A experiência da animalidade em "A maçã no escuro", de Clarice Lispector, e em "Acenos e afagos", de João Gilberto Noll: um estudo comparativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2022v42p83-95

Palavras-chave:

A maçã no escuro, Acenos e afagos, animalidade

Resumo

O presente artigo pretende analisar a experiência dos personagens de A maçã no escuro (1961), de Clarice Lispector (1920-1977), e Acenos e afagos (2008), de João Gilberto Noll (1946-2017), com a animalidade. Nesta aproximação, problematizaremos vivências, que, pelos animais, convocam a desclassificação e desorganização dos sujeitos. Para isto, o informe e o “imundo” emergem como maneira mais particular de evidenciar um contato entre o homem e o selvagem. Estamos, pois, no campo da desarticulação de qualquer ordenamento diante dos inumanos, na figura dos animais. Para este artigo, recorremos às reflexões de Nascimento (2012), Giorgi (2016), Berger (2021), Nor (2018), Maciel (2016), Sousa (2012), Seligmann-Silva (2011), Garramuño (2011), Agamben (2017), Bataille (2008), Yelin (2015) e Deleuze; Guattari (1980).

Biografia do Autor

Fabrício Lemos da Costa, Universidade Federal do Pará - UFPA

 

Mestre em Letras  pela Universidade Federal do Pará,  2020.

Mayara Ribeiro Guimarães, Universidade Federal do Pará - UFPA

Professora de Literatura Brasileira na Universidade Federal do Pará.
Doutorado em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio de jnaeiro, 2009.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O aberto: o homem e o animal. Trad. Pedro Barbosa Mendes. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

BATAILLE, Georges. Documents. Trad. João Camilo Penna e Marcelo Jacques de Moraes. Florianópolis: Cultura e Barbárie, 2018.

BERGER, John. Por que olhar para os animais? Trad. Pedro Paulo Pimenta. São Paulo: Fósforo, 2021.

BRAVO, Álvaro Fernández. Desenjaular o animal humano. Trad. Maria Esther Maciel. Maria Esther Maciel, org. Pensar/ escrever o animal: ensaios de zoopoética e biopolítica. Florianópolis: Ed. UFSC, 2011. p. 221-243.

DELEUZE, Gilles, & Félix Guattari. Mille plateaux: capitalisme et schizophrénie. Paris: Éditions de Minuit, 1980.

GARRAMUÑO, Florencia. Região compartilhada: dobras do animal-humano. Trad. Maria Esther Maciel. Maria Esther Maciel, org. Pensar/ escrever o animal: ensaios de zoopoética e biopolítica. Florianópolis: Ed. UFSC, 2011. p. 105-116.

GIORGI, Gabriel. Formas comuns: animalidade, literatura, biopolítica. Trad. Carlos Nougué. Rio de Janeiro: Rocco, 2016.

LISPECTOR, Clarice. A maçã no escuro. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1961.

MACIEL, Maria Esther. Literatura e a animalidade. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2016.

NASCIMENTO, Evando. Clarice Lispector: uma literatura pensante. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

NUNES, Benedito. O mundo de Clarice Lispector (ensaio). Manaus: Edições Governo do Estado do Amazonas, 1966.

NOOL, João Gilberto. Acenos e afagos. Rio de Janeiro: Record, 2008.

NOR, Gabriela Ruggiero. Narrativa e indeterminação: uma leitura de Acenos e afagos, de João Gilberto Noll. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) – Universidade de São Paulo, 2018. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8149/tde-29072019-145738/pt-br.php.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Mal-estar na cultura: corpo e animalidade em Kafka, Freud e Coetzee. Maria Esther Maciel, org. Pensar/ escrever o animal: ensaios de zoopoética e biopolítica. Florianópolis: Ed. UFSC, 2011. p. 149-167.

SOUSA, Carlos Mendes de. Clarice Lispector: figuras da escrita. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2012.

YELIN, Julieta. Viajes a ninguna parte. Sobre la representación de la animalidad en “Meu tio o iauaretê” de João Guimarães Rosa y A paixão segundo G.H. de Clarice Lispector. La letra salvaje: ensayos sobre literatura y animalidad. Rosario: Beatriz Viterbo, 2015. p. 135-149.

Downloads

Publicado

18-09-2022

Como Citar

COSTA, Fabrício Lemos da; GUIMARÃES, Mayara Ribeiro. A experiência da animalidade em "A maçã no escuro", de Clarice Lispector, e em "Acenos e afagos", de João Gilberto Noll: um estudo comparativo. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 42, n. 1, p. 83–95, 2022. DOI: 10.5433/1678-2054.2022v42p83-95. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/45206. Acesso em: 18 jul. 2024.