Cultura alimentar na escola

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0383.2023v44n2p153

Palavras-chave:

Cultura brasileira, Educação, Psicologia, Indústria alimentícia

Resumo

No mundo industrializado, a alimentação tem sido predominantemente baseada no consumo de alimentos ultraprocessados, em detrimento de uma alimentação caseira e natural. Essa mudança tem alterado os hábitos alimentares secularmente estabelecidos e tem contribuído para o surgimento de diversas doenças na população, tais como obesidade, cardiopatias e esteatose, entre outras. No contexto brasileiro, os governos federais democráticos, no período pós-anos 1990 até 2016, implementaram diversas políticas públicas voltadas para a alimentação, com o objetivo de difundir conhecimentos nutricionais e resgatar a importância da cultura alimentar brasileira, que estava sendo substituída pelo consumo de alimentos ultraprocessados. Esse resgate teve como consequência o estímulo de parte significativa da população a modificar seus hábitos alimentares. A apropriação da cultura alimentar pelo indivíduo fortalece sua identidade regional, nacional e cultural, em conexão com a história de seu país. O presente artigo tem como objetivo relatar as ações desenvolvidas junto a estudantes da rede pública de ensino na cidade de Assis, São Paulo, embasadas nos fundamentos teóricos da Psicologia histórico-cultural, com o intuito de fomentar aprofundamentos acerca da constituição histórica e contemporânea da cultura alimentar brasileira. O estudo demonstrou que a educação alimentar e nutricional desempenha um papel fundamental ao proporcionar uma reflexão sobre os padrões de comportamento alimentar, além de fortalecer a história e a identidade do povo brasileiro.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Antonio Carlos Barbosa da Silva , Universidade Estadual Paulista "Júlio Mesquita Filho" - Unesp

Doutor em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), Campinas, São Paulo, Brasil. Docente do Departamento de Psicologia Social da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), Assis, São Paulo.

Marina Coimbra Casadei Barbosa da Silva, Universidade de Marília - UNIMAR

Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), Marília, São Paulo, Brasil. Docente de Psicologia na Universidade de Marília (Unimar), Marília, São Paulo

 

Referências

ALVES, Kelly Poliany de Souza; JAIME, Patricia Constante. A política nacional de alimentação e nutrição e seu diálogo com a política nacional de segurança alimentar e nutricional. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 11, nov. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320141911.08072014 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320141911.08072014

BENITES, Geovana. Empobrecimento e negligência do governo explicam fome no Brasil, avalia pesquisador. Humanista, Porto Alegre, 22 jul. 2022. Disponível em: https://www.ufrgs.br/humanista/2022/07/26/empobrecimento-e-negligencia-do-governo-explicam-fome-no-brasil-avalia-pesquisador/#. Acesso em: 7 jul. 2023.

BOOG, Maria Cristina Faber. Educação nutricional: passado, presente, futuro. Revista de Nutrição, Campinas, v. 10, n. 1, p. 5-19, jan./jun. 1997. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-200559. Acesso em: 7 jul. 2023.

CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa. Um método para análise e cogestão de coletivos. São Paulo: HUCITEC, 2000.

CARREIRO, Denise. Entendendo a importância do processo alimentar. São Paulo: Denise Carreiro, 2007.

CASCUDO, Luís da Câmara. História da alimentação brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia, 1983.

FISCHLER, Claude. A McDonaldização dos costumes. In: FLANDRIN, Jean-Louis; MONTANARI, Massimo. História da alimentação. São Paulo: Estação Liberdade, 2003. p. 841-846.

FREYRE, Gilberto. Casagrande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 49. ed. São Paulo: Global, 2004.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa industrial anual. Rio de Janeiro: IBGE, 2014.

MONTANARI, Massimo. Comida como cultura. São Paulo: Senac; 2013.

MOSS, Michael. Salt sugar fat: how the food giants hooked us. New York: Random House, 2014.

POULAIN, Jean-Pierre. Sociologias da alimentação: os comedores e o espaço social alimentar. Florianópolis: UFSC, 2013. DOI: https://doi.org/10.3917/puf.poul.2013.01

SILVA, Antonio Carlos Barbosa da. Culturas e práticas alimentares em questão: psicologia e educação. Marília: Poieis Editora, 2016.

SILVA, Antonio Carlos Barbosa da; SILVA, Marina Casadei Barbosa da; OLIVEIRA, Vanessa Érika. Educação alimentar e nutricional, cultura e subjetividades: a escola contribuindo para a formação de sujeitos críticos e criativos em torno da cultura alimentar. Demetra, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 247-257, 2015. DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2015.14838 DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2015.14838

SILVA, Antonio Carlos Barbosa da; SILVA, Marina Casadei Barbosa da. Políticas Públicas de Alimentação: práticas junto à infância In: CONSTANTINO, Elizabeth Piemonte. Políticas públicas para a infância e adolescência. Curitiba: Editora CRV, 2018.

Downloads

Publicado

29.12.2023

Como Citar

SILVA , A. C. B. da; SILVA, M. C. C. B. da. Cultura alimentar na escola. Semina: Ciências Sociais e Humanas, [S. l.], v. 44, n. 2, p. 153–162, 2023. DOI: 10.5433/1679-0383.2023v44n2p153. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/47772. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigo