Leitura de clássicos universais no ciclo da alfabetização: aprendizagem por meio da tertúlia literária dialógica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2019v37p79

Palavras-chave:

alfabetização, clássicos literários, leitura, tertúlia literária dialógica.

Resumo

Diferentes vertentes teóricas discorrem sobre a formação de leitores no ambiente escolar. Nesse artigo, abordamos a Tertúlia Literária Dialógica, uma prática de leitura de clássicos da literatura universal que tem como um dos seus objetivos promover uma educação literária de forma crítica e dialógica, leitura essa que vai além do espaço escolar. Nesse sentido, identificaremos quais as contribuições dessa atividade de leitura para a formação de estudantes do Ciclo da Alfabetização de acordo com algumas propostas oficiais como o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa e os Parâmetros Curriculares Nacionais. Abordaremos também, fundamentadas em autores como Harold Bloom, Ítalo Calvino, T. S. Eliot, Ezra Pound e Leyla Perrone-Moisés, quais as características presentes nos textos clássicos universais que justificam seu uso na Tertúlia Literária Dialógica. Esse texto apresenta resultados de uma pesquisa bibliográfica e evidencia que é possível um trabalho de leitura diferente dos moldes autoritários e repetitivos que ainda permeiam as salas de aula; vemos na Tertúlia Literária Dialógica, uma atividade interdisciplinar e que, à luz das propostas de Paulo Freire, possibilita estabelecer relação entre a leitura do mundo e a leitura da palavra por meio de obras literárias clássicas.

 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Thais Aparecida Bento Reis, Universidade Federal de Alfenas

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Alfenas.

Vanessa Cristina Girotto, Universidade Federal de alfenas

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos. Professora da Universidade Federal de Alfenas.

Referências

BANDEIRA, Pedro. Robin Hood: a lenda da liberdade. São Paulo: Richmond Educação, 2018.

BLOOM, Harold. O Cânone Ocidental. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: o trabalho com os diferentes gêneros textuais na sala de aula: diversidade e progressão escolar andando juntas. Ano 03, unidade 05. Brasília: MEC, 2012.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais: língua portuguesa. Brasília: MEC, 1997.

CALVINO, Italo. Por que ler os clássicos. Trad. Nilson Moulin. São Paulo: Companhia de Bolso, 2007.

CALVINO, Italo. Seis propostas para o próximo milênio. Trad. Ivo Barroso. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

CANDIDO, Antonio. Vários Escritos. 5. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011.

CORSO, Gizelle Kaminski & Josiele Kaminski Corso Ozelame. Literatura, muito prazer... Anais do 14º Congresso Internacional ABRALIC, 2015. Disponível em: <http://www.abralic.org.br/anais/arquivos/2015_1456013685.pdf>. Acesso em 29 nov. 2016.

CURTIUS, Ernst Robert. Literatura Europeia e Idade Média Latina. Trad.Teodoro Cabral. São Paulo: EdUSP, 2013.

ELIOT, T. S. O que é um clássico? De poesia e poetas. Trad. Ivan Junqueira. São Paulo: Brasiliense, 1991, pp. 76-99.

FLECHA, Ramón. Compartiendo Palabras: al aprendizaje de las personas adultas a través del diálogo. Barcelona: Paidós, 1997.

FLECHA, Ramón, Rocío García Carrión & Aitor Gómez González. Transferencia de tertulias literarias dialógicas a instituciones penitenciarias. Revista de Educación (Madrid), 360, pp. 140-161, ene.-abr. 2013. Disponível em: <https://www.mecd.gob.es/dctm/revista-de-educacion/articulosre360/re36008.pdf?documentId=0901e72b814a77e8>. Acesso em 10 jan. 2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 42. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, Paulo & Donaldo Macedo. Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 4. ed. 2006.

GARCÍA, Ramón Flecha & Pilar Álvarez Cifuentes. Fomentando el Aprendizaje y la Solidaridad entre el Alumnado a través de la lectura de clásicos de la Literatura Universal: El caso de las Tertulias Literarias Dialógicas. Lenguaje y Sociedad (La Pampa) n. 13, pp. 1-19, abr. 2016. Disponível em <https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/6432811.pdf>. Acesso em 13 jan. 2017.

GIROTTO, Vanessa Cristina. Tertúlia Literária Dialógica entre crianças e adolescentes: aprendizagens educativas e transformadoras. 30ª Reunião da ANPED, Caxambu, 2007. Anais... Disponível em <http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt10-3819-int.pdf>. Acesso em 10 jan. 2017.

GIROTTO, Vanessa Cristina. Tertúlia Literária Dialógica entre crianças e adolescentes: conversando sobre âmbitos da vida. 2007. Universidade Federal de São Carlos, Dissertação (Programa de Pós- graduação em Educação).

HABERMAS, Jürgen. Teoria de la Acción Comunciativa: racionalidad de la acción y racionalización social. Madrid: Taurus, 1987. v. 1.

LOSANO, Carmem Cristiane Borges. O entrelugar do cânone na pós-modernidade: o cânone e os estudos culturais. Leitura (Maceió), n. 45, pp. 165-189, jan/jun, 2010. Disponível em: <http://www.seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/download/251/173>. Acesso em 10 jan. 2017.

MACHADO, Ana Maria. Como e por que ler os clássicos universais desde cedo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

MAGALHÃES, Amanda Chiaradia. Professora de biblioteca e a tertúlia literária dialógica: desafios e transformações. 2017. Universidade Federal de Alfenas, Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação). Disponível em: < https://bdtd.unifal-mg.edu.br:8443/handle/tede/925#preview-link0>. Acesso em 10 de outubro de 2017.

MELLO, Roseli Rodrigues de, Fabiana Marini Braga & Vanessa Gabassa. Comunidades de Aprendizagem: outra escola é possível. São Carlos: EdUFSCar, 2012.

MOREIRA, Maria Eunice. Cânone e cânones: um plural singular. Letras (Santa Maria), n. 26, pp. 89-94, 2003. Disponível em <http://dx.doi.org/10.5902/2176148511883>.

MORAES, Fabrício Tavares de. A controvérsia do cânone: criado das elites ou ministro da morte? REVELL – Revista de Estudos Literários da UEMS (Dourados), vol. 2 , n.7, pp. 119-131, dez. 2013. Disponível em: <https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/384>. Acesso em 10 de outubro de 2017.

MORPURGO, Michael. Minhas fábulas de Esopo. Trad. de Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2010.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas Literaturas. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

POUND, Ezra. ABC da literatura. Trad. Augusto de Campos e José Paulo Paes. 11. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

PULIDO, Cristina & Brigita Zepa. La interpretación interactiva de los textos a través de las tertulias literarias dialógicas. Revista Signos, (Valparaíso),v. 43, supl. 2, pp. 295-309, 2010. Disponível em <https://scielo.conicyt.cl/pdf/signos/v43s2/a03.pdf>. Acesso em 13 jan. 2017.

VALLS, Rosa, Marta Soler & Ramón Flecha. Lectura dialógica: interaccion es que mejoran y aceleran la lectura. Revista Iberoamericana de Educacion (Madrid), n. 46, pp. 71-87, jan./abr. 2008. Disponível em: <https://rieoei.org/RIE/article/view/717/1360>. Acesso em: 8 fev. 2010.

Downloads

Publicado

16-12-2019

Como Citar

REIS, T. A. B.; GIROTTO, V. C. Leitura de clássicos universais no ciclo da alfabetização: aprendizagem por meio da tertúlia literária dialógica. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 37, p. 79–93, 2019. DOI: 10.5433/1678-2054.2019v37p79. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/33830. Acesso em: 26 maio. 2024.