Uso do aplicativo C7-LVC no georreferenciamento de casos de leishmaniose visceral canina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0359.2023v44n6p2197

Palavras-chave:

Controle, Vigilância epidemiológica, Georreferenciamento, Leishmania, Leishmaniose Visceral.

Resumo

O georreferenciamento pode revelar a distribuição espacial das doenças. Este estudo caracterizou a localização geográfica dos casos positivos de leishmaniose visceral canina (LVC) (n=21), por meio do aplicativo C7-LVC (App), na cidade de Santa Maria, RS, Brasil. Esta tecnologia está disponível para uso em dispositivos smartphones, sendo caracterizada como primeiro instrumento para a notificação de LVC ao serviço público, com o objetivo de auxiliar nas ações de controle da doença. Neste estudo, foi utilizado o banco de dados do Serviço Municipal de Vigilância Ambiental que continha informações de notificações sobre LVC anteriormente enviadas por médicos veterinários, entre abril e dezembro de 2017. Neste período, a prevalência de LVC foi maior na região Norte (17/21 - 80,93%) da cidade. Os casos positivos foram observados em sete bairros, com maior ocorrência (21/9 - 42,85%) no bairro Perpétuo Socorro. As regiões contendo cães positivos para LVC apresentavam como características ambientais a vegetação nativa com áreas úmidas, sombreadas e ricas em matéria orgânica. Todos os casos de LVC foram identificados em regiões geográficas próximas. As características ambientais do município favorecem a proliferação e sobrevivência do vetor no perímetro urbano e periurbano e acarretam riscos à saúde humana e animal. Os dados de georreferenciamento obtidos pelo C7-LVC podem auxiliar na formulação de medidas sanitárias para conter a propagação da doença entre humanos e animais.

Biografia do Autor

Jaíne Soares de Paula Vasconcellos, Universidade Federal de Santa Maria

Veterinária, Assistente de Administração, Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Santa Maria, RS, Brasil.

Fagner Fernandes, Universidade Federal de Santa Maria

Prof., Curso de Medicina Veterinária, Centro Universitário Ritter dos Reis, UniRitter, Porto Alegre, RS, Brasil.

Carlos Flávio Barbosa da Silva, Superintendência de Vigilância em Saúde

Médico Veterinário da Superintendência de Vigilância em Saúde do Município de Santa Maria, RS, Brasil.

Enio Giotto, Universidade Federal de Santa Maria

Prof.  Dr., UFSM, Santa Maria, RS, Brasil.

Sônia de Avila Botton, Universidade Federal de Santa Maria

Prof. Dr., UFSM, Santa Maria, RS, Brasil.

Fernanda Silveira Flores Vogel, Universidade Federal de Santa Maria

Profa. Dra., UFSM, Santa Maria, RS, Brasil.

Luis Antonio Sangioni, Universidade Federal de Santa Maria

Prof. Dr., UFSM, Santa Maria, RS, Brasil.

Referências

Casagrande, B., & Guimarães, R. B. (2019). Vetores das Leishmanioses no Parque Estadual do Morro do Diabo (PEMD), Município de Teodoro Sampaio - SP, Brasil. Geografia, 28(1), 225-238. doi: 10.5433/447-1747.2019v28n1p225 DOI: https://doi.org/10.5433/2447-1747.2019v28n1p225

Costa, C. H. N. (2008). Characterization and speculations on the urbanization of visceral leishmaniasis in Brazil. Cadernos de Saúde Pública, 24(12), 2959-2963. doi: 10.1590/S0102-311X2008001200027 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008001200027

Faria, R. M., Savian, P., & Vargas, D. (2019). Territórios da privação social na cidade de Santa Maria, Rio Grande do Sul. Boletim de Geografia, 37(1), 234-250. doi: 10.4025/bolgeogr.v37i1.39208 DOI: https://doi.org/10.4025/bolgeogr.v37i1.39208

Guia de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. (2016). Brasília: Ministério da Saúde. https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/novembro/18/Guia-LV-2016.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2021). Cidades e estados. https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/rs/santa-maria.html

Instrução normativa n.º 02/SVS/MS, de 22 de novembro de 2005. (2005). Ministério da Saúde. Regulamenta as atividades de vigilância epidemiológica com relação à coleta, fluxo, periodicidade de envio de dados da notificação compulsória de doenças por meio do Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 nov. 2005. Seção 1. p. 46. http://portalsinan.saude.gov.br/images/documentos/Legislacoes/IN_2_2005.pdf

Leal, O. B., Neto, Dimech, G. S., Libel, M., Oliveira, W., & Ferreira, J. P. (2016). Digital disease detection and participatory surveillance: overview and perspectives for Brazil. Revista de Saúde Pública, 50, 1-5. doi: 10.1590/S1518-8787.2016050006201 DOI: https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2016050006201

Manual de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral. (2006). Ministério da Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_vigilancia_ controle_leishmaniose_visceral.pdf

Marcondes, M., & Rossi, C. N. (2013). Leishmaniose visceral no Brasil. Brazilian Journal Veterinary Research and Animal Science, 50(5), 341-352. doi: 10.11606/issn.2318-3659.v50i5p341-352 DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2318-3659.v50i5p341-352

Penha, T. A., Santos, A. C. G., Rebêlo, J. M. M., Moraes, J. L. P., & Guerra, R. M. S. N. C. (2013). Fauna de flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) em área endêmica de leishmaniose visceral canina na região metropolitana de São Luis–MA, Brasil. Biotemas, 26(2), 121-127. doi: 10.5007/2175-7925.2013v26n2p121 DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2013v26n2p121

Ratzlaff, F. R., Engelmann, A. M., Luz, F. S., Braunig, P., Andrade, C. M., Fighera, R. A., Botton, S. A., Vogel, F. S. F., Pötter, L., & Sangioni, L. A. (2018). Coinfecções por Leishmania infantum, Neospora caninum e Toxoplasma gondii em cães necropsiados da região central do Rio Grande do Sul, Brasil. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, 70(01), 109-116. doi: 10.1590/1678-4162-9412 DOI: https://doi.org/10.1590/1678-4162-9412

Ribeiro, H. (2014). Health geography in knowledge crossover. Saúde e Sociedade, 23(4), 1123-1126. doi: 10.1590/S0104-12902014000400200 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000400200

Santa Maria (2018). Plano municipal de saúde 2018 - 2021. Prefeitura Municipal de Santa Maria, Secretaria Municipal de Saúde. https://www.santamaria.rs.gov.br/inc/view_doc.php?arquivo_dir=2018&dir_mes= 08&arquivo_nome=D21-598.pdf&doc_gc=1

Santi, A. L., Sebem, E., Giotto, E., & Amado, T. J. C. (2016). Agricultura de precisão no Rio Grande do Sul. CESPOL.

Vasconcellos, J. S. P., Ratzlaff, F. R., Vogel, F. S. F., Giotto, Ê., Veiga, H. G. C., Botton, S. A., & Sangioni, L. A. (2021). Information technology by mobile communication for the notification of canine visceral leishmaniasis. Pesquisa Veterinária Brasileira, 41, e06671. doi: 10.1590/1678-5150-PVB-6671 DOI: https://doi.org/10.1590/1678-5150-pvb-6671

Wójcik, O. P., Brownstein, J. S., Chunar, R., & Johansson, M. A. (2014). Public health for the people: participatory infectious disease surveillance in the digital age. Emerging Themes Epidemiology, 11(1), 7. doi: 10.1186/1742-7622-11-7 DOI: https://doi.org/10.1186/1742-7622-11-7

Downloads

Publicado

2024-01-30

Como Citar

Vasconcellos, J. S. de P., Fernandes, F., Silva, C. F. B. da, Giotto, E., Botton, S. de A., Vogel, F. S. F., & Sangioni, L. A. (2024). Uso do aplicativo C7-LVC no georreferenciamento de casos de leishmaniose visceral canina. Semina: Ciências Agrárias, 44(6), 2197–2206. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2023v44n6p2197

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>