Os Nomes dos Bairros Criados em Dourados (MS) Entre 2008-2018

Autores

  • Marilze Tavares Universidade Federal da Grande Dourados
  • Maria do Carmo Nunes de Lima

DOI:

https://doi.org/10.5433/2237-4876.2020v23n3p44

Palavras-chave:

Onomástica, Toponímia, Toponímia urbana

Resumo

A Onomástica é a parte da Lexicologia responsável pelo estudo dos nomes próprios, que podem ser relativos a pessoas, a astros, a lugares, entre outros referentes. Nesta pesquisa, investigamos um conjunto de nomes de lugares, aos quais chamamos topônimos, objetos de estudo de uma das subdivisões da Onomástica, a Toponímia. A investigação proposta tem como objetivo principal realizar um estudo dos nomes dos bairros criados e aprovados na cidade de Dourados no período de 2008 a 2018, destacando tendências no que se refere à motivação semântica, à origem linguística e à estrutura formal dos nomes. Além disso, procedemos a uma comparação entre os topônimos dos novos bairros e os dos primeiros bairros da cidade. Os dados foram coletados junto aos órgãos responsáveis pelo planejamento urbano, na Prefeitura de Dourados, e analisados à luz das teorias que discutem a relação entre língua e fatores externos, léxico, e, mais especificamente, toponímia (SAPIR, 1969; DICK, 1990a, 1990b, entre outros). Entre os resultados obtidos, comparando os nomes mais novos com os mais antigos, podemos afirmar que as tendências, no que se refere à motivação, apresentam algumas distinções, mas, em geral, são muito semelhantes.


Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marilze Tavares, Universidade Federal da Grande Dourados

Mstre em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS (2004), doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina – UEL (2015), professora efetiva do curso de Letras da Universidade Federal da Grande Dourados – UFGD. 

Referências

BITTENCOURT, K. P. Toponímia urbana da cidade de Três Lagoas-MS: interfaces entre léxico, cultura e história. 2015. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, 2015.

DAUZAT, A. La toponymie française. 2. ed. Paris: Payot, 1946.

DICK, M. V. de P. A. Origens históricas da toponímia brasileira. Os topônimos transplantados. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 24, p. 76-96, 1982.

DICK, M. V. de P. A. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Arquivo do Estado de São Paulo, 1990a.

DICK, M. V. de P. A. Toponímia e antroponímia no Brasil. Coletânea de Estudos. 2. ed. São Paulo: Serviços de Artes Gráficas/FFLCH/USP, 1990b.

DICK, M. V. de P. A. A dinâmica dos nomes na cidade de São Paulo 1554-1897. São Paulo: Annablume, 1996.

MORI, Olga. Odónimos. El espacio mayor en el espacio menor. In: ACTES del XXIV Congrés Internacional d’ICOS sobre Ciències Onomàstiques, Annex. Secció 6, p. 1314-1325, 2014. Disponível em: https://bit.ly/3ibQHgc. Acesso em: 25 mar. 2020.

RIBEIRO, P. do N. Religiosidade na toponímia urbana de Campo Grande/MS: entrelaçamentos históricos e linguísticos. 2015. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2015.

SALAZAR-QUIJADA, A. La Toponimia en Venezuela. Caracas: Universidad Central de Venezuela, 1985.

SAMPAIO, T. O Tupi na geografia nacional. 5. ed. São Paulo: Editora Nacional; Brasília, DF: INL, 1987.

SAPIR, E. Língua e ambiente. In: Lingüística como ciência. Ensaios. São Paulo: Acadêmica, 1969. p. 43-62.

TAVARES, M. A toponímia das localidades rurais do município de Dourados (MS). Revista do GEL, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 164-191, 2015.

TAVARES, M. Tendências da toponímia urbana do município de Dourados–MS: os nomes de ruas. Guavira Letras, Três Lagoas, n. 25, p. 79-95, jul./dez. 2017.

Publicado

2021-06-29

Como Citar

TAVARES, M.; LIMA, M. do C. N. de. Os Nomes dos Bairros Criados em Dourados (MS) Entre 2008-2018. Signum: Estudos da Linguagem, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 44–59, 2021. DOI: 10.5433/2237-4876.2020v23n3p44. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/signum/article/view/39693. Acesso em: 15 jun. 2024.