A poesia de Manoel de Barros e o mito de origem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2005v5p17

Palavras-chave:

Manoel de Barros, Poesia, Mito, poetry, myth

Resumo

Este estudo pretende estabelecer algumas relações entre a poesia de Manoel de Barros e o mito da origem, enfatizando o emprego de símbolos que, numa atividade metalingüística, veiculam os preceitos da arte barrosiana e permitem o domínio do tempo.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Nismária Alves David, Universidade Estadual de Goiás

Mestre em Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Professor da Universidade Estadual de Goiás.

Referências

BACHELARD, Gaston. 1996. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes.

BARROS, André Luís. [2002]. Manoel de Barros: O tema da minha poesia sou eu mesmo. Disponível em: <http:www.secrel.com.br/jpoesia/barros04.html>. Acesso em: 16 set. 2002.

BARROS, Manoel de. 1994. O livro das ignorãças. 2.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

BARROS, Manoel de. 1996. Livro sobre Nada. Rio de Janeiro: Record.

BARROS, Manoel de. 2000. Ensaios Fotográficos. Rio de Janeiro: Record.

BARROS, Martha. 1992. Com o poeta Manoel de Barros. Manoel de Barros. Gramática Expositiva do Chão: Poesia quase toda. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. p. 312-17.

BÉDA, Walquíria Gonçalves. 2002. O inventário bibliográfico sobre Manoel de Barros ou Me encontrei no azul de sua tarde. 2 v. Diss. Mestrado em Teoria da Literatura e Literatura Comparada - Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista - UNESP, Assis.

BOSI, Alfredo. 1999. O ser e o tempo da poesia. 11. ed. São Paulo: Cutrix.

CASCUDO, Luís da Câmara. 1972. Dicionário do Folclore Brasileiro. Rio de Janeiro: Ediouro.

CASSIRER, Ernst. 1972. Linguagem e mito. Uma contribuição ao problema dos nomes dos deuses. São Paulo: Perspectiva.

CHEVALIER, Jean, & Alain Gheerbrant. 1995. Dicionário de Símbolos. 9.ed. Rio de Janeiro: José Olympio.

CURY, Maria Zilda, & Ivete Walty. 1999. Textos sobre textos. Um estudo da metalinguagem. Belo Horizonte: Dimensão.

ELIADE, Mircea. 1972. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva.

ELIADE, Mircea. 1991. Imagens e Símbolos. Ensaio sobre o simbolismo mágico-religioso. São Paulo: Martins Fontes.

ELIADE, Mircea. 1992. Mito do Eterno Retorno. São Paulo: Mercurio.

ELIADE, Mircea. s.d. Mitos, Sonhos e Mistérios. Lisboa: Edições 70.

FILHO, A. G. 1992. Uma palavra amanhece entre aves. Manoel de Barros. Gramática Expositiva do Chão: Poesia quase toda. 2.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. p. 317-23.

FRYE, Northrop. 1973. Crítica ética: Teoria dos símbolos. In: Anatomia da crítica. São Paulo: Cultrix. p. 75-129.

GUIZZO, José Octávio. 1992. Sobreviver pela palavra. Manoel de Barros. Gramática Expositiva do Chão: Poesia quase toda. 2.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. p. 307- 11.

HUIZINGA, Johan. 1971. Homo ludens. O jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva.

LEXIKON, Herder. 1997. Dicionário de Símbolos. 10. ed. São Paulo: Cultrix.

MIELIETINSKI, Eleazar M. 1987. A poética do mito. Rio de Janeiro: Forense.

PAZ, Octavio. 1982. O arco e a lira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

PAZ, Octavio. 1984. Los hijos del limo. Vol. 1 de Obras Completas. México: Fondo de Cultura Econômica.

Downloads

Publicado

18-03-2016

Como Citar

DAVID, N. A. A poesia de Manoel de Barros e o mito de origem. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 5, p. 17–32, 2016. DOI: 10.5433/1678-2054.2005v5p17. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/24749. Acesso em: 29 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos