O Jogo Como um Recurso para Contextualizar a Língua de Sinais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/2237-4876.2020v23n3p117

Palavras-chave:

língua de sinais, aquisição da segunda língua, jogos didáticos

Resumo

O ensino de Língua Brasileira de Sinais (Libras) pautou-se em sua oficialização pela Lei nº 10.436/2002, garantindo inclusão para e direito à comunicação da pessoa surda mediante a utilização da língua de sinais. Para tanto, são indispensáveis ações que promovam difusão desse conhecimento a toda sociedade, ampliando as possibilidades de interação social e educacional. Esse trabalho, objetiva conhecer como a utilização dos jogos didáticos contribuem para o processo de aprendizado da Língua Brasileira de Sinais como segunda língua. Assim, foi utilizada pesquisa bibliográfica, como aporte teórico, para posterior intervenção pedagógica por intermédio do desenvolvimento do circuito de atividades com duas turmas de um curso de Libras do Projeto de Extensão “Curso de Libras Instrumental – 2018”, ofertado em uma universidade estadual localizada no interior do Paraná. Pode-se observar que a utilização dos jogos didáticos adaptados auxilia para o processo de apropriação e compreensão desta língua espacial e visual. Almejamos que este trabalho contribua no âmbito teórico e que as análises apresentadas possam assegurar a utilização do jogo adaptado como possibilidade lúdica, contextualização e internalização de vocabulários na aquisição da Libras como segunda língua. 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Nerli Nonato Ribeiro Mori, Universidade Estadual de Maringá

Professora Titular do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá

Joicemara Severo Silveira, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual de Maringá Educação - UEM. Tradutora/ Intérprete Português/Libras - Universidade Estadual do Oeste do Paraná e Docente do curso de Letras/Libras Unioeste (EAD)

 

Aline Keryn Pin, Universidade Tecnológica do Paraná – UTFPR – TD

Mestre em Educação 2014 pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, professora do magistério superior da Universidade Tecnológica do Paraná – UTFPR – TD.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 abr. 2002. Disponível em: https://bit.ly/2StGwsM. Acesso em: 15 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Decreto nº 5.626. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 2005. Disponível em: https://bit.ly/3wmFbD0. Acesso em: 15 jul. 2019.

CAPOVILLA, F.C.; RAPHAEL, W. D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue da Língua de Sinais Brasileira. Volume I: Sinais de A a L. São Paulo: Edusp; Fapesp; Fundação Vitae; Feneis; Brasil Telecom, 2001a.

CAPOVILLA, F.C.; RAPHAEL, W. D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue da Língua de Sinais Brasileira. Volume II: Sinais de M a Z. São Paulo: Edusp; Fapesp; Fundação Vitae; Feneis; Brasil Telecom, 2001b.

CASTRO, D. F.; TREDEZINI, A. L. M. A importância do jogo/lúdico no processo de ensino-aprendizagem. Perquirere, v. 11, n. 1, p. 166-181, jul. 2014. Disponível em: https://bit.ly/3vi4swz. Acesso em: 26 jul. 2018.

DAMIANI, M. F.; ROCHEFORT, R. S.; CASTRO, R. F.; DARIZ, M. R.; PINHEIRO, S. S. Discutindo pesquisas do tipo intervenção pedagógica. Cadernos de Educação, Pelotas, v. 45, n. 57, p. 57-67, maio/ago. 2013. Disponível em: https://bit.ly/3vluGyg. Acesso em: 15 jul. 2019.

FONSECA, R. C. C. V.; GIMENEZ, K. M. P. A aquisição de uma segunda língua como processo estruturante da identidade social. In: PARANÁ. Secretaria da Educação. Dia a Dia Educação. 2007. Disponível em: https://bit.ly/3pMKE3z. Acesso em: 15 jul. 2019.

KASDORF, L. Jogos no ensino de línguas estrangeiras. 2013. Monografia (Especialização em Ensino de Línguas Estrangeiras Modernas) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2013. Disponível em: https://bit.ly/3ximQqB. Acesso em: 15 jul. 2019.

LACERDA, C. B. F. de. O intérprete de Língua de Sinais no contexto de uma sala de aula de alunos ouvintes: problematizando a questão. In: LACERDA, C. B. F. de; GÓES, M. C. R. de. Surdez: processos educativos e subjetividade. São Paulo: Lovise, 2000. p. 51-84.

LACERDA, C. B. F. de; CAPORALI, S. A.; LODI, A. C. Questões preliminares sobre o ensino de língua de sinais a ouvintes: reflexões sobre a prática. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 53-63, abr. 2004. Disponível em: https://bit.ly/2Trfa6O. Acesso em: 15 jul. 2019.

LEONTIEV, A. O homem e a cultura. In: LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. São Paulo: Moraes, 1978.

MAR, G. D. do. Jogando para aprender: o lúdico no ensino de línguas. In: CONGRESO BRASILEÑO DE HISPANISTAS, 2., 2002, Assis (SP). Proceedings online... Associação Brasileira de Hispanistas, 2002. Disponível em: https://bit.ly/2SnCoe9. Acesso em: 15 jul. 2019.

PIMENTEL, I. F.; SABINO E. B. Jogos adaptados utilizados como recurso pedagógico facilitador para o ensino de LIBRAS em Castanhal–PA. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO E INCLUSÃO – CINTENDI, 1., 2014, Campina Grande-PB. Anais... p. 1-10. Disponível em: https://bit.ly/3cGzdoK. Acesso em: 25 jul. 2018.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível em: https://bit.ly/2SznEZo. Acesso em: 15 jul. 2019.

VALADÃO, M. N.; RODRIGUES, L. F; LOURENÇO, A. R; REIS, B. G. Os desafios do ensino e aprendizagem da Libras para crianças ouvintes e suas relações com a educação inclusiva de alunos surdos. Revista (Con)Textos Linguísticos, v. 10, n. 15, p. 125-147, 2016. Disponível em: https://bit.ly/3zjknOJ. Acesso em: 15 jul. 2019.

Publicado

2021-06-29

Como Citar

MORI, N. N. R.; SILVEIRA, J. S.; PIN, A. K. O Jogo Como um Recurso para Contextualizar a Língua de Sinais. Signum: Estudos da Linguagem, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 117–131, 2021. DOI: 10.5433/2237-4876.2020v23n3p117. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/signum/article/view/37189. Acesso em: 25 maio. 2024.