Pauliceia em série: kitsch e desvairismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2022vol42n2p9

Palavras-chave:

Pauliceia desvairada, Mário de Andrade, Kitsch, Desvairismo.

Resumo

“Minhas reivindicações? Liberdade” (Andrade 2019: 11). Em meio ao processo de modernização de São Paulo, processo repleto de contradições e conflitos, Mário de Andrade publica sua Pauliceia desvairada, obra complexa, que articula elementos da cultura de massa e da cultura popular para elaborar uma arte de vanguarda brasileira. Neste trabalho, propomos que o livro de 1922, tão próximo da lógica e da estética da reprodutibilidade técnica, pode ser entendido como uma via de estudo da emergência do kitsch no Brasil. Essa proposição se sustenta pela leitura de alguns poemas e do Prefácio interessantíssimo, mas também se ampara na elaboração teórica feita em A escrava que não é Isaura (1925) e no lançamento de Klaxon (1922). O que sobressai é a ambivalência das posições em jogo: em Mário de Andrade encontramos o desvairismo como defesa vanguardista e aristocrática de uma arte genuína; mas também notamos a emergência do kitsch, marcada pela sedução dos clichês e pelo mascaramento performático que, diante das massas, esvazia qualquer essência, dos sujeitos e dos objetos.

Biografia do Autor

Ana Paula Parisotto, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Literatura da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Artur de Vargas Giorgi, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutor em Literatura (UFSC)
Professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Referências

ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. A indústria cultural: o iluminismo como mistificação de massas. Trad. Julia Elisabeth Levy. Luiz Costa Lima. Teoria da cultura de massa. São Paulo: Paz e Terra, 2002. 169-214.

AMBROZIO, Leonilda. Mário de Andrade e Vicente Huidobro: identidades. Revista Letras, Curitiba, n. 31, p. 103-113, 1982. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/letras/article/view/19352. DOI: https://doi.org/10.5380/rel.v31i0.19352

ANDRADE, Mário de. A escrava que não é Isaura. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.

ANDRADE, Mário de. Pauliceia desvairada. São Paulo: Principis, 2019.

ANTELO, Raúl. Na Ilha de Marapatá: Mário de Andrade lê os hispano-americanos. São Paulo: HUCITEC, 1986.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sergio Paulo Rouanet. 7 ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BUCK-MORSS, Susan. Estética e anestética: o “Ensaio sobre a obra de arte” de Walter Benjamin Reconsiderado. Travessia, Florianópolis, n. 33, p. 11-41, ago./dez. 1996. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/travessia/article/view/16568/15124.

CARVALHO, Lilian Escorel de. A revista francesa L’Esprit nouveau na formação das ideias estéticas e da poética de Mário de Andrade. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2008. Disponível em: https://tinyurl.com/mvzhxe97.

CORDEIRO, A. maria. O pensamento musical de Mário de Andrade. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 111-124, 1994. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/5337.

FRANCO JUNIOR, Arnaldo. Kitsch, crise da utopia modernista e crítica de arte na contemporaneidade. Leitura, Maceió, v. 1, n. 45, p. 149–164, 2011. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/250. DOI: https://doi.org/10.28998/0103-6858.2010v1n45p149-164

GIORGI, Artur de Vargas. O tupi e o alaúde, ainda. Revista Cult, São Paulo, s/n, s/p, 1 abr. 2021. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/mario-de-andrade-o-tupi-e-o-alaude/.

HUIDOBRO, Vicente. La creación pure. L’Esprit Nouveau, Paris, 1921, n. 7, p. 769-776. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k10733766/f7.item

GREENBERG, Clement. Vanguarda e kitsch. Trad. Maria Luiza X. de A. Borges. Clement Greenberg e o debate crítico. Rio de Janeiro: Funarte Jorge Zahar, 1997.

JAECKEL, Volker. A percepção da grande cidade na obra de Georg Heym e Mário de Andrade. Contingentia, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 1-12, 2009. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/contingentia/article/view/7107.

KANT, Immanuel. Resposta à pergunta: Que é o iluminismo? [1784]. A Paz perpétua e outros opúsculos. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1995. 21-37.

KLAXON. Mensário de Arte Moderna, São Paulo, ano 1, n. 1, 15 mai. 1922.

MOLES, Abraham. O kitsch: a arte da felicidade. Trad. Sergio Miceli. São Paulo: Perspectiva, 1972.

ROSENFELD, Anatol. Mário e o cabotinismo. Texto/Contexto. São Paulo: Perspectiva, 1978. 185-200.

SÊGA, Christina. O Kitsch está Cult. Signos do Consumo, São Paulo, v. 02, p. 53-66, 2010. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/signosdoconsumo/article/view/44361. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1984-5057.v2i1p53-66

SEVCENKO, Nicolau. Orfeu extático na Metrópole: São Paulo, sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

SIMON, Iumna Maria. Linguagem poética e crescimento urbano-industrial. Rev. Let., São Paulo, v. 46, n. 1, p. 127-150, jan./jun. 2006. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/letras/article/view/44.

SÜSSEKIND, Flora. Cinematógrafo de letras: literatura, técnica e modernização no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

TELES, Gilberto Mendonça. Vanguarda européia e modernismo brasileiro. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 1976.

Downloads

Publicado

30-12-2022

Como Citar

PARISOTTO, Ana Paula; GIORGI, Artur de Vargas. Pauliceia em série: kitsch e desvairismo. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 42, n. 2, p. 9–19, 2022. DOI: 10.5433/1678-2054.2022vol42n2p9. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/45984. Acesso em: 25 jun. 2024.