 dez. 2008.

SANTIAGO, Silviano. 2000. Uma literatura nos trópicos. 2. ed. Rio de Janeiro: Rocco.

SHOWALTER, Elaine. 1994. “A crítica feminista no território selvagem”. Heloísa Buarque de Holanda. Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco. 23-57.

SOIHET, Rachel. 2008. “Mulheres pobres e violência no Brasil urbano”. Mary del Priore. História das mulheres no Brasil. 9. ed. São Paulo: Contexto. 362-400.

Downloads

Publicado

30-12-2009

Como Citar

NEVES, José Eugênio das. Esmeralda Ribeiro e Lima Barreto: um diálogo sem segredos. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 49–59, 2009. DOI: 10.5433/1678-2054.2009v17p49. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/25004. Acesso em: 21 jun. 2024.