Sentimentos em família no conto “A menor mulher do mundo”, de Clarice Lispector

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2010v20p26

Palavras-chave:

Clarice Lispector, Família, Simulacro

Resumo

O presente artigo analisa o conto “A menor mulher do mundo” com o objetivo de discutir como a narrativa da recepção da notícia jornalística sobre a descoberta de uma pigméia (considerada a menor mulher do mundo) em lares burgueses flagra questões importantes relacionadas aos sentimentos humanos em família e acaba por revelar modos como o sujeito moderno vê o primitivo, sem enfatizar puramente o que os distanciam.

Biografia do Autor

Joelma Santana Siqueira, Universidade Federal de Viçosa


Doutora em literatura brasileira pela Universidade de São Paulo. Professora da Universidade Federal de Viçosa.

Referências

BESSANEZI, Carla. 2004. “Mulheres dos anos dourados”. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto.

FLAX, Jane. 1991. “Pós-modernismo e relações de gênero na teoria feminista”. Heloísa Buarque de Holanda. Pós-modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco. 217-250.

JAMESON, Fredric. 1994. Espaço e imagem: teorias do pós-moderno e outros ensaios. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ.

LISPECTOR, Clarice. 1983. Laços de família. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

REIS, Roberto. 1992 “Cânon”. José Luiz Jobim. Palavra da crítica. Tendências e conceitos no estudo da literatura. São Paulo: Imago. 65-92.

SANTOS, Jair Ferreira dos. 1986. O que é pós-moderno. São Paulo: Brasiliense.

VICENS, Frances. 1979. Arte abstrata e arte decorativa. Rio de Janeiro: Salvat.

Downloads

Publicado

16-12-2010

Como Citar

SIQUEIRA, Joelma Santana. Sentimentos em família no conto “A menor mulher do mundo”, de Clarice Lispector. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 20, p. 26–36, 2010. DOI: 10.5433/1678-2054.2010v20p26. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/24939. Acesso em: 24 jun. 2024.