Política institucional do IFG: perfil do estudante de dois cursos superiores do campus Uruaçu

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0383.2021v42n2p355

Palavras-chave:

Educação profissional, Assistencialismo institucional, Perfil do estudante.

Resumo

Este artigo discorre sobre a educação profissional superior tecnológica, visando identificar se o Instituto Federal de Goiás (IFG), Campus Uruaçu, conseguiu superar a visão assistencialista que essa modalidade de ensino vem tentando romper ao longo dos anos. Para tanto, foi levantado o perfil dos estudantes do curso de Bacharelado em Engenharia Civil (EC) e do curso de Licenciatura em Química (LQ). Visando aprofundar o entendimento sobre o assunto, formulou-se o seguinte problema: os cursos de EC e LQ ofertados no IFG, campus Uruaçu, têm conseguido transformar seu ensino assistencialista em uma formação que permita o desenvolvimento integral dos estudantes? A pesquisa realizada no período de 2018 a 2019, foi de natureza aplicada e abordagem qualitativa, e, quanto aos objetivos, descritiva. Em relação aos procedimentos técnicos, foram adotadas a pesquisa bibliográfica, contemplando autores como Amaral (2017), Antunes (2009; 2018), Brzezinski (2018), Cunha (2014) e Frigotto (2007a, 2007b), e a pesquisa documental, em especial o Decreto n.º 4.127/1942 e a Lei n. 11.892/2008. Foram também aplicados questionários aos 27 estudantes dos cursos pesquisados, matriculados entre os anos de 2012 e 2019, e realizadas entrevistas com 12 deles. Dentre os aspectos abordados na pesquisa, foram contemplados gênero, renda familiar, escola de origem e exercício profissional antes do ingresso no curso do IFG. Os resultados da pesquisa evidenciaram que os estudantes pesquisados têm conseguido romper com a visão assistencialista que caracteriza o ensino do IFG Campus Uruaçu.

Biografia do Autor

Gilmara Barbosa de Jesus, Instituto Federal de Educação - IFG

Mestre em Educação, Linguagem e Tecnologias pela Universidade Estadual de Goiás-UEG, Goiânia, GO, Brasil. Técnico Administrativo em Educação do Instituto Federal de Goiás - Câmpus Uruaçu, GO.

Yara Fonseca de Oliveira e Silva, Universidade Estadual de Goiás - UFG

Doutora em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento (UFRJ); Pós-doutora na Universidade do Porto-Portugal. Professora da Universidade Estadual de Goiás (UFG), Goiânia, GO

Veronise Francisca dos Santos Lima Rebouças, Universidade Estadual de Goiás - UFG

Mestrado em Educação, Linguagem e Tecnologia pela Universidade Estadual de Goiás (UFG). Servidora do Governo do Estado de Goiás na Secretaria de Estado da Educação. Assessora Jurídica da Procuradoria Setorial da Secretaria de Estado da Educação.

Maildes Helena de Carvalho Marques, Universidade Estadual de Goiás - UFG

Mestranda em Educação na Universidade Estadual de Goiás (UFG). Professora na Secretaria de Educação, Cultura e Esporte de Goiás.

Referências

ALMEIDA, G. C.; BRZEZINSKI, I. Unesco e a educação profissional para o século XXI: Informalidade e flexibilização como horizonte para a formação do trabalhador. Educativa, Goiânia, v. 23, p. 1-24, 2020. (Temas em Debate).

ALTHUSSER, Louis. Os aparelhos ideológicos do Estado. Rio de Janeiro: Graal, 1980.

AMARAL, M. A.; EMER, M. C. F. P.; BIM, S. A.; SETTI, M. G.; GONÇALVES, M. M. Investigando questões de gênero em um curso da área de computação. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 25, n. 2, p. 857-874, maio/ago. 2017. Disponível em: https://bit.ly/3CNlrvg Acesso em: 20 jun. 2021.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2009.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

BACELAR, T. A. Ensaios sobre o desenvolvimento brasileiro: heranças e urgências. Rio de Janeiro: Revan, 2000.

BARBOSA, A. C. C. Os institutos federais: reflexões sobre a ifetização a partir do processo de elaboração do regime geral do IFS. Aracaju: IFS, 2016.

BOURDIEU, P. Para uma sociologia da ciência. Lisboa: Edições 70, 2008.

BRASIL. Constituição [1988]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: https://bit.ly/3EJkUuZ. Acesso em: 20 jun. 2019.

BRASIL. Lei n.º 9.394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Seção 1, p. 27833.

BRASIL. Decreto n.º 2.208, de 17 de abril de 1997. Regulamenta o § 2 º do Art. 36 e os Arts. 39 a 42 da Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1997. Seção 1, p. 7760

BRASIL. Decreto n.º 5.154, de 23 de julho de 2004. Regulamenta o & 2º dos Arts. 36 a 41 da Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional e dá outras providências Diário Oficial da União, Brasília, DF, 4 fev. 2004. Seção 1, p. 18.

BRASIL. Lei n.º 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Ciência e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 dez. 2008a. Seção 1, p. 1

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Documento base da educação profissional técnica de nível médio integrada ao ensino médio. Brasília, DF: Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Metodologia e relatório consolidado de estudos e pesquisas com subsídios para a implantação dos Campi de Uruaçu, Itumbiara, Luziânia, Formosa, Anápolis e da Extensão do Campus Goiânia em Aparecida de Goiânia do Instituto Federal de Goiás. Goiânia, dez. 2009. Disponível em: https://bit.ly/3BMjNbY Acesso em: 15 jun. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Portaria nº 694 de 9 junho de 2008. Autoriza o Centro Federal de Educação Tecnológica do Goiás - CEFET-GO a promover o funcionamento de sua UNED de Uruaçu/GO. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jun. 2008.

BRZEZINSKI, I. (org.). LDB/1996 vinte anos depois: projetos educacionais em disputa. São Paulo: Cortez, 2018.

CUNHA, L. A. O ensino de ofícios artesanais e manufatureiros no Brasil escravocrata. São Paulo: Unesp; Brasília, DF: FLACSO, 2000a.

CUNHA, L. A. O ensino de ofícios nos primórdios da industrialização. São Paulo: Ed. Unesp, 2000b.

CUNHA, L. A. O Ensino profissional na irradiação do industrialismo. São Paulo: Ed. Unesp; Brasília: Flacso, 2000c. v.3.

FRIGOTO, G. A relação da educação profissional e tecnológica com a universalização da educação básica. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1129-1152, 2007a.

FRIGOTTO, G. Educação e formação humana: ajuste neoconservador e alternativa democrática. In: GENTILI, P. A.; SILVA, T. T. (org.). Neoliberalismo, qualidade total e educação: visões. 12. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007b. p. 30-92.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re) exame das relações entre educação e estrutura econômica-social capitalista. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2010a.

FRIGOTTO, G. Educação e a crise do capitalismo real. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010b.

GAMBOA, S. S. Projetos de pesquisa, fundamentos lógicos: a dialética entre perguntas e respostas. Chapecó, RS: Argos, 2013.

GONÇALVES, S. L. A expansão da rede e educação profissional, científica e tecnológica: implicações nas relações e condições de trabalho no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás. 2014. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) - Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2014.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

IBGE. Estimativas da População. Rio de Janeiro: IBGE, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2ZLwQxb. Acesso em: 25 ago. 2021.

INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS. Portaria n.º 488, de 27 de agosto de 2009. Estatuto do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás. Goiânia: IFG, 2009. Disponível em:
https://bit.ly/3BIkzXB. Acesso em: 5 jan. 2019.

INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS. Projeto de Implantação do curso de Licenciatura em Química. Uruaçu: IFG, 2008.

INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS. Plano de desenvolvimento institucional: 2019 a 2023. Goiânia: IFG, 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS - INEP. Dados estatísticos de alunos matriculados no ensino superior no Brasil. 2021. Disponível em: https://bit.ly/3bHaYFS / Acesso em: 25 ago. 2021.

MACHADO, N. J. (coord.). Diagnósticos e propostas para a educação básica brasileira. São Paulo: Instituto de Estudos Avançados da USP, São Paulo, jun. 2018. Disponível https://bit.ly/3CME8zt/. Acesso em: 20 jan. 2019.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

MÉSZÁROS, I. Educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

MORAES, M. C. Educar na biologia do amor e da solidariedade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2010.

SILVA, L. H. Ascensão feminina no mercado de construção civil: a percepção das gestoras. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Administração de Empresas) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

SILVA, Y. F. O. Universidade e o desenvolvimento local: o caso da Universidade Estadual de Goiás (UEG). 2014. Tese (Doutorado em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

SILVA, A. R.; TERRA, D. C. T. A expansão dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia e os desafios na contribuição para o desenvolvimento local e regional. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO, 1., 2008, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

SILVA, M. G; ROMANOWSKI, N. A. Estudo de caso: Institutos Federais de Educação no Brasil. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Metodista de São Paulo, São Paulo, 2015.

SILVA, Y. F. O. Universidade e o desenvolvimento local: o caso da Universidade Estadual de Goiás (UEG). 2014. Tese (Doutorado em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento) –Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução de Daniel Grassi. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

06.12.2021

Como Citar

JESUS, Gilmara Barbosa de; SILVA, Yara Fonseca de Oliveira e; REBOUÇAS, Veronise Francisca dos Santos Lima; MARQUES, Maildes Helena de Carvalho. Política institucional do IFG: perfil do estudante de dois cursos superiores do campus Uruaçu. Semina: Ciências Sociais e Humanas, [S. l.], v. 42, n. 2, p. 355–374, 2021. DOI: 10.5433/1679-0383.2021v42n2p355. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/44143. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção Livre