Olhar enviesado: a crítica e o falso romance da seca

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2008v12p158

Palavras-chave:

Representação nacional, Modernismo, A bagaceira

Resumo

Em uma perspectiva de revisão canônica, este artigo propõe perceber A bagaceira como romance oriundo da intenção modernista de redescobrir o Brasil. Opondo-se à consideração do romance como produção pertencente ao ciclo nordestino da seca, a autora reflete sobre a estrutura e os símbolos da narrativa almeidiana, o tempo histórico/literário no qual a construção está inserida, os processos comparativos que a obra tem sofrido, chegando a trazer à baila as relações do romance com concepções espaciais que permeiam, há muito, a literatura brasileira, em sua representação do país.

Biografia do Autor

Elaine Aparecida Lima, Universidade Estadual de Londrina

Doutoranda em Letras pela Universidade Estadual de Londrina.

Referências

ABREU, J. Capristrano de. Caminhos antigos e povoamento do Brasil. Rio de Janeiro: Briguiet, 1930.

ALAMBERT, Francisco. “Civilização e barbárie, história e cultura, representações literárias e projeções de guerras.” Leslie Bethell. Guerra do Paraguai, 130 anos depois. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995. 85-96.

ALMEIDA, José Américo. A bagaceira. 15 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1978.

ALMEIDA, José Américo. A Paraíba e seus problemas. 4 ed. Brasília: Senado Federal, 1994.

AMADO, Janaína. “Região, sertão, nação.” Estudos históricos (Rio de Janeiro) 8.15(1995): 145-152.

ANDRADE, Mário. Entrevistas e depoimentos. São Paulo: T. A. Queiroz, 1983.

ATHAYDE, Tristão de. “Uma revelação.” In Almeida 1978. 40-45.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 4. ed. São Paulo: Cultrix, 2002.

BRITO, Mário da Silva. História do modernismo brasileiro. 6. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira (momentos decisivos). São Paulo: Martins, 1975.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. 7 ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1985.

CANDIDO, Antonio. “O significado de Raízes do Brasil.” Sérgio Buarque de Hollanda. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. 5-18.

CANDIDO, Antonio & José Aderaldo Castello. Presença da literatura brasileira – Modernismo. São Paulo: Difel, 1977.

CASTELLO, José Aderaldo. A literatura brasileira. São Paulo: EDUSP, 2004.

CASTELLO, José Aderaldo. Origem e unidade da literatura brasileira (1500-1960). São Paulo: EDUSP, 1999.

COUTINHO, Afrânio. A literatura no Brasil. 7. ed. Rio de Janeiro: Livros Escolares, 1975.

DUARTE, Paulo, org. Mário de Andrade por ele mesmo. São Paulo: EDARTE, 1971.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Aurélio – Século XXI. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

HARDMAN, Francisco Foot. “Antigos Modernistas.” Adauto Novaes, org. Tempo e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

HOLLANDA, Sérgio Buarque de. “A criação do Instituto de Estudos Brasileiros.” Revista do Brasil (Rio de Janeiro) 6 (1976): 3-15.

LIMA, Nísia Trindade. Um sertão chamado Brasil: Intelectuais e Representação Geográfica da Identidade Nacional. Rio de Janeiro: Revan, 1999.

MARTINS, Wilson. O modernismo. 3 ed. São Paulo: Cultrix, 1969

MICELI, Sérgio. Estado e cultura no Brasil. São Paulo: DIFEL, 1984.

MOOG, Vianna. Uma interpretação da literatura brasileira. Rio de Janeiro: CEB, 1943.

MORAES, Eduardo Jardim de. A brasilidade modernista: sua dimensão filosófica. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

OLIVEN, Ruben George. “A cultura popular brasileira é de fusão e de diversidade.” Revista Raiz. Disponível em http://revistaraiz.uol.com.br/narede/index.php?page=ler_exclusivas&id=22. Acesso em 15 de mar. 2006.

PICCHIA, Menotti Del. O curupira e o carão. São Paulo: Hélios, 1927.

PRADO, Paulo. Retrato do Brasil: ensaio sobre a tristeza brasileira. 6 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1962.

PROENÇA, M. Cavalcanti. “A Bagaceira.” In Almeida 1978. 46-89.

SANTIAGO, Silviano. Uma Literatura nos trópicos. São Paulo: Perspectiva, 1978.

TAUNAY, Afonso de E. História geral das bandeiras paulistas. São Paulo: Imprensa Oficial, 1959.

VENTURA, Roberto. Estilo tropical. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

Downloads

Publicado

23-03-2016

Como Citar

LIMA, Elaine Aparecida. Olhar enviesado: a crítica e o falso romance da seca. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 12, p. 158–170, 2016. DOI: 10.5433/1678-2054.2008v12p158. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/24863. Acesso em: 25 jun. 2024.