Estado, medidas institucionais e estrutura administrativa regional: a alavancagem dos agronegócios como base econômica da região oeste catarinense (1960-2000)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/2317-627X.2023.v11.n1.46516

Palavras-chave:

Santa Catarina, Estado, Instituições, Oeste Catarinense, Agronegócio, Bancos públicos

Resumo

O papel do Estado pode ser considerado fundamental para alavancar setores econômicos em diferentes regiões do Brasil. Neste artigo, o recorte espacial se dá sobre a mesorregião Oeste catarinense, entendendo-se que a formação econômica e social atrelada ao processo de fortalecimento da estrutura administrativa municipal da região foram importantes para a construção da base econômica regional, do estreitamento das relações campo cidade e da organização econômica do espaço regional. O principal objetivo do artigo é verificar o papel do Estado e das medidas institucionais que contribuíram para a alavancagem e a consolidação de diferentes cadeias produtivas ligadas aos agronegócios da região Oeste catarinense na segunda metade do século XX. Do ponto de vista metodológico, foram utilizados quatro passos para a elaboração do texto, quais sejam: 1) levantamento bibliográfico; 2) levantamento de dados e trabalho de campo; 3) organização e sistematização dos dados; 4) cruzamento dos dados com a bibliografia levantada. Como resultado central, verificou-se que o papel do Estado para o desenvolvimento regional via bancos públicos foi fundamental ao canalizar recursos principalmente no setor agroindustrial.

Biografia do Autor

Eduardo von Dentz, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutor em Geografia – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor substituto de Geografia Humana - Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)- campus Chapecó. 

Referências

ABADESC - BANCO DE DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Relatório de atividades. Florianópolis: BADESC, 1975-1999.

BANCO DO BRASIL. Relatório anual de atividades. Brasília: Banco do Brasil,1965-1995.

BNDES - BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Relatório de atividades. Rio de Janeiro: BNDES, 1965-1995.

BRASIL. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Exportações municípios. Brasília: MDIC, 2020. Disponível em:

http://comexstat.mdic.gov.br/pt/municipio. Acesso em: 18 ago. 2022.

BRDE - BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL. Relatório anual de atividades. Porto Alegre: BRDE, 1980-1996.

CONTINI, E.; GASQUES, J. G.; LEONARDINI, R. B. A.; BASTOS, E. T. Evolução recente e tendências do agronegócio. Revista de Política Agrícola, Brasília, ano 15, n. 1, p. 5-28, jan./mar. 2006. Disponível em: https://seer.sede.embrapa.br/index.php/RPA/article/view/475. Acesso em: 10 ago.

CORRÊA, R. L. A rede urbana. São Paulo: Ática. 1989a.

CORRÊA, R. L. O espaço urbano. São Paulo: Ática, 1989b.

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE GEOGRAFIA. Acervo Digital de Mapas de Santa Catarina. Disponível em https://www.sde.sc.gov.br/index.php/biblioteca/cartografia. Acesso em: 18 ago. 2022.

ESPÍNDOLA, C. J. As agroindústrias de carne do sul do Brasil. 2002. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Letras, Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

FONSECA, P. C. D. BRDE: da hegemonia à crise de desenvolvimento. Porto Alegre: BRDE, 1988.

FRESCA, T. M. A rede urbana do norte do Paraná. Londrina: Eduel, 2004.

GOULARTI FILHO, A. A formação econômica de Santa Catarina. 3. ed. Florianópolis: UFSC, 2016.

IBGE. Produção pecuária municipal. Rio de Janeiro: IBGE, 1974-2018. Disponível em:

https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/ppm/quadros/brasil/2017. Acesso em: 8 dez. 2021.

IBGE. Produto interno bruto dos municípios. Rio de Janeiro: IBGE, 2017.

Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros. Acesso em: 23 jul.

JANK, M. S. Agronegócio versus agricultura familiar? O Estado de São Paulo, São Paulo, 5 jul. 2005.

LEFEBVRE, H. La producción del espacio. Papers, Bellaterra, v. 3, p. 219-229, 1974.

RANGEL, I. Economia: milagre e anti-milagre. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

RANGEL, I. Introdução ao desenvolvimento econômico brasileiro. São Paulo: Bienal, 1990.

RANGEL, I.; BENJAMIN, C. (org.). Obras reunidas. 3. ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável. Acervo de mapas catarinense. Florianópolis: Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, 1949-1997. Disponível em: http://www.spg.sc.gov.br/mapas/. Acesso em: 22 ago. 2022.

SCHMITZ, S. Bancos privados e públicos em Santa Catarina: a trajetória do BDE, contribuição à história bancária catarinense. 1992. Tese (Doutorado em História Econômica) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.

SILVA, J. G. da. A nova dinâmica da agricultura brasileira. 2. ed. Campinas: Unicamp, 1998.

SILVA, J. G. da; KAGEYAMA, A. Do complexo rural aos complexos agroindustriais. In: SILVA, J. G. da. A nova dinâmica da agricultura brasileira. Campinas: Unicamp, 1998.

TAVARES, M. C. Da substituição de importações ao capitalismo financeiro: ensaios sobre a economia brasileira. 11. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

VON DENTZ, E. A dinâmica geoeconômica da mesorregião Oeste catarinense: dos agronegócios à complexidade econômica regional. 2022. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2022.

WAIBEL, L. Capítulos de geografia tropical e do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1979.

Downloads

Publicado

03-03-2023

Como Citar

von Dentz, E. (2023). Estado, medidas institucionais e estrutura administrativa regional: a alavancagem dos agronegócios como base econômica da região oeste catarinense (1960-2000). Economia & Região, 11(1), 61–82. https://doi.org/10.5433/2317-627X.2023.v11.n1.46516

Edição

Seção

Artigos