A resistência da poesia em Vidas Secas de Graciliano Ramos

Autores

  • Maria de Lourdes Dionizio Santos Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2003v3p97

Palavras-chave:

Vidas secas, Graciliano Ramos, Poesia e resistência

Resumo

Propomo-nos fazer um estudo da poesia em Vidas secas, de Graciliano Ramos, por ser uma obra cujo discurso faz ressaltar a poesia no ritmo e nas imagens que ela (re)cria. Em um meio hostil, onde o poético busca a sua sobrevivência percebemos as almas aprisionadas como objetos pelos mecanismos produtivos. Na dor de ser apenas um objeto (in)útil, o ser humano - desumanizado - fica mudo para economizar o fôlego e assim tentar resistir contra a sua (sub)condição para extrair "de si a substância vital". Assim, o silêncio se faz poesia. Na reconstrução dessa forma romanesca, a realidade é recriada através da poesia, conferindo-lhe atualidade.

Biografia do Autor

Maria de Lourdes Dionizio Santos, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Mestra em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Referências

ADORNO, Theodor W. 1980. Posição do narrador no romance contemporâneo. Tradução por Modesto Carone. São Paulo: Abril.

ARISTÓTELES. Poética. 1991. Tradução por Eudoro de Souza. 4. ed. São Paulo: Nova Cultural.

BACHELARD, Gaston. 1978. A poética do espaço. Tradução por Joaquim José Moura Ramos. São Paulo: Abril Cultural.

BAKHTIN, Mikhail. 1998. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução por Aurora Fornoni Bernadini, José Pereira Júnior, Augusto Góes Júnior, Helena Spryndis Nazário, Homero Freitas de Andrade. 4. ed. São Paulo: EdUNESP/ HUCITEC, 1998.

BOSI, Alfredo. 1988. Céu, inferno: ensaios de crítica literária e ideológica. São Paulo: Ática.

BOSI, Alfredo. 1993. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix.

BRIK, O. 1973. “Ritmo e Sintaxe”. O. BRIK et al. T eoria da Literatura: Formalistas russos. Porto Alegre: Globo. 131-139.

CANDIDO, Antonio. 1971. Tese e antítese. 2. ed. São Paulo: Nacional.

CANDIDO, Antonio. 1971. Ficção e confissão: ensaios sobre Graciliano Ramos. Rio de Janeiro: Editora 34, 1999.

DUFRENNE, Mikel. 1969. O poético. Tradução por Luiz Arthur Nunes, Reasylvia Kroeff. Porto Alegre: Globo.

FISCHER, Ernst. 1981. A necessidade da arte. Tradução por Leandro Konder. 8. ed. Rio de Janeiro: Zahar.

KNOLL, Victor. 1965. “Vidas Secas”. Revista do Livro. 8.27-28: 7-30.

LEITE, Guacira Marcondes Machado. 2000. Sobre poesia, narrativa e tradução. Livre Docência, Faculdade de Ciências e Letras – UNESP, Araraquara.

LEITE, Ligia Chiappini Moraes. 1991. O foco narrativo: ou a polêmica em torno da ilusão. 5. ed. São Paulo: Atica.

LUCAS, Fábio. 1999. “Particularidades Estilísticas de Vidas Secas.” José Antonio Segatto e Ude Baldan, orgs. Sociedade e literatura no Brasil. São Paulo: Unesp. 107-119.

MAGALHÃES, Belmira. 1996. “A representação metafórica da função da arte em Vidas Secas de Graciliano Ramos ou os desejos de Sinha Vitória e a possibilidade de uma mudança da cotidianidade.” Boletim G T Mulher. A mulher na literatura. Natal: ANPOLL/ CCHLA/ PPGEL/ UFRN.

MARX, Karl, e Friedrich Engels. 1991. A ideologia alemã (1 - Feuerbach . 8. ed. São Paulo: Hucitec.

PAZ, Octavio. 1972. Signos em rotação. São Paulo: Perspectiva.

POULET, Georges. 1992. O espaço proustiano. Rio de Janeiro: Imago.

RICOEUR, Paul. 1994. Tempo e narrativa. Campinas: Papirus.

ROSENFELD, Anatol. 1994. Letras e Leituras. São Paulo: Perspectiva.

SARTRE, Jean-Paul. 1989. Que é a literatura? São Paulo: Atica.

SCHNEIDER, Marcel. 1962. Le roman poétique. L a Revue de Paris.

TADIÉ, Jean-Yves. 1997. Le récit poétique. Paris: Gallimard.

VALÉRY, Paul. 1999. Variedades. São Paulo: Iluminuras.

Downloads

Publicado

17-03-2016

Como Citar

SANTOS, Maria de Lourdes Dionizio. A resistência da poesia em Vidas Secas de Graciliano Ramos. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 3, p. 97–118, 2016. DOI: 10.5433/1678-2054.2003v3p97. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/24718. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos