Produção e qualidade de frutos de minimelancia com diferentes números de hastes, em sistema de cultivo em calhas e reutilização de substrato

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0359.2021v42n2p471

Palavras-chave:

Citrullus lanatus, Cultivo em vasos, Rendimento e qualidade de frutos, Recirculação do lixiviado.

Resumo

O cultivo em vasos com substrato é uma técnica em expansão na produção de hortaliças, porém, para minimelancias, poucos estudos estão disponíveis. Este trabalho introduz o sistema de calhas preenchidas com substrato e com recirculação do lixiviado para esta cultura, como uma alternativa de baixo custo e menor impacto ambiental. Para que o sistema seja viável e possibilite boa produtividade e qualidade dos frutos, vários aspectos devem ser estudados, entre estes, as características físicas do substrato, a possibilidade de reutilizá-lo em cultivos sucessivos e o manejo adequado das plantas. O objetivo do trabalho foi estudar o efeito do sistema de cultivo e da reutilização sobre as alterações das propriedades do substrato de casca de arroz in natura, a produção e a qualidade de frutos de plantas de minimelancia cultivadas com diferentes números de hastes. Dois experimentos, empregando sistemas com recirculação da solução nutritiva, foram realizados. No primeiro, as plantas foram cultivadas em vasos e calhas. No segundo, foram comparados substratos de primeiro e segundo uso no cultivo em calhas. Em ambos os experimentos, foi estudada a condução das plantas em uma e duas hastes. Em relação aos resultados obtidos, no primeiro experimento, o sistema de calhas teve maior impacto positivo sobre as características físicas do substrato, cuja capacidade de retenção de água (CRA) passou do valor inicial de 7,9% para 15,6% ao final, enquanto que nos vasos se elevou a 11,2%. Porém, os sistemas não afetaram a produtividade, com média de 8 kg/m², e a qualidade dos frutos. As plantas de duas hastes apresentaram maior produção de frutos (4,2 kg/planta), com maior conteúdo de sólidos solúveis totais - SST (11,4 oBrix), ainda que sem efeito sobre o peso médio. Porém, as plantas de uma haste apresentaram maior número (7,3 frutos/m²) e produção de frutos (9,7 kg/m²). No segundo experimento, o substrato de 2º uso apresentou maior CRA (12,4%) que o substrato novo (9,9%) e proporcionou melhores resultados de produtividade e qualidade para a maioria das variáveis estudadas, obtendo-se 5,9 frutos e 5,3 kg/m², com SST de 10,5 oBrix. As plantas de duas hastes tiveram resultados melhores de peso médio de frutos e, consequentemente, de produção por planta do que as plantas de uma haste, sem efeitos sobre o número de frutos/planta, o rendimento por m2 e a qualidade.

Biografia do Autor

Josiéle Garcia Dutra, Universidade Federal de Pelotas

Tecnólogo em Fruticultura, M.e em Agronomia, Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar, Universidade Federal de Pelotas, UFPel, Capão do Leão, RS, Brasil.

Roberta Marins Nogueira Peil, Universidade Federal de Pelotas

Profª Drª, Departamento de Produção Vegetal, UFPel, Capão do Leão, RS, Brasil. Pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq.

Tatiana da Silva Duarte, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Profª Drª, Departamento de Horticultura e Silvicultura, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil.

Cesar Valmor Rombaldi, Universidade Federal de Pelotas

Prof. Dr., Departamento de Ciência e Tecnologia Agroindustrial, UFPel, Capão do Leão, RS, Brasil. Pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq.

Paulo Roberto Grolli, Universidade Federal de Pelotas

Prof. Dr., Departamento de Produção Vegetal, UFPel, Capão do Leão, RS, Brasil.

Aline Soares Pereira, Universidade Federal de Pelotas

Bióloga, Discente do Curso de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar, UFPel, Capão do Leão, RS, Brasil.

Athos Odin Severo Dorneles, Universidade Federal de Pelotas

Biólogo, Dr. em Fisiologia Vegetal, UFPel, Departamento de Biologia, Capão do Leão, RS, Brasil.

Referências

Almeida, D. (2006). Horticultural crops manual. Lisbon: Ed. Presença.

Barni, V., Barni N. A., & Silveira, J. R. P. (2003). Melon plant in polyethylene greenhouse: two stems are the best system of conduction. Ciência Rural, 33(6), 1039-1043. doi: 10.1590/S0103-8478200300060 0007

Bohm, W. (1979). Methods of studying root system. Berlin: Spring Verlang.

Boodt, M., & Verdonck, O. (1972). The physical properties of the substrates in horticulture. Acta Horticulturae, 26(1), 7-44. doi: 10.17660/ActaHortic.1972.26.5

Cadahia, C. (1998). Fertirrigacion: cultivos hortícolas y ornamentales. Madrid: Mundi-Prensa.

Campagnol, R. (2009). Sistemas de condução de mini melancia cultivada em ambiente protegido. Dissertação de mestrado. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, SP, Brasil.

Campagnol, R., Matsuzaki, R. T., & Mello, S. C. (2016). Vertical conduction system and plant density of mini watermelon in greenhouse. Horticultura Brasileira, 34(1), 137-143. doi: 10.1590/S0102-05362 0160000100021

Campagnol, R., Mello, S. C., & Barbosa, J. C. (2012). Vertical growth of mini watermelon according to the training height and plant density. Horticultura Brasileira, 30(4), 726-732. doi: 10.1590/S0102-0536 2012000400027

Casas-Castro, A. (1999). Formulación de la solución nutritiva. Parámetros de ajuste. In M. F. Férnandez, & I. M. G. Cuadrado (Eds.), Cultivos sin Suello II (2nd ed., pp. 257-266). Almería: DGIFA-FIAPA-Caja Rural de Almería.

Chitarra, M. I. F., & Chitarra, A. B. (2005). Postharvest of fruits and vegetables: physiology and handling. Lavras: UFLA.

Dias, R. C. S., & Lima, M. A. C. (2010). Harvest and post-harvest. Watermelon production systems. Petrolina: EMBRAPA Informação Tecnológica/EMBRAPA Semiárido. Retrieved from http://sistemas deproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Melancia/SistemaProducaoMelancia/

Fermino, M. H. (2014). Substrates: composition, characterization and methods of analysis. Guaíba: Agrolivros.

Gomes, R. F., Santos, L. S., Braz, L. T., Andrade, F. L. N., & Monteiro, S. M. F. (2019). Number of stems and plant density in mini watermelon grown in a protected environment. Pesquisa Agropecuária Tropical, 49(1), 1-8. doi: 10.1590/1983-40632019v4954196

Goto, R., Hora, R. C. da, & Demant, L. A. R. (2005). Protected cultivation in Brazil: history, perspectives and problems faced with its use. In F. Bello Fº., H. P. dos Santos, & P. R. D. de Oliveira (Eds,), Research seminar on tempered fruit (pp. 27-29). Bento Gonçalves, RS: Programs and Lectures. EMBRAPA Grape and Wine.

Heine, A. J. M., Moraes, M. O. B., Porto, J. S., Souza, J. R. de, Rebouças, T. N. H., & Santos, B. S. R. (2015). Stem number and spacing in tomato production and quality. Scientia Plena, 11(9), 1-10. doi: 10. 14808/sci.plena.2015.090202

Hoffmann, G. (1970). Verbindliche methoden zur untersuchung von TKS und gartnerischen erden. Mitteilungen der VSLUFA, 6, 129-153.

Hurst, W. C. (2010). Commercial watermelon prodution/ harvest and handling. Retrieved from https:// secure.caes.uga.edu/extension/publications/files/pdf/B%20996_4.PDF

Kämpf, A. N. (2005). Commercial ornamental plant production (2nd ed.). Guaíba: Agrolivros.

Marques, G. N. (2013). Crescimento e consumo de água de genótipos de minimelancia em sistema hidropônico sob ambiente protegido. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Montezano, E. M. (2007). Sistemas de cultivo sem solo para a cultura do meloeiro. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Neutzling, C. (2018). Reutilização de substrato de casca de arroz in natura em sistema de calhas com recirculação do lixiviado para cultivo de híbridos de pepineiro conserva. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Peil, R. M. N., & Signorini, C. (2018). Aspectos técnicos e ambientais da produção de hortaliças de fruto em sistemas “abertos” e “fechados” de cultivo em substrato. Anais De Resumos Expandidos Do XI Encontro Nacional Sobre Substrato Para Plantas - XI Ensub, Canela, RS, Brasil, 11.

Perin, L., Peil, R. M. N., Hohn, D., Rosa, D. S. B., Wieth, A. R., & Grolli, P. R. (2018). Trough and pot crop systems with leaching recirculation and defoliation levels for mini tomatoes. Acta scientiarum Agronomy, 40(1), 34992. doi: 10.4025/actasciagron.v40i1.34992

Reis, L. S., Azevedo, C. A. de, Albuquerque, A. W., & Silva, J. F. Jr. (2013). Leaf area index and tomato yield under protected environment conditions. Engenharia Agrícola e Ambiental, 17(4), 386-391. doi: 10.1590/S1415-43662013000400005

Requena, G. (1999). Cultivo hidropônico de la sandía. In M. F. Fernández, & I. M. C. Gómez (Eds.), Cultivos sin suelo II. Dirección general de investigación y formación para investigación agraria en la provincia de almería/ caja rural de Almería. (vol. 5, pp. 573-579). Almeria: Curso Superior de Especialización.

Resende, G. M., & Costa, N. D. (2003). Yield characteristics of watermelon in different planting spaces. Horticultura Brasileira, 21(4), 695-698. doi: 10.1590/S0102-05362003000400025

Rodrigues, S. (2012). Produção e partição de biomassa, produtividade e qualidade de mini melancia em hidroponia. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Rosa, D. S. B., Peil, R. M. N., Perin, L., Hohn, D., Weith, A. R., & Grolli, P. R. (2016, setembro). Reutilização de substrato de casca de arroz e número de hastes para o tomateiro grape em sistema com recirculação da solução nutritiva. Anais de resumos expandidos do XI Encontro Brasileiro de Hidroponia e III Simpósio Brasileiro de Hidroponia. Florianópolis, SC, Brasil, 73.

Santos, J. D. G., Jr., Sá, M. D., Ferreira, E. A. B., Resck, D. V. S., & Lavres, J. O., Jr. (2007). Minirhizotron system in the study of root dynamics. (Document, 203). Planaltina, DF: EMBRAPA Cerrados.

Taiz, L., & Zeiger, E. (2006). Plant physiology (3nd ed). Porto Alegre: Artmed.

Downloads

Publicado

2021-02-24

Como Citar

Dutra, J. G., Peil, R. M. N., Duarte, T. da S., Rombaldi, C. V., Grolli, P. R., Pereira, A. S., & Dorneles, A. O. S. (2021). Produção e qualidade de frutos de minimelancia com diferentes números de hastes, em sistema de cultivo em calhas e reutilização de substrato. Semina: Ciências Agrárias, 42(2), 471–486. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2021v42n2p471

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)