História oficial e memória de trabalho: Argentina 1976-1983

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-3356.2013v6n12p15

Palavras-chave:

Ditadura, Memória, Trabalhadores, Resistência, Recordações

Resumo

Na prática real de grandes grupos sociais, a construção de uma memória particular dessas experiências de luta cumpre duas funções fundamentais. A primeira é como coesão grupal que define um "nós" e um "eles", uma forma de comportamento entendida como "correta" e toda uma concepção cultural "classista" que engloba e fundamenta elementos ideológicos e políticos. Em outras palavras, essa “memória” é central para a existência de uma determinada identidade. A segunda é que essas práticas e memórias constituem a matéria-prima da riqueza da experiência que permite a continuidade das lutas e atividades em busca dos interesses de classe. Além de seu resultado concreto, cada luta prefigura e contribui para as lutas posteriores, tornando a memória de ter lutado um poderoso elemento de percepção de classe. Este artigo examina os contrastes entre a memória "oficial" e a memória que cinco trabalhadores constroem de suas experiências durante a ditadura militar argentina de 1876 a 1983.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Pablo A. Pozzi, Universidad de Buenos Aires - UBA

Doutor em História pela SUNY Stony Brook. Professor Titular da Universidad de Buenos Aires..

Referências

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

DELICH, Francisco. Desmovilización social, reestructuración obrera y cambio sindical. EN: WALDMANN, Peter y VALDÉS, Ernesto Garzón. El poder militar em la Argentina, 1976-1981. Buenos Aires : Editorial Galerna, 1983.

LINHART, Roberto. De cadenas y de hombres (L’établi). México : Siglo XXI editores, 1989.

MASON, TIM. Social policy in the Third Reich. The Working Class and the ‘Nacional Community”. New York : Berg, 1993.

PETRAS, James. Terror and the Hydra: The Resurgence of the Argentine Working Class. En: PETRAS, James et al. Class, State and Power in the Third World. New Jersey: Rowman and Littefield, 1981.

POZZI, Pablo. Oposición obrera a la dictadura 1976-1982. Buenos Aires: Editorial Contrapunto, 1987 e Buenos Aires> Editorial Imago Mundi, 2010.

SALAS, Véase Ernesto. La resistência peronista: la toma del frigorífico Lisandro de la Torre. Buenos Aires: CEAL, 1990.

SAMUEL, Raphael. Teatros de la memória. Pasado y presente de la cultura contemporânea. Valencia: Universitat de Valencia, 2008.

THOMPSON, Edward P. Miséria de la teoria. Barcelona: Crítica, 1981.

WILLIAMS, Raymond. Culture is Ordinary (1958). En: Williams. Resources of Hope. London: Verso Books, 1989.

Publicado

03-12-2013

Como Citar

POZZI, P. A. História oficial e memória de trabalho: Argentina 1976-1983. Antíteses, [S. l.], v. 6, n. 12, p. 15–34, 2013. DOI: 10.5433/1984-3356.2013v6n12p15. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/17175. Acesso em: 27 maio. 2024.