Fenologia e demanda térmica das videiras ‘Isabel’ e ‘Rubea’ sobre diferentes porta-enxertos na Região Norte do Paraná

Autores

  • Alessandro Jefferson Sato Universidade Estadual de Londrina
  • Bruno Jubileu da Silva Universidade Estadual de Londrina
  • Cristiano Ezequiel dos Santos Universidade Estadual de Londrina
  • Roseneide Bertolucci Universidade Estadual de Londrina
  • Roberta dos Santos Universidade Estadual de Londrina
  • Mariana Carielo Universidade Estadual de Londrina
  • Marília Cherobin Guiraud Universidade Estadual de Londrina
  • Inês Cristina de Batista Fonseca Universidade Estadual de Londrina
  • Sérgio Ruffo Roberto Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0359.2008v29n2p283

Palavras-chave:

Uva, Graus-dia, Suco de uva, Vitis labrusca.

Resumo

Este trabalho teve como objetivo caracterizar o comportamento fenológico, bem como determinar a demanda térmica das videiras ‘Isabel’ (Vitis labrusca) e ‘Rubea’ (V. labrusca x (V. labrusca x V. vinifera) x V. labrusca) enxertadas sobre os porta-enxertos IAC 766 Campinas, IAC 572 Jales e 420-A, destinadas à elaboração de suco de uva no Norte do Paraná. O experimento foi conduzido em um pomar experimental pertencente ao Centro Tecnológico da Cooperativa Corol, localizado no município de Rolândia, PR. O plantio dos porta-enxertos foi realizado em julho de 2002, e a enxertia das copas em julho de 2003. O delineamento experimental adotado foi o inteiramente casualizado, com 4 repetições, com os tratamentos arranjados no esquema fatorial 2x3 (2 cultivares copa e 3 cultivares porta-enxerto). As plantas foram conduzidas no sistema GDC (Geneva Double Curtain) no espaçamento de 2,0 m entre plantas e 3,5 m entre linhas. Para o estudo da duração dos estádios fenológicos da videira, foram etiquetados quatro esporões por parcela, onde, a partir da poda de frutificação, foi determinado o tempo decorrido, em dias, até a gema-algodão, a brotação, o aparecimento da inflorescência, o florescimento, o início da maturação e a colheita. A demanda térmica foi calculada empregando o somatório de graus-dia (GD), desde a poda até a colheita ,e entre cada um dos subperíodos. Pelos resultados obtidos, determinou-se que a duração do ciclo para a videira ‘Isabel’, sobre os porta-enxertos IAC 766 Campinas, IAC 572 Jales e 420-A, foi de 148, 142 e 167 dias, respectivamente e a demanda térmica durante todo o ciclo para estas combinações de 1.260,9, 1.260,9 e 1.541,6 GD, respectivamente. Para a videira ‘Rubea’, sobre os mesmos porta-enxertos a duração do ciclo foi de 134, 134 e 132 dias, respectivamente. A demanda térmica para o período entre a poda e a colheita foi de 1.003,8; 1.003,8 e 999,5 GD, respectivamente.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alessandro Jefferson Sato, Universidade Estadual de Londrina

Aluno regular do curso de pós-graduação em Agronomia da Universidade Estadual de Londrina. Centro de Ciências Agrárias. Londrina, PR Fone: 43 33417108.

Bruno Jubileu da Silva, Universidade Estadual de Londrina

Aluno regular do curso de pós-graduação em Agronomia da Universidade Estadual de Londrina.

Cristiano Ezequiel dos Santos, Universidade Estadual de Londrina

Aluno regular do curso de pós-graduação em Agronomia da Universidade Estadual de Londrina.

Roseneide Bertolucci, Universidade Estadual de Londrina

Acadêmico do curso de graduação em Agronomia da Universidade Estadual de Londrina.

Roberta dos Santos, Universidade Estadual de Londrina

Acadêmico do curso de graduação em Agronomia da Universidade Estadual de Londrina.

Mariana Carielo, Universidade Estadual de Londrina

Acadêmico do curso de graduação em Agronomia da Universidade Estadual de Londrina.

Marília Cherobin Guiraud, Universidade Estadual de Londrina

Acadêmico do curso de graduação em Agronomia da Universidade Estadual de Londrina.

Inês Cristina de Batista Fonseca, Universidade Estadual de Londrina

Prof. Adjunto do curso de Agronomia da Universidade Estadual de Londrina.

Sérgio Ruffo Roberto, Universidade Estadual de Londrina

Prof. Adjunto do curso de Agronomia da Universidade Estadual de Londrina.

Downloads

Publicado

2008-08-30

Como Citar

Sato, A. J., Silva, B. J. da, Santos, C. E. dos, Bertolucci, R., Santos, R. dos, Carielo, M., Guiraud, M. C., Fonseca, I. C. de B., & Roberto, S. R. (2008). Fenologia e demanda térmica das videiras ‘Isabel’ e ‘Rubea’ sobre diferentes porta-enxertos na Região Norte do Paraná. Semina: Ciências Agrárias, 29(2), 283–292. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2008v29n2p283

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2 3 4 5 6 > >> 

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.