O Discurso Crítico Subversivo do Marginal na Crônica Brasileira Contemporânea

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2011v21p76

Palavras-chave:

Crônica brasileira contemporânea, Discurso crítico, Representação do marginal

Resumo

O presente artigo analisa como se constrói a representação e a autorrepresentação do marginal na crônica produzida no Brasil contemporaneamente. Parte da hipótese geral de que algumas crônicas manifestam um esforço no sentido de dar voz ao marginal. Afirma que isso é manifestado por meio do discurso crítico subversivo à luz de Stuart Hall (1998; 2003); Silviano Santiago (1989; 2004); e Walter Mignolo (2003). Assim, selecionamos os seguintes textos para análise: “Rio de Sangue” (2009), de Ferréz; “Estamos todos no inferno” (2006), de Arnaldo Jabor; “Provocações” (1999), de Luis Fernando Veríssimo, crônicas e cronistas reconhecidamente contemporâneos.

Biografia do Autor

Cleber José de Oliveira, Universidade Federal da Grande Dourados

Mestrando em Letras pela Universidade Federal da Grande Dourados.

Leoné Astride Barzotto, Universidade Federal da Grande Dourados

Doutorado em Letras pela Universidade Estadual de Londrina. Professora Adjunta na Universidade Federal da Grande Dourados.

Referências

ABDALA JUNIOR, Benjamin. Margens da Cultura: Mestiçagem, Hibridismo e Outras Misturas. São Paulo: Boitempo, 2004.

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universidade, 1997.

ARRIGUCCI Jr., Davi. Braga de ovo por aqui. São Paulo: Global Editora, 1987.

ARRIGUCCI Jr., Davi. Enigma e Comentário: Ensaios sobre Literatura e Experiência. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

ARRIGUCCI Jr., Davi. “Fragmentos sobre a crônica.” Folha de S. Paulo 1 mai. 1987. Folhetim: 6-9.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de Literatura e de Estética: a teoria do romance. São Pasaulo: Hucitec, 2002.

BRAGA, Rubem. Ai de ti, Copacabana. Rio de Janeiro: Record, 1999.

BHABHA, Homi K. O Local da Cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4ª ed. São Paulo: EDUSP, 2003.

CANDIDO, Antônio. “A vida ao rés-do-chão.” A crônica. Campinas: Unicamp UP, 1992. 13-22.

FANON, Franz. The Wretched of the Earth. New York: Grove P, 2004.

FERRÉZ. “Rio de Sangue.” Cronista de um tempo ruim. São Paulo: Selo Povo, 2009. 59-65.

HALL, Stuart. A identidade Cultural na Pós-modernidade. 2° ed. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.

HALL, Stuart. Da Diáspora: Identidades e Mediações Culturais. Belo horizonte: UFMG, 2003.

JABOR, Arnaldo. “Estamos todos no inferno.” Pornopolítica: Paixões e Taras na Vida Brasileira. Rio de Janeiro: Objetiva, 2006. 43-48.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: a Lógica Cultural do Capitalismo Tardio. São Paulo: Ática, 1996.

MIGNOLO, Walter D. Histórias locais / Projetos globais: Colonialidade, Saberes Subalternos e Pensamento Liminar. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

PIGLIA, Ricardo. Formas Breves. São Paulo: Cia. das Letras, 2004.

SANTIAGO, Silviano. Nas Malhas da Letras. São Paulo: Cia. Das Letras, 1989.

SANTIAGO, Silviano.O Cosmopolitismo do Pobre. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2004.

SIMON, Luiz Carlos. “O perfil intelectual do cronista contemporâneo.” Patricia Peterie et alii, orgs. Escritura e Sociedade: O Intelectual em Questão. Assis: UNESP, 2006. 159-168.

VERISSIMO, Luis Fernando. “Provocações.” Plenos Pecados. São Paulo: Objetiva, 1999. 31-34.

Downloads

Publicado

26-03-2016

Como Citar

OLIVEIRA, Cleber José de; BARZOTTO, Leoné Astride. O Discurso Crítico Subversivo do Marginal na Crônica Brasileira Contemporânea. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 21, p. 76–86, 2016. DOI: 10.5433/1678-2054.2011v21p76. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/24976. Acesso em: 24 jun. 2024.