Teoria psicanalítica, sexo e gênero: articulações em uma perspectiva anti-essencialista

Autores

  • João Eduardo Torrecillas Sartori Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto
  • Alexandre Mantovani Escola de Enfermagem -USP. - Campus da USP de Ribeirão Preto.

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0383.2016v37n2p181

Palavras-chave:

Psicanálise, Gênero, Cultura, Sexualidade

Resumo

O presente artigo discute contribuições psicanalíticas aos estudos sobre sexualidade e gênero. A teoria psicanalítica freudiana recebeu diversas críticas por parte dos teóricos de estudos de gênero que reconheceram, nas hipóteses aventadas por Freud, atitudes reducionistas e deterministas. Todavia, Freud foi um dos primeiros autores a propor leituras sobre a sexualidade que, justamente, evitavam tanto o reducionismo no entendimento de certas práticas sexuais – deixando de considerá-las sob uma perspectiva psicopatológica –, quanto a consideração segundo a qual haveria uma pré-determinação na sexualidade e nos gêneros, em termos biológicos. Com base no estudo histórico-epistemológico sobre o tema da sexualidade na psicanálise e na análise de um caso clínico freudiano, propõe-se uma leitura anti-essencialista que evita reducionismos no entendimento de questões referentes à subjetivação e privilegia o entendimento da subjetividade inscrita no domínio sociocultural.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

João Eduardo Torrecillas Sartori, Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto

Acadêmico de Medicina da FAMERP. Coordenador do GETP-FAMERP.

Alexandre Mantovani, Escola de Enfermagem -USP. - Campus da USP de Ribeirão Preto.

Doutor em Psicologia pela FFCLRP-USP. Professor do Departamento de Enfermagem Psiquiátrica e Ciências Humanas da EERP-USP

Downloads

Publicado

08.06.2017

Como Citar

SARTORI, J. E. T.; MANTOVANI, A. Teoria psicanalítica, sexo e gênero: articulações em uma perspectiva anti-essencialista. Semina: Ciências Sociais e Humanas, [S. l.], v. 37, n. 2, p. 181–192, 2017. DOI: 10.5433/1679-0383.2016v37n2p181. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/27567. Acesso em: 13 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê