A diversidade dos sistemas de cura e suas implicações para o cuidado de enfermagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0383.2023v44n2p141

Palavras-chave:

Cuidados de Enfermagem, Enfermagem Transcultural, Antropologia Médica, Cultura Popular, Diversidade Cultural.

Resumo

 O objetivo deste estudo é compreender a diversidade dos sistemas de cura e suas relações com o cuidado de enfermagem. Trata-se de um estudo teórico, narrativo, que recorre à literatura nas áreas de antropologia e enfermagem transcultural na construção de um itinerário argumentativo em torno de como a enfermagem pode se posicionar diante dos variados sistemas de cura existentes e operantes na contemporaneidade. As noções de saúde e de doença são abordadas como realidades bioculturais que compõem sistemas de cura com os quais a enfermagem lida em sua prática cotidiana. Destaca--se a necessidade de considerar o caráter intersubjetivo e social da cura, assinalando as relações entre indivíduo e sociedade como fundamentais nesse processo, o que atravessa o modo como são construídas e legitimadas as práticas de saúde que visam à cura e ao processo de cuidar. A dicotomia do curar/tratar versus o cuidar deve ter como referência esses diferentes sistemas, priorizando uma noção de cultura que integre a produção de respostas profissionais para situações que envolvem corpo, saúde e doença na luta da vida cotidiana. Tais reflexões visam a instrumentalizar as enfermeiras para o desenvolvimento de competências profissionais que considerem e aprofundem os aspectos socioantropológicos relacionados ao processo saúde-doença-cuidado

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Lucas Pereira de Melo, Universidade de São Paulo - USP

Doutor em Enfermagem pela Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, São Paulo, Brasil. Professor do Departamento de Enfermagem Psiquiátrica e Ciências Humanas da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (EERP-USP), Ribeirão Preto, São Paulo.

Fabio Scorsolini-Comin, Universidade de São Paulo - USP

Doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, São Paulo, Brasil. Professor do Departamento de Enfermagem Psiquiátrica e Ciências Humanas da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (EERP-USP), Ribeirão Preto, São Paulo

Referências

ALVES, P. C. A experiência da enfermidade: con¬siderações teóricas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 263-271, 1993. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X1993000300014

ALVES, P. C. Itinerário terapêutico, cuidados à saúde e a experiência de adoecimento. In: GER-HARDT, T. E.; PINHEIRO, R.; RUIZ, E. N. F.; SILVA JÚNIOR, A. G. (Org.). Itinerários terapêuticos: integralidade no cuidado, avaliação e formação em saúde. Rio de Janeiro: CEPESC Editora, IMS/UERJ, ABRASCO, 2016. p. 125-146.

ALVES, P. C.; SOUZA, I. M. A. Escolha e avaliação de tratamento para problemas de saúde: considerações sobre o itinerário terapêutico. In: RABELO, M. C. M. et al. (Org.). Experiência de doença e narrativa. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1999. p. 125-138.

ANTONINI, F. O.; BOEHS, A. E.; LENARDT, M. H.; BUDÓ, M. L. D.; MONTICELLI, M. Enfer¬magem e cultura: características das teses e dissertações produzidas na pós-graduação da enfermagem brasileira. Revista de Enfermagem da UFSM, Santa Maria, v. 4, n. 1, p. 163-171, 2014. DOI: https://doi.org/10.5902/217976929724

BARTHES, R. From work to text. In: HARARI, J. V. (Ed.). Textual strategies: perspectives in post-structuralist criticism. New York: Cornell University Press, 1979. p. 73-81. DOI: https://doi.org/10.7591/9781501743429-003

BRITES, J.; MOTTA, F. M. Introdução. In: BRI¬TES, J.; MOTTA, F. M. (Org.). Etnografia, o espírito da antropologia: tecendo linhagens, ho¬menagem a Claudia Fonseca. Santa Cruz do Sul: EDUNISC; Brasília: ABA Publicações, 2017. p. 16-34.

BROWN, P. J.; BARRETT, R. L.; PADILLA, M. B. Medical anthropology: an introduction to the field. In: BROWN, P. J. (Ed.). Understanding and applying medical anthropology (p. 10-19). London: Mayfield, 1998. p. 10-19.

CAI, D. Y. A concept analysis of cultural competence. International Journal of Nursing Science, v. 3, n. 3, p. 268-273, 2016. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ijnss.2016.08.002

CAMPOS, E. A. Aspectos socioculturais e as prá¬ticas de cuidado em enfermagem. In: NAKAMURA, E.; MARTIN, D.; SANTOS, J. F. Q. (Org.). Antropologia para enfermagem. Barueri: Manole, 2009. p. 59-81.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

CSORDAS, T. Corpo, significado e cura. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

DUARTE, L. F. D. Da vida nervosa nas classes trabalhadoras urbanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor; Brasília: CNPq, 1986.

FONSECA, C.; CARDARELLO, A. Direitos dos mais e menos humanos. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, n. 10, p. 83-122, 1999. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-71831999000100005

FOUCAULT, M. O nascimento da clínica. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

HELMAN, C. G. Cultura, saúde e doença. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009(a).

HELMAN, C. G. Doença versus enfermidade na clínica geral. Campos: Revista de Antropologia, Curitiba, v. 10, n. 1, p. 119-128, 2009(b). DOI: https://doi.org/10.5380/cam.v10i1.18582

KLEINMAN, A. (1980). Patients and healers in the context of culture. Berkeley: University of Cali¬fornia Press, 1980. DOI: https://doi.org/10.1525/9780520340848

KLEINMAN, A. (Ed.). The illness narratives: suffering, healing, and the human condition. Cam-bridge: Basic Book, 1988.

LANGDON, E. A doença como experiência: o papel da narrativa na construção sociocultural da doença. Etnográfica, v. 2, p. 241-260, 2001. DOI: https://doi.org/10.4000/etnografica.2813

LANGDON, E. Comentários sobre “Doença ver¬sus enfermidade na clínica geral”, de Cecil G. Hel¬man. Campos: Revista de Antropologia, Curitiba, v. 10, n. 1, p. 113-117, 2009. DOI: https://doi.org/10.5380/cam.v10i1.18581

LANGDON, E. J.; WIIK, F. B. Antropologia, saúde e doença: uma introdução ao conceito de cultura aplicada às ciências da saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 18, n. 3, 9 t., 2010.

LAPLANTINE, F. Antropologia da doença. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

LEININGER, M. M. Nursing and anthropology: two worlds to blend. New York: Wiley, 1970. DOI: https://doi.org/10.1097/00000446-197110000-00049

LEININGER, M. M. Transcultural nursing: con¬cepts, theories, and practices. New York: John Wi¬ley & Sons, 1978.

LEININGER, M. M. Culture care diversity and universality: theory of nursing. New York: Nation¬al League for Nursing, 1991.

LEININGER, M. M. Transcultural nursing: con¬cepts, theories, research & practices. 2. ed. New York: McGraw-Hill, 1996.

LEININGER, M. M. Overview of the theory of culture care with the ethnonursing research method. Journal of Transcultural Nursing, v. 8, n. 2, p. 32-52, 1997. DOI: https://doi.org/10.1177/104365969700800205

LÉVI-STRAUSS, C. Antropologia estrutural. 5. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996.

MAUSS, M. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

MELO, L. P. A contemporaneidade da Teoria do Cuidado Cultural de Madeleine Leininger: uma perspectiva geo-histórica. Ensaio & Ciência, v. 14, n. 2, p. 21-32, 2010.

MELO, L. P. Enfermagem e antropologia no Brasil: relações, dilemas e desafios. Cultura de los Cuidados, v. 17, n. 36, p. 66-76, 2013. DOI: https://doi.org/10.7184/cuid.2013.36.08

MELO, L. P. Enfermagem como uma ciência humana centrada no cuidado. Revista Mineira de En¬fermagem, v. 20, e979, 2016. DOI: https://doi.org/10.5935/1415-2762.20160049

MONTICELLI, M. O conceito de cultura e a prática da enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 15, n. 1-2, p. 20-25, 1994.

PURNELL, L. The Purnell Model for cultural compentence. Journal of Multicultural Nursing and Health, v. 11, n. 2, p. 7-15, 2005.

RABELO, M. C. M. Ritual, religião e cura. In: ALVES, P. C.; MINAYO, M. C. S. (Org.). Saúde e doença: um olhar antropológico. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1994. p. 47-56.

SARTI, C. A. Saúde e sofrimento. In: MARTINS, C. B.; DUARTE, L. F. D. (Org.). Horizontes das ciências sociais no Brasil: antropologia. São Paulo: Anpocs/Barcarolla/Discurso Editorial, 2010(a). p. 197-223.

SARTI, C. A. Corpo e doença no trânsito de saberes. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 25, n. 74, p. 77-90, 2010(b). DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092010000300005

SCORSOLINI-COMIN, F. The gypsy and the University. GIS - Gesto, Imagem e Som: Revista de Antropologia, v. 7, p. e181355, 2022. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2022.181355

SILVA, L. M. F.; SCORSOLINI-COMIN, F. Na sala de espera do terreiro: uma investigação com adeptos da umbanda com queixas de adoecimento. Saúde e Sociedade, v. 29, n. 1, p. e190378, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-10.1590/s0104-1290202019037812902020190378

TURNER, V. Floresta de símbolos: aspectos do ritual Ndembu. Niterói: Editora da UFF, 2005.

YOUNG, A. Some implications of medical beliefs and practices for social anthropology. American Anthropologist, v. 78, n. 1, p. 5-24, 1976. DOI: https://doi.org/10.1525/aa.1976.78.1.02a00020

Downloads

Publicado

29.12.2023

Como Citar

MELO, L. P. de; SCORSOLINI-COMIN, F. A diversidade dos sistemas de cura e suas implicações para o cuidado de enfermagem. Semina: Ciências Sociais e Humanas, [S. l.], v. 44, n. 2, p. 141–152, 2023. DOI: 10.5433/1679-0383.2023v44n2p141. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/46274. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)