Na brevidade a abrangência: ironia em duas minificções de Dalton Trevisan

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2017v34p19

Palavras-chave:

Ironia, Brevidade, Minificção, Dalton Trevisan

Resumo

No presente trabalho, analisamos a presença da ironia em duas minificções do escritor Dalton Trevisan: “A boneca” e “Emiliano redivivo”. Cada ministória apresenta uma construção irônica em que a incidência da ironia intensifica a característica condensada e sintética dos textos e sua capacidade de potencializar sentidos. A ironia, em si mesma, já se constitui em um recurso polissêmico que produz, no mínimo, dois sentidos distintos em um mesmo dizer. Além disso, a escrita de Dalton Trevisan, marcada pela construção de narrativas ultracurtas, preza a objetividade e o poder de condensação que fazem com que o discurso literário seja ainda mais permeado pela multiplicidade de sentidos. Assim, a compreensão das várias manifestações da ironia na escrita do autor constitui-se em chave de leitura que contribui para a compreensão do gênero da minificção e sua manifestação na escrita deste escritor. Também destacamos o papel da ironia na crítica da sociedade curitibana e da percepção da violência, conteúdos recorrentes na obra de Dalton Trevisan. Finalmente, utilizamos o método de análise literária através da perspectiva da redução estrutural, relacionando o uso da ironia nas minificções com uma leitura da realidade.

Biografia do Autor

Gilda de Albuquerque Vilela Brandão, Universidade Federal de Alagoas

Mestre e Doutora em Letras pela Universidade Federal de Alagoas. Professora Associada III da Universidade Federal de Alagoas.

Wesslen Nicácio de Mendonça Melânia, Universidade Federal de Alagoas

Doutorando em Estudos Literários no Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Alagoas.

Referências

BRAIT, Beth. Ironia em perspectiva polifônica. 2a. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

FONTES, Luísa Cristina dos Santos. Página em construção... Helena Kolody e a crítica. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 10: desafios atuais dos feminismos (Anais eletrônicos). Florianópolis, 2013. Disponível em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/10/resources/anais/20/1386689381_ARQUIVO_LuisaCristinadosSantosFontes.pdf. Acesso em 15 set. 2017.

GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 22a. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

HUTCHEON, Linda. Teoria e política da ironia. (Tradução de Julio Jeha). Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção (Tradução Ricardo Cruz). Rio de Janeiro: Imago, 1991.

PIGLIA, Ricardo. Formas breves. Buenos Aires: Debolsillo, 2014.

TREVISAN, Dalton. Duzentos ladrões. Porto Alegre: L&PM, 2008.

TREVISAN, Dalton. Desgracida. Rio de Janeiro: Record, 2010.

WALDMAN, Berta. Ensaios sobre a obra de Dalton Trevisan. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

ZAVALA, Lauro. Cartografías del cuento y la minificción. Sevilla: Renacimiento, 2004. Disponível em: http://www.laurozavala.info/attachments/Cartografas.pdf. Acesso em 15 set. 2017.

Downloads

Publicado

06-10-2017

Como Citar

BRANDÃO, Gilda de Albuquerque Vilela; MELÂNIA, Wesslen Nicácio de Mendonça. Na brevidade a abrangência: ironia em duas minificções de Dalton Trevisan. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 34, p. 19–30, 2017. DOI: 10.5433/1678-2054.2017v34p19. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/30915. Acesso em: 22 jun. 2024.