Psicologia, trabalho e relações raciais: as trabalhadoras domésticas no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0383.2023v44n2p177

Palavras-chave:

Domésticas, História, Mulheres negras, Trabalho

Resumo

 No Brasil, as raízes do sistema de escravidão continuam a influenciar as dinâmicas de trabalho e que perpetuam, na grande maioria das vezes, o racismo como condição estruturante das relações sociais no país. Após o fim da escravidão, o preconceito racial esteve direcionado, especialmente, às trabalhadoras negras que frequentemente encontraram, apenas, como resultado da sociabilidade cotidiana do nosso país, remuneração e renda no trabalho doméstico, ou mesmo, em condições precárias e de baixa remuneração em diferentes setores que geram empregabilidade. Infelizmente, essas condições estiveram, por vezes, próximas à servidão e à escravidão, contribuindo para a construção e disseminação de um discurso racial de base discriminatória que tende a naturalizar o contexto que produz desigualdades sociais e, principalmente, condutas violentas contra corpos negros. Com o viés de abordar a violência estrutural enfrentada pelas mulheres negras no contexto do trabalho contemporâneo, buscamos a partir da Psicologia Social do Trabalho construir discussões que possam contribuir para a ampliação do debate acerca das questões raciais no Brasil, bem como o incentivo à construção de novas práticas voltadas a compreender as dinâmicas sociais e singulares que estão presentes no cotidiano dessas trabalhadoras. Nesse contexto, este artigo se concentra na análise das condições raciais e sociais enraizadas no modelo escravista brasileiro, com destaque para as trabalhadoras domésticas.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luciano de Oliveira Marques, Centro Universitário de Ourinhos - UNIFIO

Psicólogo. Graduação pelo Centro Universitário de Ourinhos (Unifio), Ourinhos, São Paulo,

Felipe Ferreira Pinto, Centro Universitário de Ourinhos - Unifio

Psicólogo. Doutorando no Programa de Psicologia Social do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IPUSP), São Paulo, São Paulo, Brasil. Professor e Coordenador do Curso de Psicologia do Centro Universitário de Ourinhos (Unifio), Ourinhos, São Paulo,

Referências

ANTUNES, Ricardo. Os novos proletários do mundo na virada do século. Lutas Sociais, São Paulo, n. 6, p. 113-124, 1999. DOI: https://doi.org/10.23925/ls.v0i6.18885

BRASIL. Emenda constitucional n. 72, de 2 de abril de 2013. Altera a redação do parágrafo único do art. 7. da Constituição Federal para estabelecer a igualdade de direitos trabalhistas entre os trabalhadores domésticos e os demais trabalhadores urbanos e rurais. Brasília, DF: Presidência da República, 2013. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc72.htm. Acesso em: 4 jun. 2023.

BRASIL. Lei complementar n. 150, de 1 de junho de 2015. Dispõe sobre o contrato de trabalho doméstico; altera as leis nº 8.212, de 24 de julho de 1991, nº 8.213, de 24 de julho de 1991, e nº 11.196, de 21 de novembro de 2005; revoga o in¬ciso I do art. 3º da lei nº 8.009, de 29 de março de 1990, o art. 36 da lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, a lei nº 5.859, de 11 de dezembro de 1972, e o inciso VII do art. 12 da lei nº 9.250, de 26 de dezembro 1995; e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2015. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp150.htm. Acesso em: 4 jun. 2023.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

D'ADESKY, Jacques Edgard. Percursos para o reconhecimento, igualdade e respeito. Rio de Janei¬ro: Cassará Editora, 2018.

DEJOURS, Christophe. Subjetividade, trabalho e ação. Production, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 27-34, dez. 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-65132004000300004 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-65132004000300004

FERREIRA, Adriana; KALAKUN, Jacqueline; SCHEIFLER, Anderson B. Trabalho e sociabilidade. Porto Alegre: Grupo A+, 2018. E-book. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788595025578/. Acesso em: 4 jun. 2023.

LÉVY, André; NICOLAI, André; ENRIQUEZ, Eugène; DUBOST, Jean. Psicossociologia: análise social e intervenção. Petrópolis: Vozes, 2001.

LIMA, Leonardo Araujo. Dramas do trabalho e da sobrevivência de domésticas-diaristas: servir, reagir e devir. 2022. Tese (Doutorado em Ciências) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2022. DOI: https://doi.org/10.11606/T.47.2022.tde-31012023-125224 DOI: https://doi.org/10.11606/T.47.2022.tde-31012023-125224

MELLO, Sylvia Leser de. Entrevista: Sylvia Leser de Mello. [Entrevista cedida a] Leny Sato. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 1, dez. 1998. Disponível: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-37171998000100005. Acesso em: 4 jun. 2023. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v1i0p57-63

NASCIMENTO, Álvaro Pereira. Trabalhadores ne¬gros e o “paradigma da ausência”. Estudos Histó¬ricos, Rio de Janeiro, v. 29, p. 607-626, set./dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/S2178-149420 16000300003 DOI: https://doi.org/10.1590/s2178-14942016000300003

SATO, Leny; COUTINHO, Maria Chalfin; BER¬NARDO, Marcia Hespanhol. Psicologia social do trabalho. Petrópolis: Vozes, 2018.

SATO, Leny; BERNARDO, Marcia Hespanhol; OLIVEIRA, Fábio de. Psicologia social do trabalho e cotidiano: a vivência de trabalhadores em diferentes contextos micropolíticos. Psicologia Para América Latina, Ciudad de Mexico, n. 15, dez. 2008. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1870-350X2008000400010. Acesso em: 4 jun. 2023.

SOUZA, Leda Maria Teles de. Dependência de empregada: o espaço da exclusão. 1991. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1991.

Downloads

Publicado

29.12.2023

Como Citar

MARQUES, L. de O.; PINTO, F. F. Psicologia, trabalho e relações raciais: as trabalhadoras domésticas no Brasil. Semina: Ciências Sociais e Humanas, [S. l.], v. 44, n. 2, p. 177–188, 2023. DOI: 10.5433/1679-0383.2023v44n2p177. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/49490. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigo