Uma investigação funcionalista da voz passiva analítica no português culto falado: da norma ao uso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1519-5392.2022v22n3p174-198

Palavras-chave:

Voz passiva, Funcionalismo, Língua em uso

Resumo

Na tradição gramatical, a categoria voz tem sido descrita principalmente a partir de suas propriedades formais. As gramáticas escolares, em geral, apresentam as características formais das construções passiva sintética e analítica e propõem exercícios de passagem de um tipo de construção para o outro. O conhecimento formal, embora necessário, não revela, no entanto, as motivações discursivas e pragmáticas para o uso da voz passiva pelos falantes. Por outro lado, na perspectiva funcionalista as propriedades formais e as propriedades pragmáticas são tratadas de forma integrada, com prioridade para as do último tipo. Neste trabalho, analisam-se, sob a perspectiva funcionalista, ocorrências da voz passiva analítica em um córpus formado por aulas de curso superior e por entrevistas com pesquisadores. A partir da análise do córpus verificou-se que as explicações para o uso da passiva são de ordem funcional e partem de motivações discursivas e pragmáticas, por exemplo, manter um referente (o paciente) como sujeito, no início da oração, por se tratar de informação dada; apresentar um referente (o agente) como informação nova na posição final da sentença; omitir o agente por considerá-lo irrelevante ou pela impossibilidade de identificá-lo.

Biografia do Autor

Juliano Desiderato Antonio, Universidade Estadual de Maringá

Doutor em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, pós-doutorado em Estudos Linguísticos pela mesma universidade. Docente da Universidade Estadual de Maringá.

Julia Lourenço Pereira, Universidade Estadual de Maringá

Graduanda em Letras. Programa de Iniciação Científica. Universidade Estadual de Maringá.

Sarah Santos Correa, Universidade Estadual de Maringá

Graduanda em Letras. Programa de Iniciação Científica. Universidade Estadual de Maringá.

Referências

AZEREDO, J. C. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. 2. ed. São Paulo: Publifolha, 2008.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

CAMACHO, R. Construções passiva e impessoal: distinções funcionais. Alfa, São Paulo, n. 44. p. 215-233, 2000. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/4206. Acesso em: 2 fev. 2022.

CAMACHO, R. A gradação tipológica das construções de voz. Gragoatá, [S. l.], v. 11, n. 21, p. 167-189, Dec. 2006. Disponível em: https://periodicos.uff.br/gragoata/article/view/33221. Acesso em: 2 fev. 2022.

CASTILHO, A. T. Nova gramática do português. São Paulo: Editora Contexto, 2010. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v13i1p7-16

CEGALLA, D. P. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. 48. ed. São Paulo: IBEP, 2009.

CHAFE, W. Significado e estrutura linguística. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1979.

CHAFE, W. Linguistic differences produced by differences between speaking and writing. In: OLSON, D. R. et al. (ed.). Literacy, language and learning: the nature and consequences of reading and writing. Cambridge: Cambridge University Press, 1985. p. 105-123.

CIPRO NETO, P.; INFANTE, U. Gramática da Língua Portuguesa. 3. ed. São Paulo: Scipione, 2010.

CROFT, W. Radical construction grammar: syntactic theory in typological perspective. Oxford: Oxford University Press, 2001. DOI: https://doi.org/10.1093/acprof:oso/9780198299554.001.0001

CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

DIK, S. C. The theory of functional grammar. Dordrecht: Foris, 1989.

DU BOIS, J. W. The discourse basis of ergativity. Language, [s. l.], v. 63, p. 805-855, 1987. Disponível em: http://www.ddl.ish-lyon.cnrs.fr/aalled/Univ_ete/3LCourseMaterial/Maya/Du_Bois_1987_Discourse_Basis_Ergativity.pdf. Acesso em: 2 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.2307/415719

DUARTE, I.; OLIVEIRA, F. Particípios resultativos. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA, 25., 2010, Porto. Porto: ALP, 2010. p. 397-408. Disponível em: https://apl.pt/wp-content/uploads/2017/09/28-Ines-Duarte.pdf. Acesso em: 2 fev. 2022.

GIVÓN, T. The pragmatics of de-transitive voice: Functional and typological aspects of inversion. In: GIVÓN, T. (org.) Voice and inversion. Amsterdã: John Benjamins, 1994. p. 3-44. DOI: https://doi.org/10.1075/tsl.28.03giv

GIVÓN, T. Typology and functional domains. Studies in Language, Amsterdam, v. 5, p.163-93, 1981. DOI: https://doi.org/10.1075/sl.5.2.03giv

GIVÓN, T. Syntax. Amsterdã: John Benjamins, 2001. v. 2. DOI: https://doi.org/10.1075/z.syn1

GIVÓN, T. Grammatical relations in passive clause: a diachronic perspective. In: ABRAHAM, W.; LEISIÖ, L. (org.). Passivization and typology: form and function. Amsterdã: John Benjamins, 2006, p. 337-350. DOI: https://doi.org/10.1075/tsl.68.19giv

HALLIDAY, M. A. K. Explorations in the functions of language. London: Edward Arnold, 1973.

HALLIDAY, M. A. K. An introduction to functional grammar. 2. ed. Baltimore: E. Arnold, 1994.

IGNÁCIO, S. E. Análise sintática em três dimensões: uma proposta pedagógica. Franca: Ribeirão, 2002.

ILARI, R.; BASSO, R. M. O verbo. In: R. Ilari; M. H. M. Neves (org.). Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Ed. da Unicamp, 2008. v. 2, p.163–365.

NEVES, M. H. M. Ensino de língua e vivência de linguagem: temas em confronto. São Paulo: Contexto, 2010.

NEVES, M. H. M. Gramática funcional: interação, discurso e texto. São Paulo: Contexto, 2018.

O’DONNELL, M. From corpus to codings: semi-automating the acquisition of linguistic features. In: AAAI SPRING SYMPOSIUM ON EMPIRICAL METHODS IN DISCOURSE INTERPRETATION AND GENERATION, 1995, Stanford. Proceedings [...]. Stanford: AAAI, 1995. p. 27-29.

PRETI, D. (org.). Análise de textos orais. São Paulo: FFLCH/ USP, 1993.

PRINCE, H. Toward a taxonomy of given-new information. In: COLE, P. (ed.). Radical pragmatics. New York: Academic Press, 1981. p. 223-255.

Downloads

Publicado

29-12-2022

Como Citar

ANTONIO, Juliano Desiderato; PEREIRA, Julia Lourenço; CORREA, Sarah Santos. Uma investigação funcionalista da voz passiva analítica no português culto falado: da norma ao uso. Entretextos, Londrina, v. 22, n. 3, p. 174–198, 2022. DOI: 10.5433/1519-5392.2022v22n3p174-198. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/entretextos/article/view/46028. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigo para volume atemático