Tróiades, de Guilherme Gontijo Flores: iconotexto e poema mixmídia

Autores

  • Sandro Adriano da Silva Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC / Universidade Estadual do Paraná - Unespar https://orcid.org/0000-0003-1567-1563
  • Maurício Cesar Menon Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2023vol43n1p82

Palavras-chave:

poesia brasileira; intermidialidade; Guilherme Gontijo Flores; Tróiades.

Resumo

O artigo analisa a relação intermidiática entre poesia e fotografia na obra Tróiades, que integra a reunião Todos os nomes que talvez tivéssemos (2020). Segundo livro do poeta e crítico, tendo surgido, primeiramente, na forma denominada pelo autor de site-instalação (Flores 2020), com título homônimo e acessível pelo endereço: https://www.troiades.com.br.  O site compõe-se de 25 fotografias selecionadas do Wikicommons, recortas e manipuladas pelo poeta (Flores 2020: n.p), precedendo o mesmo número de um gênero definido por Flores de poema-site.  Dessa forma, objetiva-se interrogar se e em que medida as fotografias selecionadas, manipuladas e dispostas na obra de Gontijo Flores podem constituir uma poesia midiática, nos termos de Clüver (2012: 161) e/ou um poema mixmídia, compreendido a partir de um outro conceito produtivo: o iconotexto, proposto por Louvel (2006). Intenta-se, também, apresentar a presença de referências intermidiáticas que enformam, primeiramente, a materialidade e a singularização de cada mídia (Rajewsky 2012: 25; 24), bem como seu processo materialidade do produto mixmídia em dois poemas da referida obra, com vistas a constituir um gênero poético que questiona ao mesmo tempo em que reivindica novos operadores de leitura.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sandro Adriano da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC / Universidade Estadual do Paraná - Unespar

Doutorando em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina
Professor assistente da Universidade Estadual do Paraná/Campo Mourão

Maurício Cesar Menon, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR

Professor de Humanidades da UTFPR
Doutor em Estudos Literários pela Universidade Estadual de Londrina

Referências

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica. Trad. Gabriel Valladão Silva. Porto Alegre: L&PM, 2014.

BERGER, John. Para entender uma fotografia. Trad. Paulo Geiger. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

CHEVALIER, Jean & Alain Gheerbrandt. Dicionário de símbolos: (mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números). 26.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012.

CLÜVER, Claus. Arte transgênica: a biopoesia de Eduardo Kac. T. F. Nogueira Diniz & A. S. Vieira, orgs. Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. Volume 2. Belo Horizonte: Rona, 2012. 155-170.

CLÜVER, Claus. Inter textus / inter artes / inter media. Aletria. Revista de Estudos de Literatura, Belo Horizonte, v. 6, p. 11-42, 2006. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/aletria/article/view/18067/14857. DOI: https://doi.org/10.17851/2317-2096.14.0.10-41

COMBE, Dominique. A referência desdobrada: o sujeito lírico entre a ficção e a autobiografia. Trad. I. M. & V. C. Revista USP, São Paulo, n. 84, p. 112-128, dezembro/fevereiro 2009-2010. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i84p113-128

DENCKER, Klaus Peter. Da poesia concreta à poesia visual: um olhar para o futuro dos meios eletrônicos. Trad. Silvia Maria Guerra Anastácio. T. F. Nogueira Diniz & A. S. Vieira, orgs. Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. Volume 2. Belo Horizonte: Rona, 2012. 133-153.

ECO, Umberto. A estrutura ausente: introdução à pesquisa semiológica. Trad. Pérola de Carvalho. 7.ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

ECO, Umberto. Obra aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. 8.ed. São Paulo: Perspectiva, 1991.

ELLESTRÖM, Lars. Adaptação no campo das transformações das mídias. Trad. Ana Cláudia Munari Domingos. A. C. M. Domingos. A. P. Klauck, & G. M. G. de Melo, orgs. Midialidade: ensaios sobre comunicação, semiótica e intermidialidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2017. 175-198.

EURÍPIDES. Troianas. Trad. Christian Werner. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FLORES, Guilherme Gontijo. Tróiades. G. G. Flores. Todos os nomes que talvez tivéssemos. Curitiba: Kotter Editorial, 2020, n.p.

FLORES, Guilherme Gontijo. Tróiades remix para o próximo milênio. Disponível em: https://www.troiades.com.br/ Acesso em 10 ago. 2022.

FLORES, Guilherme Gontijo. A revolta do poema. Belo Horizonte: Chão da Feira, 2019. Disponível em: https://chaodafeira.com/wp-content/uploads/2019/08/cad90-arevolta.pdf

GENETTE, Gerard. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Trad. Luciene Guimarães & Maria Antônia Ramos Coutinho. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2006.

GENETTE, Gerard. Paratextos editoriais. Trad. Álvaro Faleiros. Cotia: Ateliê, 2009.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. O Campo não-hermenêutico ou a Materialidade da Comunicação. Rio de Janeiro: UERJ, Cadernos do Mestrado, n. 5, 1993.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Cursos de estética I. Trad. Marco Aurélio Werle. 2.ed. São Paulo: Edusp, 2001.

HOEK, Leo. H. A transposição intersemiótica: por uma classificação pragmática. Trad. Márcia Arbex & Fernando Sabino. M. Arbex, org. Poéticas do visível: ensaios sobre a escrita e a imagem. Belo Horizonte: PPG em Letras: Estudos Literários da Faculdade de Letras da UFMG, 2006. 167-189.

HORÁCIO. Arte poética. Trad. Jaime Bruna. São Paulo: Cultrix, 2005.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da adaptação. Trad. André Cechinel. 2. ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2013.

KOSSOY, Boris. Fotografia e história. São Paulo: Ática, 1989.

LOUVEL, Liliane. A descrição pictural. M. Arbex, org. Poéticas do visível: ensaios sobre a escrita e a imagem. Belo Horizonte: PPG em Letras: Estudos Literários da Faculdade de Letras da UFMG, 2006. 191-220.

MACIEL, Sérgio. Um daímon pantekhnikós no país de si mesmo. Guilherme Gontijo Flores. Todos os nomes que talvez tivéssemos. Curitiba: Kotter, 2020. 7-21.

NÖTH, Winfried & Lúcia. Santaella. A fotografia entre a morte e a eternidade. Imagem: cognição, semiótica, mídia. 3.ed. São Paulo: Iluminuras, 2001. 115-140.

POUND, Ezra. A arte da poesia: ensaios escolhidos. Trad. Heloysa de Lima Dantas & José Paulo Paes. 3.ed. São Paulo: Cultrix, 1991.

RAJEWSKY, Irina. O. Intermidialidade, intertextualidade e “remediação”: uma perspectiva literária sobre a intermidialidade. T. F. Nogueira Diniz & A. S. Vieira, orgs. Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. Volume 2. Belo Horizonte: Rona, 2012. 15-46.

SALLES, Cecília Almeida. Gesto inacabado: processo de criação artística. 6.ed. São Paulo: Intermeios, 2013.

SCHRÖTER, Jen. Discursos e modelos de intermidialidade. Trad. Silvia Anastácio. C. A. P. de Figueiredo, S. R. de Oliveira & T. F. N. Diniz, orgs. A intermidialidade e os estudos interartes na arte contemporânea. Santa Maria: Editora UFSM, 2020. 97-112.

SENECA. As Troianas. São Paulo: Hucitec, 1997.

STAM, Robert. Introdução à teoria do cinema. Campinas: Papirus, 2003.

Downloads

Publicado

06-06-2023

Como Citar

SILVA, S. A. da; MENON, M. C. Tróiades, de Guilherme Gontijo Flores: iconotexto e poema mixmídia. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 43, n. 1, p. 82, 2023. DOI: 10.5433/1678-2054.2023vol43n1p82. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/47081. Acesso em: 22 fev. 2024.